terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Caíram ; e os outros ?

                          
Não é rara a modificação de estruturas em edifícios.Pelo contrário, os chefetes, que de engenharia não entendem bulhufas, mandam derrubar paredes e vigas,  aumentam salões julgando-se os gênios das reformas  prediais. Ainda mais quando  as paredes  não fazem mais parte da moderna administração. Hoje, a moda são currais, divisórias leves. Esta é a sorte pois o peso é menor.

Quando fui advogada de uma entidade de classe, de profissionais que acham que sabem tudo, da mesma profissão do meu pai,tive a oportunidade de presenciar um dos absurdos dessa questão.

A entidade ocupava metade de um andar.  Compraram a outra metade para fazer o auditório e a Comissão de Ética e Julgamento. No espaço para o auditório, derrubaram tudo, fazendo um espaço amplo e corrido.   O processo administrativo  passou pelo jurídico. Eu fiz meu parecer, sugerindo projeto com engenheiro responsável e relatório fundamentado. Depois, comunicação ao síndico, autorização dos condôminos em ata de reunião própria e registrada em cartório, e ainda fossem tiradas as licenças municipal e do CREA/ES com apresentação do projeto.O presidente ficou nervoso , foi grosseiro comigo, disse que eu estava  complicando tudo e, literalmente, engavetou o processo. No auditório foi feito um estrado para palco, mesas,  aparelhos de som e cadeiras para cinquenta pessoas. Tudo sob a  batuta do presidente. Se houveram protestos dos associados  ou dos condôminos, não sei mas a coisa foi feita.

Espero que ele esteja vivo e tenha assistido as reportagens da queda dos prédios do Rio de Janeiro e suas modificações através  dos anos. Eu me lembrei porque fiquei tão impressionada com a arrogância do pessoal que tirei xerox autenticada do processo para me salvaguardar no futuro. Ainda bem que não joguei fora, ainda.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Crime organizado em Guarapari / ES

Quem acompanha meu blogue, deve lembrar-se de quando relatei, talvez há quatro anos, quando três homens com farda semelhante à da PM / ES vieram propor que eu pagasse cem reais por mês para eles fazerem a segurança da rua. Eu recusei, dizendo que já tinha alarme monitorado e poderia chamar a PM se fosse necessário.Um deles, em tom de ameaça, disse que jamais a PM me atenderia e que eu acabaria, vendendo minha casa.Deu-me as costas e foi embora sem identificar-se.Todos da rua fizeram a mesma recusa.

A partir daí,houve infestação de ladrões, drogados e prostitutas na nossa rua. O rapaz da esquina mudou-se porque, sem que ele soubesse de onde veio, caiu  um festival de calúnias contra ele. Meu telhado e o da vizinha pareciam o calçadão de tanto vagabundo, andando neles. Minha casa é um bunquer e não entra ladrão mas na vizinha entraram três vezes e  na casa do italiano duas.Roubaram duas antenas parabólicas da minha casa. Invadiram um prédio. Nuvens de pessoas esquistas, à pé ou de bicicleta, andavam prá lá e prá cá o dia todo, esperando uma distração para entrarem em nossas casas, passadas a chave no último furo.Não podíamos sequer conversar no portão. Era entrar e sair, rapidamente.

Tudo começou quando uma vizinha, lá da ponta, resolveu dispensar caseiros e colocar alarme monitorado.Justamente com este pessoal. Foi a ocasião em que eles vieram fazer a proposta criminosa.

 
Com o tempo,fui, com os vizinhos, a dois  delegados sucessivos e ambos inoperantes. Um deles, disse-me, na frente do grupo, para eu vender minha casa. Fomos três vezes ao comandante da PM , ao MP. Nada. Pegamos as placas dos veículos caquentos que paravam de madrugada na rua. Com certeza eram os vagabundos que nos roubavam,  e deixei, de forma anônima,inclusive com os prospectos do DETRAN, endereçado ao delegado.  Alguns casos contei, aqui no blogue. A PM não nos atendia a não ser no verão porque o grupo era de Vitória, sem lastro com estes criminosos. O alarme da corja, disparava de madrugada, infernizando nossa vida.A casa é fechada pois sua dona mora em Vitória, sendo usada para  veraneio.

Depois de tanta luta e tanto tempo, matutei,sondei, investiguei , descobri a trama e mudei minha  estratégia. Resolvi conversar com a dona da casa do alarme maldito, arrumar um discurso para ela cancelar o serviço e aderir ao nosso. Preparei todos da rua para falarem mal do serviço com ela , dizer que ninguém aparecia quando soava. Exagerar no incômodo. Passamos , todos, a telefonar de madrugada para o rapaz que , eventualmente, passa na casa e tem a chave, para ele vir desligar o maldito alarme.Pedi a ele para não amenizar a questão. Resumindo: Deu certo, o alarme foi cancelado e passado para o que nos presta serviço.

Como num passe de mágica, os ladrões sumiram, escafederam-se.As duas prostitutas que fincaram escritório na rua, desapareceram.

Minha raiva é tamanha, por constatar que travei uma luta com estes camaradas, que chego a salivar pelo canto da boca, e meu coração se apertar, tamanha a adrenalina. Descobri que o dono do serviço do alarme é ex comandante, reformado, e que os soldadinhos da PM  fazem bico enquanto estão de serviço. Isto é, recebem duas vezes pelo mesmo serviço.

Meu ódio é maior quando não posso fazer nada pois não tenho provas concretas.

Agora é controlar minha adrenalina e esperar o próximo capítulo pois , dificilmente , vou deixar passar batido.Estou como a onça, de tocaia atrás da pedra, pronta para o bote.Quem sabe, fazer denúncia anônima,para a Polícia Federal que deu a eles licença para andarem armados pois são ex policiais .Ou escrever uma carta para Brasília pois se não for quadrilha e crime organizado, que nome tem ?

sábado, 28 de janeiro de 2012

Todas as músicas de Roberto Carlos são antigas

Roberto Carlos proibiu vender , pela internet, as músicas gravadas em 1961. Ele não gosta do disco. Bobagem completa. Ele, que já foi chamado de Elvis Presley brasileiro, que se inspira em tanta coisa do REI estadunidense, devia saber que não adianta controlar sua música. Ainda mais  nos dias de hoje onde caiu no espaço , perdeu o controle.

Elvis mantinha controle sobre as gravações comercializadas, ficava furioso quando ouvia no rádio qualquer modificação, feita  após sua aprovação. Recusou-se a gravar em estúdio porque modificavam suas  gravações. Entretanto, hoje , seus inúmeros takes , não aprovados por ele, são vendidos, suas músicas mexidas, vestidas com roupas da moda. Se ele não reconheceria sua casa se voltasse na Terra, imagine o ataque de raiva ao perceber que gente, sequer da região onde nasceu e viveu, muda tudo e, ainda, projeta-se para o mundo como formidável.

Roberto Carlos deveria deixar correr solto sua música, deixar de se apegar ao inapegável. Devia, isto sim, compor novas músicas, fazer novas composições do mesmo nível das antigas, pois o apego ao passado confirma, apenas, que sua fonte secou.

Quando ele morrer, tudo vai virar bagunça pois o que manda é a bufunfa e seus sanguessugas. E, pensando melhor, antes isso do que o esquecimento.



Quer saber? KLIKA 

Nota: Este artigo foi feito antes da nova música, Eu sou o cara.


quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Multa de trânsito

Se você receber notificação por multa no trânsito, antes de entrar em pânico, faça análise se o responsável  foi você. Talvez tenha emprestado seu carro ou alguém o tenha na sua propriedade.É bom tirar  cópia do recibo do carro quando você o vender.

Se a infração de trânsito tenha sido cometida por outra pessoa  ao volante,existe um prospecto do DETRAN para você preencher, indicando quem foi o motorista multado. Em alguns departamentos é exigida a assinatura, também , do motorista infrator.Mesmo que ele recuse assinar,faça a indicação, com ou sem duas testemunhas.

A consequência é que  os pontos da  multa serão lançados na carteira de motorista do infrator e não haverá pontos na sua.

Se for um carro que você já tenha vendido, use cópia do recibo e indique o comprador.  Pode ser que ele não tenha feito a transferência de propriedade. A multa é lançada  sobre o carro - sua placa - e seu proprietário e não sobre o motorista pois a autoridade de trânsito não sabe quem está ao volante.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Dilma, até quando ?

                         
E a reforma ministerial?
E a quebra das amarras?
Vai pagar o apoio em quantas prestações?


Na década de oitenta alguns médicos ganhavam eleições nas trompas das mulheres.
Minha secretária foi uma delas. Votou no cara. Na outra eleição eu lhe disse que a ligação das trompas fora para as eleições que passaram. Ela estava liberta para votar em outro. E, ela votou.  Deu como pago voto anterior. O médico não se reelegeu.


Eu me lembro da Marlene quando vejo o Velhaco cobrando seu apoio. É um pândego...

sábado, 21 de janeiro de 2012

O dinheiro sai pela porta ...

- Dedo apontado na cara? Comigo , este estava morto
                     

Pipocam passeatas na Europa contra a violência doméstica. Bastou a falência dos bolsos masculinos e o desemprego, para eles espancarem as mulheres, quando estão em casa. Não me canso de admirar de como esse tipo de homem, esteja onde estiver, é um imbecil, um falido, um néscio sem tamanho quando  no domínio do lar  e desempregado. 

Quando eu era uma militante feminista, jamais participei de manifestações contra a violência doméstica.Para mim, que vi tanta mulher violácia , veio-me a certeza que, o diabo sabe para quem aparece.


Já se foi o tempo do  paternalismo, quando a mulher não tinha forma de denunciar pai, irmão, companheiro,ou colega de trabalho.Hoje devemos ser implacáveis.Por outro lado, não se pode dar oportunidade para o homem tomar atitude violenta, e participar de provocação grosseira ou estúpida.É preciso desconfiar da máquina do sistema,  pois agem de forma pseudo legalista, fechados, para a proteção dos grilhões muito difíceis de romper. Portanto, antes prevenir do que remediar.

Toda vez que eu ouço relatos de mulher espancada, percebo que ela não tomou atitude de primeira hora ou deixou correr solto o bate-boca, as ofensas, alimentou  a contenda. Duvido que algum homem se atreva a  espancar alguma mulher que tome ou tenha atitude firme sem dar trela para a imbecilidade. Esse tipo de mulher precisa  deixar de ser menos manipulada pelo sistema, ter independência, cuidar da própria vida, deixar de seguir prospectos de novelas onde formar um casal é objetivo de vida e parir é realização de sonhos.

É preferível matar do que ser morta.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Não Foi Acidente


Foi criado o movimento Não Foi Acidente, para propor projeto de lei, contendo alterações no Código de Trânsito, desqualificando acidente de trânsito decorrente de embriaguês, como falta administrativa  para crime de trânsito.

A petição popular, propondo leis ou alterações de leis é prevista na Constituição Federal e pode ser elaborada pela net ou por listagens escritas, por cidadãos identificados como tal, isto é, pelo Título de Eleitor.

Esta iniciativa está contida  AQUI


Eu convido meus leitores a participarem desta iniciativa, acessando o site,preenchendo os dados e assinando na manisfestação moderna da cidadania.

Você que não gosta de participar publicamente, nas ruas ou em quaisquer lugares fora de sua casa,esteja presente nesta ocasião, divulgue como puder.
                              
Já basta a interpretação equivocada do Poder Judiciário, sempre distante dos reclamos populares, pairando sobre o país como nuvem inútil mas agourenta , como a morte que vem dos céus sem que possamos controlar. Precisamos pressionar estes parasitas da nação, que, como totens mortos, nada fazem para o desenvolvimento da sociedade nacional.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Aves de arribação

Os  migrantes estão voltando. Quando o Brasil estava mal , eles bandearam-se para as estranjas, buscando conforto imediato. Nem lá nem cá construíram o social, construção da cidadania. De longe, arrotaram na cara dos brasileiros na certeza de serem pessoas  melhores porque mudaram-se para o diabo que os carregassem.  De lá ou de cá só tiram; pessoal e agora: - Eu quero o meu.

Na volta, se foram para lugares mais civilizados, deviam voltar melhores do que nós, pobres sulamericanos de merda.Na vizinhança, o cara  voltou para a casa da mãe com mulher e filhos, havidos lá fora mas sem um puto no bolso.Continua do mesmo jeito que foi e com contrapeso que sua natureza imediatista não pode esperar.

- Estou vindo de Londres, disse ele, enquanto o filho colocava o lixo fora de hora e mal embalado.Custou a entender quando me mostrei mais interessada em explicar que o lixo devia ser embalado corretamente, colocado no lugar certo e à tardinha.

Este fim de semana apareceu outra novidade de gente que nada planta mas está sempre pronta para colher o  que outros plantaram. Um emergente, retornado, conhecido de outro fofoqueiro, resolveu  jogar fora suas tralhas,  e deixar os trastes na rua. Já haviam aparecido, alguns móveis caquentos nas redondezas sem que ninguém soubesse quem os colocou ali. Dessa vez o sujeito foi pego em flagrante pelo porteiro, que gritou, chamando atenção dos transeuntes.

- Este deve ter voltado dos Estados Unidos!- disse alguém, resultando em boas risadas.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A vomitada da semana

Como são sofisticados, os argumentos deles para cometerem crimes contra a humanidade ! Extrapolam na insanidade. E, os protestam são poucos ante os seus atos criminosos e profundamente vergonhosos.

Tem cabimento, promover invasão de paises sem condições de defesa, roubar, pilhar, estuprar suas mulheres, invadir residências, levarem seus tesouros históricos, bombardar casamentos e culminar com o absurdo de matar e depois urinar nos cadáveres ? Se, desta vez,  alguém filmou, na certa não pode mais suportar os absurdos repetidos à exaustão.

Depois, quando o Irã prepara-se para produzir arma atômica, ainda tem quem seja contra.

Coloque sua barba de molho pois, no futuro, pode ser um dos seus a receber mijada do precioso ouro líquido saido da bexiga dos estadunidenses.Para quem considere o Brasil uma merreca, procure estudar mais e acreditar nas informações.

Não soube? Então KLIKA

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Duvideodó

Estão anunciando trazer para o Brasil um show com músicos remanescentes do grupo de Elvis. Músicos que o acompanharam durante os vinte anos de carreira. Duvido.

Eu fui à apresentação deste show, no Ginásio de Memphis, por sinal já demolido. Vale para  termos uma ideia de como eram os shows, mero conhecimento de como são os shows quando Elvis os apresentava. Mera curiosidade.


No espaço da entrada, tem vendas de badulaques, dos quais comprei o programa, muito bem editado. Da sorveteria, comprei um sorvete delicioso e que me lembrou um que havia na minha adolescência e não existe mais. O lugar onde fiquei era na quadra do ginásio cheio de histéricos, gritando o tempo todo.

Tem duas partes. Na primeira, um piadista conta piadas  mas ninguém presta atenção. Depois o grupo feminino apresenta-se com aquela cantoria histérica própria deles, enquanto dançam como lagartixa, mesmo gordotas e em meia idade.

Vem um intervalo de quinze minutos e eu aproveitei para observar o pessoal na área de recreação e tomar o sorvete.

Na segunda parte, apareceram a filha de Elvis com sua mãe, ambas vestidas de preto com luz por trás, escondendo suas fisionomias. Não deu para ouvir nada que falavam  pois a gritaria era demais e a filha sai, quase correndo, deixando a mãe no meio do palco. Alguns sobem nas cadeiras e gritam seus nomes em plenos pulmões.

Para a suposta entrada de Elvis, um holofote manda um feixe de luz em direção a uma  escada, ao lado do palco. Elvis entraria, surgindo na escada, subindo, ao som da Zaratrusta. Não entra ninguém mas o povo vem abaixo. A luz vai até o meio do palco e aparece Elvis em uma tela. Imagens conhecidas, velhas , nada de novo com os  músicos jovens de trinta anos antes. E, ao lado e no palco estão os mesmos músicos, da primeira fase, envelhecidos e fazendo lembrar que a figura que Elvis já fora, não estava sintonizada com o momento e nem com o evento. Eu achei tétrico.

Acabado o show, o apresentador diz a famosa frase: - Elvis já deixou o recinto. E, alguns músicos ficam no palco a dar autógrafos.

Porque duvido da anunciada  apresentação ? Porque vários já morreram, inclusive o piadista e o apresentador, dono da frase final, o ajudante de palco, alguns músicos, cantores masculinos e femininos. Muitos estão doentes, com oitenta anos ou mais.

Estou com as barbas de molho...  O pessoal daqui do Brasil, envolvido,  é uma gente que só pensa em ganhar dinheiro com o nome do REI. Isso tudo me soa como abutres na carniça. 


Aguardemos, mas com toda a certeza, o show anunciado não haverá.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Ai, se eu te pego...

-  Ai, se eu te pego...
                           
No afã de colocar defeito em tudo, pessoas tem certeza que  é um autor e não uma autora da música Ai, se eu te pego.Para estes tipos, mulher é secundário na vida, a menos que o seja para servir-lhes, de boca calada, de burca e olhe lá...
Outro equivoco é achar que a mulher  sai de casa para ir a uma balada , somente para  arrumar marido e não buscar alegria, divertimento e aventura, como qualquer jovem sem compromisso. Nunca foi.Alguns, para castigar  estas jovens, matam, estupram, curram, tal qual fazem com todos os que se atrevem a ser eles mesmos. São falanges a exigir obediência às suas regras.

O sistema judaico cristão, prega que a mulher boa, honesta, que se valoriza,  deve ser recatada e passar a vida preparando-se para arrumar marido, procriar com ele e ser-lhe fiel e obediente.Depois, ficar viúva, sozinha, vivendo com a pensão que ele deixou.Vestida de preto, de preferência. Por que, de tanto ditar ordens ou desvalorizando-se , acabam morrendo primeiro que elas.

Tratar a mulher como mercadoria com valor por atender os proclamos machistas do sistema e sem valor por não atender às especificações é coisa ultrapassada,é equívoco provinciano.Nunca ouvi estas pessoas dizerem que algum doidivanas estaria desvalorizando-se.

A música de sucesso Ai, se eu te pego, foi feita por uma mulher, carioca e dentro do espírito alegre, brincalhão e de quem sabe curtir a vida sem ficar julgando, com dedo apontado, com raiva de quem foge às regras do sistema.Música é de todo tipo e para vários tempos e funções.
Para a contrariedade de muitos, a mulher também quer pegar os gostosos das baladas. E malícia com conotação sensual não é indecência mas ingrediente de músicas centenárias, de sucesso no mundo todo.Será que ficam horrorizados com É dos carecas que elas gostam mais ?


Dexem as mulheres em paz e preguem seu catecismo judaico cristão nas paróquias apropriadas.

Tá por fora ? Atualize-se e KLIKA


domingo, 8 de janeiro de 2012

Dia oito de janeiro: Destaque especial

                           
A morte pode não ser um bicho de sete cabeças...
Setenta e sete anos ,
para alguns,
pode não ser um grande negócio.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Caixinha de música, novos tempos ...

                                       
Sempre gostei de caixinhas de músicas. Tenho algumas. Enroladas em plástico,  muito pano, no fundo do bau para não oxidar com a maresia. Minha preferida é um pianinho , feito no Japão. Toca  My Way. Abomino as óbvias com Für Elisa.
Mas estão ultrapassadas. Caixinha de música, por enquanto é esta da foto.Com chip do tamanho de uma unha do dedo mindinho, cabe centenas de músicas.Não é como celular e semelhantes que desempenham o mesmo papel. É caixinha de música.
Cada chip, cada cantora preferida.Ou cantor. Ou estilo.

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Michel Teló

                                                       

A internet vem definindo sucessos musicais, lançando cantores, passando por cima de gravadoras que querem escolher músicos para todos nós . Ainda, fortalece cantores e músicas fora do circuito.

Músicas regionais foram divulgadas como nacionais, durante décadas, impondo estilos como se fossem os únicos a serem consumidos. Quem estivesse fora do gosto musical dos considerados gênios do país estava fora de qualquer classificação boa.

A internet faz aparecer cantores que hoje são sucesso absoluto, em várias partes do mundo. O último , no Brasil, foi Michel Teló, defenestrado pelas redes de televisão por não pagar para aparecer. Ou porque a televisão não tem programas musicais, impondo ex gordos muito feios a falar sozinhos, até em entrevistas.Conheci Michel Teló há muito tempo,em canal secundário, em programa onde são mostrados diversos cantores e bandas que jamais aparecem nas redes comerciais.Já se mostrava  bom, cantando para multidão e tocando sanfona.

A televisão continua ignorando-o mas na internet é sucesso absoluto, como nunca algum outro brasileiro, atual, o foi mundo afora. Os mesmos amantes das mesmas músicas e estilos, dos lugares de sempre, continuam se mordendo de discriminação, da inveja dos derrotados.

Só espero que o cantor, nas suas apresentações pelo mundo não abandone o português, divulgue o Brasil e os brasileiros de forma bonita como em seus filmes de divulgação. Os derrotados não o fizeram pois se comprazem em mostrar um país miserável e feio, um povo sujo e mal educado, e são responsáveis diretos pela má fama do Brasil e dos brasileiros.

Interessante. Quer ver? KLIKA


Lantejoulas da vida

                                
Esta noite sonhei com Sônia, uma moça que veio do interior do ES para trabalhar na minha casa. Há trinta anos. Era mulata , cabelos negros, lisos, dois olhos de esmeraldas e porte de rainha. Nos primeiros dias, topou minha proposta para aprender a ler. Em quinze dias descobriu os mistérios da leitura e da escrita e em um mes lia, de tal forma que matriculou-se no MOBRAL. Era um, curso para alfabetização de adultos do governo federal.
Com um ano de casa eu a vi chorando na cozinha. Perguntei o motivo.Ela  disse-me  que era noiva de um rapaz que havia ido para São Paulo e não dera mais notícias. Ela tinha o endereço da firma onde ele trabalhava como tratorista.

Então, propus eu escrever uma carta para ele, ela copiaria e mandaríamos para ele. Eu disse- lhe  que a carta seria tão boa que ele , ao receber, viria atrás dela. Ela sorriu desconfiada. Escrevi uma carta bem romântica, bem cheia de lero-lero, impossível do rapaz resistir, oras si... Ela copiou e mandou. Não antes de colocar , nas pontas, gotas de Chanel número cinco.

Quinze dias depois, bateram na porta e eu disse para ela: - É ele.
Corremos para a janela e , lá estava ele, de mala pequena na mão, magro, alto, moreno, cachos no cabelo curto  e  conferindo o endereço. Não deu outra.

Antes de marcar a data do casamento eu disse a ela para impor uma condição: Só iria para São Paulo se houvesse casa com sala, cozinha, quarto e banheiro interno. E assim foi. Eles casaram na catedral de Vitória e fui eu que ajeitei a calda do vestido branco, alugado.

Nunca mais a vi mas tenho saudades .