segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Lideranças equivocadas

                             
A diferença entre o comportamento dos grevistas, das polícias militares,  da Bahia e do Rio de Janeiro foi muito grande.

O equilíbrio dos cariocas interrompeu uma corrente malígna que ameaçava alastrar Brasil afora. Enquanto a liderança da PM da  Bahia ficava insensível ao sofrimento da população, foi  este o mote condutor dos militares do Rio de Janeiro  para voltarem ao trabalho. Não foram somente as ameaças de punição.

Nem tudo está perdido, há lideranças equilibradas neste meio. Os gritos das lideranças baianas no sentido do carnaval ter acabado, foi terrível. Nada justifica uma categoria, quando coloca em risco toda a população. Administrar uma greve não é brincadeira e exige inteligência, equilíbrio,  paciência. Na Bahia há mais do que desejo de atender a reclamos dos companheiros.O que tem de pau mandado entre supostas lideranças  é de espantar.

Por aqui, os PMs aguardavam os acontecimentos e os boatos corriam soltos no sentido de paralização, em solidariedade aos outros amotinados.

Como tudo está resolvido, os batuques já começaram.

No Rio ? KLIKA


Um comentário:

Moita disse...

Magui

Vinha testando todo dia, até que hoje consegui publicar um tete lá na Moita e seguindo às suas recomendações. Obrigado.

O estranho é que até ontem não funcionaram e hoje sim. rssss

Haja paciência pra mim. E pra lidar com essas greves todas ensinadas pelo PT.

1 cheiro