sexta-feira, 31 de maio de 2013

Não viu, não vê, não vence. Voltou:Queimou a língua.

                                     

                                  

Eu voltava, à pé,  do centro da cidade, onde eu fora para ver o tapete na rua principal, na comemoração de Corpus Cristi, quando chamou-me a atenção um indivíduo estranho, adentrando no nosso quarteirão. Minha rua é sem saída e quem entra nela, não sendo morador, é suspeito. Diminuí a passada e parei em frente da minha casa à espera do estranho que já voltava.Todas as minhas antenas estavam ligadas e eu pronta para correr para dentro de casa.

O homem era sujo mas vestido de calça preta e camisa amarela fechada até o pescoço. Uns 25 anos. Eu o encarei e ele sorriu. Todo subseviente, pediu desculpas por estar ali, dizendo para eu ficar à vontade  mas que a rua era sem saída. Eu respondi que ele podia andar por onde quisesse , que a rua é pública. Não parecia perigoso mas semi mendigo.

Concomitantemente, apareceu um carrão importado, que estacionou em frente ao lote da minha casa que aliás são três, de propriedade de um grande empresário do estado. O cara é líder no seu segmento, podendo empregar com facilidade.Era o dono. Ele desceu e veio conversar comigo. Foi amigo do meu marido, que fez projeto arquitetônico de uma de suas lojas há algumas décadas. Reconheceu em meu filho o pai, por parecerem-se muito.Comentava que os lotes estavam precisando de capina, quando o indivíduo, que parara para ouvir a conversa, disse que poderia fazer o serviço.Conversa vai, conversa vem, despedi-me e entrei em casa. O empresário , então, combinou com o passante a capina, deu-lhe trinta reais e ficou de dar outros setenta no dia seguinte, depois do serviço pronto.                           


Pergunta se ele voltou hoje? Não pensem que o lider empresarial seja um bestunto. Não. Ele é apenas mais um que pagou para ver que esta gente não quer nada com a Hora do Brasil mas é preguiçoso, sem eira nem beira a transitar para cima e para baixo, um andarilho, oportunista, dando-se de esperto. Se ele tivesse vindo trabalhar, além de ganhar o resto do dinheiro poderia ter um emprego, uma chance de sair da miséria.O cavalo passou encilhado na frente dele e ele nem viu.

                                         
                                        


Nota: Para queimar minha língua, o cara apareceu às 11 horas para trabalhar. Bateu no meu portão, pediu fósforo para o cigarro e um copo d'água. 

Nota 2: O empresário apareceu às 14 horas, pagou o cara.Conversamos e rimos muito da nossa língua queimada.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Comentarista torcedor erra feio

                           
Foto da Reuters

No jogo Fluminense e Olímpia , esta noite de 29 , estava um a zero para o Flu  e Júnior comentava na transmissão pela Globo.  Falava tanta bobagem que tirei o som. O time paraguaio atacava com tudo e já se vislumbrava situação nada boa para o Flu. Retornei o som pois  eu queria saber o nome do jogador que entrou em campo, devido a uma substituição. Eis que Junior comenta:

- O jogo está tão fácil para o Fluminense que seus jogadores podem sair de suas posições e abrir mais para o ataque.

Pensei que víamos jogos diferentes. Tão logo, um jogador paraguaio cavou uma falta e falei com meu filho, enquanto o bonitão preparava-se para a cobrança com cara fechada :

- Ele está  parecendo um espanhol , vestido de armadura , a cavalo,  invadindo a América.
Não deu outra , o paraguaio fez um a um, quase em gol olímpico. 

Aí o Júnior comentou que o Flu tinha sangue frio para  marcar um gol. Acabou de falar e o jogador do time carioca fez penalty. Cobrado, o time paraguaio virou o placar e eliminou o Fluminense.

Vai ser duro ter apenas uma transmissora nas Copas que se avizinham. Melhor ficar sem som.

terça-feira, 28 de maio de 2013

Caixa : A baderna e seus interesses escusos

                                           

O episódio da CAIXA que originou corre corre dos gordos  para retirar a quantia do Bolsa Família precisa ser melhor explicado.

Aquilo ali tem coisa errada. No mínimo , incompetência. No máximo, funcionário responsável pela baderna.
Todo banco tem o funcionário que detem a senha para gerir mudanças. Em cada nicho uma senha na mão do responsável. Só não sabem se não quiserem. Divulguem para o povo , pois a Caixa faz gestão de  muito poder e muita grana  pública.

Queremos a verdade  e não especulação e empurra empurra !
                                   
                                                  ?!
Outra face? Leia 

domingo, 26 de maio de 2013

Quem é vivo, sempre aparece

                               
  
O livro Minha vida de menina, de Helena Morley,   conta  a vida de uma moça em Diamantina- MG , no início do Século Vinte. O único escrito pela autora.Tinha quinze anos.Papai compro-o para nós e todos lemos muitas vezes. No tempo em que se tinha tempo, de sobra, para ler livros.

Este livro virou filme. Com prazer o vi passar na Tv Futura, quase de madrugada. Os filmes bons passam de madrugada.  Preferem divulgar a violência que repercute na sociedade, no cérebro dos energúmenos perdidos nas brumas da sociedade.

Fiquei me perguntando onde estaria a excelente atriz protagonista Ludmila Dayer .Ela começou, ainda  menina no SBT, na novela Chica da Silva. Já roubou as cenas onde apareceu. Muito loira, quase ruiva, destacava-se  em meio a outros tipos mais brasileiros comuns. No filme  , também , foi fabulosa e deu força a uma história simples do interior do Brasil. O próprio filme é maravilhoso, filmado em Diamantina, cidade barroca, construída nas montanhas de Minas Gerais. As músicas são típicas  locais. No encerramento, mostrando o letreiro, toca uma música que mamãe cantava, deslumbrando a vizinhança, quando acabava a luz em nossa casa, coisa comum naquela época . Música de Carlos Gomes chamada  Tão longe de mim distante.

Tudo desconhecido do povo. O sistema prefere mostrar o que molda a manada para ter Complexo de vira latas. -Vai manada!

AQUI  o filme completo.

E, AQUI onde está Ludmila Dayher.
Sobre a a autora  e livro: KLIKA

sábado, 25 de maio de 2013

Dia da vergonha ? Para quem?

                                 

Em Minas Gerais, a Guerra do Contestado, havida entre Minas Gerais e Espírito Santo era falada pela violência extrema. Naquela região,todo mundo andava armado. Eu dei aula no Instituto de Eucação com outra professora em sala, cuja origem era de Mantena-MG, cidade da região contestada. Ela disse-me, quando recolhi armas de brinquedo dos alunos de quatro anos, que lá as crianças ganhavam um revólver quando ainda eram pequenas.

Quando mudei-me para Vitória-ES,  em 1973, deparei-me com pessoas falando do fato como se fosse ontem, quanto já havia sido assinado acordo dez anos antes.
Alguns advogados, que tornaram-se meus amigos, chegaram a ingressar com ação judicial para anular o acordo.
Uma história contada é que Chiquinho, como era chamado o governador do ES,tinha sido convidado por Magalhães Pinto, governador de MG, para um jantar. Como o Chiquinho gostava de  cachaça, bebeu demais e assinou o acordo sem ler.
A raiva não era contra MG mas contra Chiquinho, caçado pela Revolução de 64 e, diziam, que foi a condição para o ES aderir o movimento.

O tempo passou, os opositores envelheceram, morreram e outros problemas apareceram. Eu dizia, para estes opositores, que o ES perdeu boa chance de juntar-se a MG, fortalecerem os laços políticos /econômicos  e  enfrentar SP e Rio. Para mim , ganhariam muito, eis que não produziam nada e MG não tinha portos marítimos para escoar produção exportada.

Acontece que, cada estado brasileiro é um país, com características próprias tão diversas que parece estarmos muito mais longe de casa quando mudamos. Entre estas , o capixaba diz, até hoje, que o mineiro é tão esperto que ficou com parte do ES , no acordo do Contestado.

Quer conhece melhor a história do Brasil? KLIKA

Ou: Aqui

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Idiomas estrangeiros para aventureiros com tutano

                                        
Nada na vida se perde. A menos que a pessoa permita. Ou não tenha tutano de boa cepa. Nem em ocasiões oportunas, onde a sorte vem na ventania dos acontecimentos. Enquanto uns lamuriam , outros aproveitam a chance. Quando não ficam de olho grande no que os outros fazem e esquecem de fazer o seu.

Como o Brasil é muito grande e as oportunidades da vida ficam por aqui mesmo, falar muitos idiomas não é comum. Então, para quem  tem facilidade e gosta  de aprender línguas , tendo fundo de aventureiro, os caminhos podem ser diferentes e inusitados. A felicidade pode estar em si mesmo e não no olhar aos outros.

Por aqui e entenda:  KLIKA

Estrangeiro fanfarrão

               
           
Ao chegar no Brasil, tem gente que se julga poder tudo. Não bastassem tratar os brasileiros como titica de pomba, eis que não conhecem  outro tipo de ave, entram no Brasil para o deboche.

E, daí? Se os próprios nacionais fazem o mesmo ? Tirador de fotografia , no país desse da notícia, não pode dar um tic-tac em sua máquina,  sem ter polícia cronometrando. Mas no país dos outros, é um fanfarrão.
Quer saber? KLIKA

quinta-feira, 23 de maio de 2013

Brasileiros por acaso, rejeitados no Tio Sam

                                 
E, viva a exceção !

O Congresso estadunidense tem em seus quadros os vingadores dos seus filmes. Um representante do estado de  Ohio, se deu como justiceiro com o Brasil porque não extraditou brasileira, homicida de  um militar, medalhado nas guerras de seu país. A mulher alega que o matou porque o cara pensou que , ainda, estava nas areias do golfo, estuprando e  matando pessoas em festas de aniversário e de casamento.
A Constituição Nacional proibe a deportação de brasileiros acusados de crimes em outras bandas. A sofreguidão em julgar mulher, que matou matador nas guerras para provar hegemonia , seria condenada in limine. Pelo menos não foi aviador, pilotando sem rumo, trombando com outro em espaço aéreo brasileiro, matando  muita gente. Os pilotos estão impunes nas terras do Tio Sam porque também não podem ser deportados.


A vingança do deputado de OHIO  cancela a possibilidade de visto permanente a brasileiros, mantidos os temporários para trabalho e turismo.

Eu acho ótimo. Assim , brasileiros por acaso, serão obrigados a ficar no Brasil e contribuir para a construção da nação em vez de sair e só voltar quando a coisa ficar melhor para eles.O Congresso nacional  é que devia lançar projeto de lei, proibindo a entrada de ex brasileiros que ficam , de longe, injuriando os brasileiros e o Brasil, e, não queimam suas caravelas.


A coisa, então, fica clara: Ninguém quer  aceitar gentinha que se dá como bom demais para o Brasil.Que vão para  terceiros lugares e não olhem para trás. Periga transformarem-se em estátua de sal. Façam bom proveito.


Leiam :AQUI
E, mais: KLIKA

Jiu- jitzu no leito conjugal ?

                                   

Volta e meia as notícias focam um tema. Deve ter algum guru que orquestra tudo. Às vezes a onda são crimes políticos.Depois, assassinatos  dos pais.Quando não aparecem , em sequência, mortes em desastres de avião ou carro.Daí por diante...

A última onda é o estupro. Parece que nunca houveram estupradores e que , de uma hora pra outra, os tarados resolveram agir.Será que a onda pegou depois do estupro da estadunidense , currada por três tarados imensos, sujos e feios, no Rio de Janeiro? Tomara que ela recupere-se do nojo o mais rápido possível.

Uma coisa é certa, sempre houveram estes crimes e a ciência não sabe explicar porque o homem estupra uma mulher. Bom seria se os estupros no leito conjugal, também, fossem divulgados. Aí sim , o bicho ia pegar: Se estas mulheres admitissem , mesmo em um lampejo, para elas mesmas, que a conjunção carnal havida, foi estupro.

Os mais afoitos explicam os estupros havidos no ocidente porque a mulher anda pelada , mostrando demais o seu corpo. O rebate do oriente justifica o mesmo crime porque a mulher anda vestida demais.

Outro dia meu filho tentou ensinar-me um golpe de jiu-jitzu para defesa do estupro. Caramba, quem dera tivesse eu a força dele ! Quase me quebrou o pescoço... Prefiro ficar com a hipótese que o estupro nas vetustas é bem mais raro pois tarado é gente de todo tipo e não somente figura vencida.


Pois veja esta: KLIKA

Convido-os a ler um texto delicioso: AQUI . Pena que o autor costuma dar uma sumida.

terça-feira, 21 de maio de 2013

A sarna mal curada

                                      

A tentativa em receber os brasileiros formados em Cuba e Bolívia, sem revalidação de diploma,  aconteceu há dois anos. Com os protestos contrários, o assunto morreu. Agora, volta à tona a discussão em receber os médicos da Espanha e Portugal, sem a chamada revalida. Mais que provar conhecimento, o que chama a atenção é que estes profissionais serão contratados pelo governo para atender regiões carentes, de médico e de exigências de cidadão, nos rincões perdidos.
Lembro-me de debate sobre autorizar parteiras no lugar de médicos para atender os pobres.O mesmo se deu em discussão do aceite de práticos na odontologia no lugar de cirugião dentista para atender nos rincões.

O nivelamento por baixo para atender o cidadão abandonado pelo sistema serve para tapar o Sol com a peneira. Finge dar oportunidades com esmolas na Bolsa Família. Mas, só na hipótese de suspensão, aglutina multidão de bem nutridos nas  bocas dos caixas, para tentar salvar alguma coisa. Depredam tudo ante a possibilidade de terem cortados as migalhas distribuídas no lugar de verdadeiras oportunidades de subir no patamar social. Dinheiro gasto na máscara do verdadeiro desenvolvimento.

Mais que preocupar-se com médicos, as autoridades deveriam encarar a saúde como prevenção e fazer mais praças esportivas, ensino de nutrição correta, por exemplo. Pelas gordas que foi mostado nas filas dos saques bancários , esta parte passa longe do povão.Talvez, por isso, o governo prefira gastar com médicos  do que com  prevenção.

Esta ótica deformada, dar assistência ao povo , nivelando por baixo, mostra a mediocridade dos líderes nacionais. Estão mais interessados em fazer remendos do que construir o futuro com programas  duradouros. O imediatismo do ignorante, em resolver no momentâneo os problemas faz  o planejamento do futuro tornar-se miragem.

Senão: KLIKA


Ou: AQUI, também interessante

sábado, 18 de maio de 2013

Sistema fotovoltaico do Mineirão

                                    
Enquanto o Maracanã faz cobetura de lona para mudar de tempos em tempos, o Mineirão faz cobertura com sistema fotovoltaico.





O Brasil é formado por vários estados e são verdadeiros paises dentro do pais. A formação do povo de cada estado é diferente. Embora muitos lugares sejam muito mais novos que os da época do descobrimento, as diferenças podem ser maiores do que a hegemonia pode contar.

Cada estado deve ser tratado assim e não um ou outro estado se dar como BRASIL e generalizar suas peculiares mazelas.

Atualizar o Brasil na sua cabeça? KLIKA
Ou   AQUI

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Invenção: Abertura por argolas

                                  

Todas as vezes em que abro a lata de ração da Brisa, admiro -me da invenção do anel do abridor.

Não gosto do barulho na abertura de latas de cerveja e refrigerante . Para mim é irritante. Pouco percebi que o processo é o mesmo entre estas latas e as outras.

Invenções geniais surgem da necessidade do inventor para por fim a uma coisa que o irrita. Sobrou o barulho do gás, saindo pelas bordas nestas bebidas. Transformam-se  em outras invençoes: Em modas e suportes.

Seu inventor Ermal Cleon Fraze, facilitou a sua vida e a nossa. Um registro pouco divulgado.
Quer mais? KLIKA

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Angelina Jolie, Alice me engana...

                                 

Atriz estadunidense, famosa por seus feitos inusitados , a pretexto de possuir 80% de chances de ter câncer na mama, manda retirar tudo. Depois coloca silicone no lugar. Restaurado o status quo ante. Nada impediu que fosse ao lance do drama e da auto piedade. Impressionou muita gente. Saiu-se ilesa de uma vaidade sem nexo.

Em vez de monitorar o seu corpo com exames regulares, tem a certeza de que não terá câncer em outro lugar do corpo que não sejam nas glândulas mamárias. Se fosse no fígado faria o mesmo?
Imagine se toda mulher arrancasse os peitos desde que o câncer tivesse matado sua mãe ou avó. Mesmo porque a atriz beiçuda não se parece nadinha com a mãe mas é a cara do pai. Exames com cara de  palpites pseudos científicos não são teorema de Pitágoras e nem  teoria de Parmênides.

Os sôfregos em ter a mulher, em geral, como sintomatologia de doença, aplaudem a beiçuda estrangeira como se fosse heroína. Aliás, o marido botocado disse isso, com todas as letras.

Me poupem... A mulher, magérima e com seios grandes, típica americana da elite, depois de três filhos, dois gêmeos, teve a lei da gravidade agindo em seu corpo. Nada melhor que matar dois coelhos com uma só cajadada. E, ainda , se dá como heroína pois norte americano ama os heróis.Se não verdadeiros, os inventados.

Esperta e exibicionista, vai ter muita mulher copiando, cabando-se, falando bobagem , como a maioria sabe fazer. Haja: Pois só não vê aquele que não sabe que a propaganda é a alma do negócio, seja como seja. Então, aprenda a ler nas entrelinhas da vida dos espertos.AQUI

Outro? KLIKA

segunda-feira, 13 de maio de 2013

13 de Maio, a abolição e a abelha europeia

                                 
      
Da Fifa só o desejo de gastança a que submete-se o Brasil para fazer campeonatos de futebol, o circo moderno.  Uma inflação originária nesta gastança é a única coisa que me interessa. Os outros lugares não estão com época para tal. Mel? Pobre quando come se lambuza. País, último a abolir a escravidão, mantem esta  no inconsciente coletivo.

Os maiores jogadores da história do futebol a forma de jogar, única, saíram do Brasil. Mesmo assim,  a forma de tratamento distante e o desprezo pelo brasileiro está evidente em comportamentos, dizeres, depoimentos e cara torcida de estrangeiros da FIFA. Viajam para lá e para cá, como feitores modernos, querendo tudo a tempo e da forma como determinaram. Até nos costumes do povo e  comportamento das torcidas  nacionais querem impor. Será a zoropa dentro do Brasil. Os macaquitos de sempre esforçam-se para cumprir as ordens dadas a chicote nas costas dos biltres. O Brasil verdadeiro é visto como gente difícil de domar. Não conhecem e não estão interessados em conhecer. É preciso fazer do Brasil uma Europa com cara de seu passado.  É preciso chute no traseiro para que se enquadrem. Tomara que não consigam e na época certa o brasileiro seja ele mesmo e faça, das ordens estrangeiras, ouvido de mercador. É nóis, mano !

Agora, indicados os árbitros das partidas, nenhum brasileiro. Que macaquitos se lambuzem com o mel distribuído a preço caríssimo, no concreto e no abstrato. Vislumbra-se coisa feia  se o Brasil não levar a Copa do Mundo 2014. Eu tô dentro.

Mais?  KLIKA                             






















domingo, 12 de maio de 2013

Dia das mães, a catástrofe

                               
Detalhe de charge cujo autor está AQUI

O esforço do sistema é convencer a manada, que mãe é toda mulher que assume um ser humano. E fica divina, automaticamente. Esquecem que não se pode confundir pessoa responsável com leviana como qualquer outra. Independe do sexo.

Mas, a partir daí, a manada de mulheres certas de que são donas dos filhos e que os homens seriam meros reprodutores, derivam comportamentos lastimáveis. Se acabou. Os homens perdidos na mesma tese, encontram formas de conviver com filhos retirados do seu convívio. Restam ser  transformados na obrigação de dar dinheiro e fazer bilu-bilu. De  vez em quando. às vezes, no pavor ou raiva de serem colocados nesse lugar, omitem-se totalmente. Bau, bau!

O resultado final são mulheres super exigidas nas suas obrigações e filhos que lhes fogem do controle na educação mínima. A segunda tomada são pessoas perdidas, mãe cretina e pai distante. Salvem-se quem puder. Poucas pessoas tem pulso firme para enfrentar batalhas desse quilate e sozinhas. Na terceira tomada, aparecem filhos que matam  mães a facadas, entorpecidos artificialmente e confusos com a realidade.

Falácia, mentira, pantomima do sistema  cada vez mais perdido e mais distante da verdade: - O mito do amor materno, para atender os interesses da omissão do estado e da civilização moderna.

terça-feira, 7 de maio de 2013

Voto: Velhaco e a gratidão dos miseraveis

                                 

Quando o Velhaco Lula ganhou a eleição, uma amiga  deu festa. Convidou-me. Não fui. Ficamos estremecidas durante dez anos. Pensei que havia perdido sua amizade, conquistada nas batalhas campais do feminismo.O antigo.Conversávamos mas evitávamos falar no Velhaco. Algumas farpas aqui e lá mas ficava nisso. O discurso dela era incorporado da  malta nacional,crédula e passiva; esperam o salvador de suas incapacidades de adaptar-se às verdades reais. Querem ajxxxchjuda! Ela também. Por que não?

Dia desses , ela telefona-me pedindo-me  que eu ingresse com ela em ação judicial contra Lula. Nem esperei dizer que ação seria. Cai na risada. Não sabia dizer mais do que sua revolta pelo Velhaco ter mentido, faltado com suas promessas, roubado mais de trezentos milhões do povo brasileiro, depositado em bancos estrangeiros, enriquecido seu filho tirando-o do emprego no zoológico e o feito rico, da noite para o dia. Fora a capacidade de seu partido  tentar comer pelas beiradas a caminho da ditadura do proletariado.

Agora, mais velhaco do que nunca, dá palavrório, dizendo que o PT precisa voltar às origens, voltar ao povo e suas necessidades e esquecer do puder para buscar o pooovo.Dá pavor toda vez que ele aparece na mídia.

Infelizmente, com, oitenta por cento do povo nordestino, recebendo dinheiro de miséria para deixar de comer lagartixa, não será agora que ficaremos livres da cara asquerosa do Velhaco e sua turma quadrilheira, mensaleiros  compensados com o dinheiro mensal do INSS. Os votos comprados por meras duas   ou três notas de real, mensalmente, para perder muito mais no futuro do nada.

sábado, 4 de maio de 2013

Golfinho pede ajuda a mergulhador

                         

Para um domingo, com tempo, veja o Imperdível:

KLIKA AQUI

Os perdidos, sem pátria

Nem lá, nem cá...
Alguns jogadores brasileiros vão para a Europa e, depois de, dez anos ou mais voltam ao Brasil.  São contratados por times nacionais na esperança de produzirem mais do que futebol. Os times querem aproveitar as supostas experiências adquiridas em supostos lugares mais desenvolvidos. Mas, estes,   voltam cheios de vaidade na certeza de sua superioridade sobre os demais. Metem os pés pelas mãos. Além de mostrarem seus maus bofes  com expulsões prejudiciais aos clubes, pipoca notícia de doping em jogador troca-troca de time e nacionalidade.    Tudo com nariz empinado e olhar distante das coisas nacionais. Reclamam da dificuldade em adaptar-se ao Brasil. Já seriam europeus, pois não?

Os que continuam brasileiros, na alma e nos costumes, a facilidade em encontrar seu lugar é patente. Nem parece que , um dia, saíram do seu país para exercer sua profissão alhures. A saudade batia e no peito sempre brasileiro. Daqui.  Lá, os outros, davam entrevistas comparando à pior o Brasil. Aqui , estão nostálgicos de lá e o cérebro registra. Não ficaram lá porque não ficaram lá.

Para os que perderam a identidade, não são de lá e nem daqui, resta o merecido ostracismo. Que sumam e fiquem com suas mazelas emocionais. Para quem sabe  viver  onde nasceu, a alegria e a aceitação pessoal e da torcida. Felicidade é isso. Quem é infeliz, que nos poupem.


Fim de semana com tempo? Conheça mais o Brasil: KLIKA