sábado, 11 de janeiro de 2014

Os pobres sepultamentos

                                 
Bela e criativa sugestão de decoração

Ante tantas mortes de artistas e que  tais, assim como aquelas que ilustram notícias sobre morte violenta com sepultamentos transmitidos na mídia quero fazer uma observação meio macabra.

Não é de hoje que venho notando que os caixões no Brasil são muito pobres. Dos que pude participar, asseguro que não foi possível escolher um melhorzinho. Até hoje, considero uma ofensa como um ou outro conhecido enterrado naquela urna pobre, mal feita, com madeira própria para ser usada na  construção civil.

Assim, começo a considerar seriamente que o caixão usado serve para medir a condição econômica de um povo. Os ricos , também tem caixão pobre. A diferença é no rebusque, nos enfeites exagerados e não na qualidade.

Eu vi uma reportagem em um país da América Central, onde especialistas fazem caixões esculpidos com figuras e pinturas de acordo com o morto. Madeira boa, até algumas perfumadas, pintados com tintas boas, com cores vivas. Foi a primeira vez que minha atenção despertou para pobreza oferecida para os nossos mortos.

Relutei em fazer esse texto porque não quero ser mais um a falar mal das coisas do Brasil. Mas,    é um ponto que poderia ser estudado pela indústria. Se o povo está melhorando de condição social, está na hora de melhorar os caixões, torná-los menos miseráveis. Estes modelos que estão aí, seguramente são de quarenta anos atrás. Um bom nicho para quem tem condições de furar o bloqueio dessa indústria.

2 comentários:

Claudete disse...

Olá Magui, ponto pra você! realmente somente um olhar observador veria a pobreza dos nossos caixões...Ao iniciar a leitura do teu texto o comentário sugerido foi outro, confesso, entretanto na continuação constatei a pureza da sua intenção, verdade!Apenas como morte e vida se entrelaçam no "Renascer" lembro que Jesus nasceu num nicho muito pobre ...A madeira da Manjedoura era própria de um estábulo e os ornatos não existiam, mas a realeza e riqueza eram outras ,porisso não vísiveis a todos os olhos...Não sei...Talvez a maturidade já avançada , minha, esteja pregando uma peça em mim..Não consigo mais enxergar apenas a obviedade ...Por esta razão vejo como é fundamental, agora,sempre arrumar um tempo para beber sabedoria em todas a fontes ,aqui é um poço fértil. Obrigada por sua companhia em 2013 e que continuemos em 2014. Abração fraterno. Ah! não Mude, ok?

Fábio Mayer disse...

Taí algo em que discordo completamente. Os caixões são ótimos para a função a que servem,não precisam melhorar, o cliente certamente não vai reclamar. Usar a tumba para ostentação se aplicava no passado para quem pretendia deixar uma marca. como os faraós, isso não faz maia sentido no mundo em que vivemos... mas ainda imagino que talvez você esteja fazendo uma ironia. Mas respeito o que você pensa do mesmo jeito...