quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Pouco a pouco, evoluimos

Com o fim da temporada de festas e com a debandada dos turistas, podemos fazer uma avaliação deste ano, de como foi o comportamento do pessoal.  Melhorou claramente.  Um exemplo :Nos anos anteriores, as plantas em frente da minha casa chegavam a morrer de tanto xixi que faziam. Pedaços  de grama morriam inclusive  pelo estacionamento. Este ano não houve nenhum caso identificável. Parece que a Globo tem mesmo grande influência no comportamento da população pois a campanha Não faça Xixi aqui deu retorno. E, não é apenas no zé povinho, hoje denominados emergentes, mas nos diplomados usuários das quatro rodas.

A população tem evoluído a olhos vistos e me faz lembrar do tempo em que o estímulo ao estudo era nulo pois quando eu dava aula, alfabetizando crianças em uma escola de elite em Belo Horizonte- MG, fui despedida quando descobriram que eu havia passado no vestibular. Hoje, parece incrível que fui chamada na diretoria para confirmar e fazer a opção entre o emprego e a faculdade de Direito. E, era a UFMG. Uma das regras, ao sermos admitidas ,era a dedicação exclusiva ao Instituto Santa Helena. Depois, já advogada, ao casar-me com um arquiteto capixaba e mudando-me para Vitória-ES, não podia entrar no Forum com calça comprida. Um dos estímulos que , somados a outros absurdos, fizeram com que fundássemos uma entidade feminista para a Queda da Bastilha, o que afinal aconteceu. Quando leio mulheres, falando mal das feministas tenho pena da ignorância e, especialmente, do espírito mesquinho e pouco generoso dessa gente.

Será que foi há muito tempo e eu não senti passarem os anos ? Minha academia está fazendo efeito...

2 comentários:

Lucimere disse...

Eu não sou feminista, sou humanista. Não acho extremos razoáveis... Vivemos num País em condições extremamente desiguais e humanizar é a melhor opção de se igualar a maioria e, então, de vida melhor, na minha opnião, (e não falo nem visando os meus próprios ideais e sim de uma coletividade), e não de medir forças, afinal, são dois pesos e duas medidas. Para se ter uma postura digna e se impor na sociedade não requer, nessariamente, "radicalismos" e "uma luta de braços". Basta educação, coerência, senso de justiça, trabalho, respeito, ética, amor próprio (algo tão esquecido)... Penso que a vida pode ser vivida com mais leveza... Por isso não sou partidária de nenhum dos dois tipos de movimentos: "feminista e machista".

Qto a advogada dos dois lados, a Globo, resta-me concordar...

Engraçadinha disse...

Creio que quando se fala mal das feministas, as pessoas estão apenas se referindo aos radicalismos.
Uma pena é mesmo falar mal das feministas, porque nem só de negativismo é cunhada a causa do feminismo.
As pessoas não gostam é de radicalismos, por isso a chacota. Mas reconheço que falta gratidão por tudo q se alcançou depois delas.