quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Poder lixo



Acho triste essa moçada na rua, brigando contra o dinheiro gasto na Copa do Mundo. Pelo menos houve emprego para milhares de trabalhadores, ligados à construção civil, que puderam comprar meia dúzia de eletrodomésticos,( máquina de lavar roupa é a glória) um carrinho de terceira mão, alimentar-se melhor ou dar uma voltinha de avião para ver a família. Como consequência, fazer rodar a indústria e o comércio e ficar cheio de dívidas no cartão de crédito.Eita festa!
Mas tem um detalhe fundamental.Enquanto protestam sem levar em conta que muita gente recebe seu salário e melhora de vida, outros trabalhadores locupletam-se com torneiras jorrando  moedas de ouro da nação, produzindo muito pouco, quase nada e vivem como nababos. 

Façam as contas do dinheirão gasto com as pantomimas do Poder Judiciário. Contabilizem os gastos, milhares de assessores, as verbas, a riqueza ostentada por essa gente e o pouco retorno recebido pelo brasileiro. A maioria deles vive na moita sem prestar contas de sua produção a ninguém.A turba é desatenta e só vê o óbvio.

O dinheiro gasto na Copa do Mundo é nada pelo que se gasta no sustento do Poder judiciário. Quando não na pantomima asquerosa de seus judicantes togados ridículos, como se roupa representasse honra e trabalho. E, se houvesse diferença, seria compensada pelo resultado da Copa , com trabalho para uma classe social esquecida por essa gente que manda e desmanda sem se importar com nada nem ninguém. No fim do mes o pagamento cai na conta, produzam ou não.

Dinheiro gasto na Copa do Mundo é nada perto do que é  perdido no Poder Judiciário. O retorno é miserável. Essa gente a  gritar nas ruas, está ficando rouca para protesto errado.

Dá nojo: KLIKA
Leia a notícia toda, morosamente como a própria: KLIKA

Tá com tempo? No tranco! Então KLIKA

Carapuça pra quem serve

                                 
  
Toda vez que o Brasil começa a deslanchar, progredir aparece algo para tentar impedir.A melhor tática é fazer aflorar, cada vez mais forte, o complexo de rejeitado que o europeu trouxe na mala quando para cá aportou. Para alguns descendestes dos europeus, tocados a ponta-pé da Europa , a sensação foi passada de pai para filho. A nostalgia de um dia voltar, com as burras cheias, para mostrar que não é o lixo decantado por lá, deixa as gentes com eterna atenção voltada para o velho e estagnado  continente.Urge explorar isso , à exaustão.

O que salva é a descendência indígena porque a sensação de dono do lugar e do viver a vida sem copiar lá fora, faz um naco da população brasileira mais feliz e construtiva. Talvez possa ser descendente de europeu que veio para o Brasil por sua própria conta e não pela imigracione.  Os que deixaram a Europa porque queriam mais do que viver em lugar velho de ruínas e preconceitos, faça o Brasil ir para frente.

Esse espírito derrotista só faz mal a uma nação e incomoda quem trabalha para construir uma vida e fazer história positiva.

Quem nada faz julga-se  capaz de fazer tudo.

Para arquivo
As camisas eram assim.Feitas na Alemanha para vender nos EUA. Essa gente pensa que Brasil é , apenas, Rio de Janeiro e exploração nefasta do seu viver a vida.

Não sabe? Então KLIKA

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Os dominados

                               

Um vício de valor se espalha por tudo quanto é lugar. Impossível ler, ouvir ou ver notícias. Conversar sobre qualquer assunto virou exercício de paciência para driblar assuntos atravessados e que não fazem parte do texto principal. Tudo é pretexto para falar mal do Brasil. Se sai uma notícia , seja qual for, em vez de comentar a notícia em si, desviam para falar que no Brasil é pior.

Eu estudei em escola pública. Sou um dos brasileiros que foi alfabetizado e diplomado na universidade, tudo público. Talvez esteja aí a diferença. Lembro-me de professores falando :Uma escola é boa ou ruim conforme os alunos e seus professores. Falar mal de sua escola é falar mal de si mesmo. Se sua escola não está boa , participe e mude; ainda mais porque sua escola é pública.

O conceito pode ser aplicado para seu bairro, sua cidade, seu país.Talvez seja por isso que, onde chego e tem terra arrasada, mudo tudo, melhoro tudo e um ano depois é outro lugar. Um exemplo simplório e medíocre foi quando eu catava o lixo no chão perto da minha casa e meu filho peguntava se eu era catadora de lixo. Hoje minha rua  sequer tem guimba de cigarro, pois me viram e copiaram. 

Educação nesse país passa por impedir que forças estranhas, dominantes nas mídias de opinião, em propaganda subliminar , façam do brasileiro um pau mandado, um papagaio de repetição, uma criatura sem condição alguma de separar sua vida da vida alheia, aceitar as mazelas políticas sem sentir-se um cachorro sarnento em comparação interminável, sempre a pior, das mazelas estrangeiras.

O mundo é o mesmo desde sempre, só mudaram as formas de dominação.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Hoummm : Repetindo mantra alheio

                                
-Tão falso como minha Brisinha ( ? KLIKA)

Ser a favor ou contra a Copa no Brasil é com cada um. Mas eu gostaria de saber se essas pessoas, que são contra, viajaram ou viajam para a Europa para admirar os monumentos, ex castelos, tralheiras romanas como vestígios à bandalha

Provavelmente levam em conta que, quando construídos,  o foram com mão de obra escrava e, portanto, não deram ônus algum. Como a época era de conquistas e guerras de extermínio mas há séculos, não faz mal.

Também, não contabilizam o deficit na balança comercial porque compram carros importados, trazem aparelhos eletrônicos para contrabando a ressarcir uns trocos. Gastar dólares e euros no Cartão de Crédito e fazer pesar o índice da inadimplência, deixados no prato do deficit, pode. O que importa é a filosofia da repetição na construção da opinião pública. Ser discriminado nesses lugares é por culpa e responsabilidade única do brasileiro, esse macaco vira lata... Oh! Confundi tudo.

Ah! Como é bom repetir catecismo ditado por mídia excluída da exclusividade da Copa e da FIFA!

Sugiro ir à Europa durante a Copa e visitar o Coliseu, o Big Ben, o Palácio de Versalles e suas obras de arte capturadas como espólios de guerra, as arenas da Espanha e seus castelos árabes. Na Alemanha tem muita obra erguida por Hitler ou derrubada por bombas da Segunda Grande Guerra mas reconstruídas em um passe de mágica. Merecem ser vistas. Visitar a Polônia e  Auschwitz é bem exótico. Tem tanta coisa em Portugal, inclusive igrejas revestidas a ouro de Minas Gerais dos tempos de Tiradentes,  sem nenhum vestígio do suor negreiro.O arco do Triunfo, mandado erigir por Napoleão não em homenagem à horda de jovens mortos mas às suas ordens de guerra de conquista. Ah! Tem aquela rua na Holanda onde as prostitutas se exibem em vitrines e , agora modernizado tem travestis também. É  fantástico para tirar algumas  fotos e mandar pelo instagran enquanto os black blocs em São Paulo quebram tudo em protesto porque o Brasil pode ser campeão. Tem muito monumento para visitar. Cada um apareceu de graça e como cogumelos. Só o Brasil faz construção, pagando alguém para fazer e em lugares onde deveria estar uma matinha maneira.

Prefiro mantra mais inteligente.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Somatizando desgraça alheia

             
- Um brasileiro, olhando o mundo...
      

Tem gente que capta as mazelas do mundo  para si mesmas. A desgraça está acontecendo em lugar sem a mínima influência no Brasil e a pessoa está somatizando seus medos ou seu discurso. Na certeza ou na vontade que o Brasil transforme-se em campo de guerra, pessoas sequer conseguem dormir de angústia e medo.Tudo bem desde que não imponham suas paranoias.

Para essa gente, o ideal é um povo calado, de cabeça baixa para  um  poder sem defeitos. Tem brasileiro convicto que o Brasil é um país pequeno onde se pode viajar de bicicleta de uma cidade a outra.

Vade retro pessimistas que esperam da vida um mar de rosas e acham que o mundo é diferente do que sempre foi. O que mudou é a forma de como nos chegam as notícias.

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Quem projetou isso?

Em um conjunto habitacional de São Paulo, capital, houve a atuação da PM na execução de Ordem Judicial para desocupação de invasão.
Esse conjunto habitacional é resultado do Programa Minha Casa, Minha Vida do governo federal. Uma semana antes da entrega aos beneficiários, foi invadido pelos Sem Teto daquele lugar infernal. Obrigados a abandonar, seis meses após invasão, vingaram-se ateando fogo em algumas unidades.

O mais interessante é que o projeto urbanístico  não previu espaço , via de acesso para os caminhões do Corpo de Bombeiros    chegarem aos diversos prédios, enfileirados como cartas de baralho. Portanto, o fogo colocado em apartamentos de alguns prédios não puderam ser debelados e, a perícia vai precisar averiguar se as estruturas foram abaladas.

Qual foi o profissional que projetou essa josta ? E, se um apartamento pegar fogo no futuro?

Durma com um barulho dessa ignorância! Ainda se dão como civilizados e cultos? Por isso julgam todo o Brasil cheios de antas.

Anta sou eu: KLIKA

Caio Castro tem razão

                            

O ator de novelas da Rede Globo, Caio Castro disse que não gosta de teatro e literatura. Artistas vetustos o chamaram de ignorante, anta e desinibido e clamaram pela necessidade de calar o rapaz.

Essa mania de querer proibir a fala das pessoas que não remam na maré da moda, dos politicamente corretos, dos que se recusam a repetir catecismos decorados  é que precisa ser contestada.

Basta! Em uma semana querem calar uma jornalista que não é da panela , na outra o ator que não gosta de teatros, paraíso dos anti claustrofóbicos ou  dos palcos remendados e terra livre para canastrões.

O teatro é do tempo quando não havia luz elétrica ou outra coisa para fazer  e, portanto, as outras formas de arte  que esta permitiu. A maioria dos atores não trabalhou em teatros. Uma porcentagem mínima no mundo foi a teatro. Conheço  artistas da arquitetura e da pintura que consideram o teatro coisa de museu, insuportável.

Eu já fui muito a teatrinho provinciano e Vera Viana foi minha conhecida para encontrar patrocinadores por suas peças contemporâneas, retratando os dias na atualidade imediata. Com o tempo, ninguém sai de casa para ir a teatro, arremedo de filmes e novelas, enfrentar trânsito, gente ruim e trabalho no dia seguinte.

Caros opositores a Caio Castro: - Ele tem razão. O mundo mudou e os novos tempos trazem mais vivacidade, mais cores e mais conforto na telonas da nossa casa. O resto é museu perdido no tempo e quem gosta, parabéns... Mas a patrulha não pode prosperar.

Da notícia? KLIKA

Un sauvage du Bresil

                                   

O Brasil, como estado, é muito condescendente com certos brasileiros que preferiram mudar de país. De uma forma ou de outra. Lá fora, não sei porque, essa gente  mantem a naturalidade brasileira, em dupla cidadania, em países que o permitem, em outros onde sequer podem registrar seus filhos  mas odeiam tudo a que se refere a nós. De longe, não perdem a chance de ditar ofensas de todos os calibres. São nauseabundos e o Brasil teve sorte em livra-se deles.
Muitos, frustrados no Brasil, saem achando que o erro é do país e não deles. Preferem ser cidadãos de segunda classe a  estudar, trabalhar e dar tempo para ser alguém na construção do seu  país. Até ser pioneiros, fazer história, algo impossível lá fora. São os imediatistas. Isso quando não se casam com homens à procura de mulher  que consideram gente exótica, para exibir nas estranjas. Quando dão com os burros n'água correm na embaixada pedindo socorro, querendo voltar.

Nas Olimpíadas de Sochi na Rússia apareceram brasileiros, apenas na origem, locupletando-se da dupla cidadania e sua   lembrança de ocasião oportunista. Eu os vi em atuação. Deu vergonha de tão ruins. A patinadora, eu nem sabia que era brasileira e pensei como permitiram que aquela moça fosse ali. Depois a vi, inclusive com camisa brasileira e sequer falando português. Lástima absoluta!

Papai contava um caso que teria acontecido com um conhecido seu. O cara foi viver em Paris e lá fez amizade com outro brasileiro. Este outro brasileiro era de origem africana e chamava -se Geraldo. De gozação, em extremo senso de humor, adotou  a pronúncia Guerarduim , para um Geraldinho nacional. Quando o dinheiro faltou, ambos fizeram uma espécie de jaula, colocaram na rua com uma placa Un sauvage du Bresil. Enquanto Guerarduim ficava dentro da jaula o outro, do lado de fora, tocava pandeiro. Conseguiram dinheiro para voltar para o Brasil.
Estes brasileiros das estranjas sempre me fazem recordar a dupla . E, dou boas risadas.

Sabia? KLIKA

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Duzentos Anos

                                





- Nos passos da  Via Sacra, de Congonhas do Campo / MG
 

Este ano , 2014, comemora-se duzentos anos da  morte de  Aleijadinho.

Conheço suas obras, como arquiteto e como escultor, pois viajo a Ouro Preto desde meus sete anos, em dezenas de excursões para estudar  e admirar  tudo, boquiaberta. Jamais me canso.

De Congonhas, os passos da Via Sacra me deixam encucada. Quando menina as esculturas em madeira eram de pintura pálida e no lugar  dos olhos não tinha nada. Depois, em outra visita os olhos estavam pintados. Hoje estão repaginados e não sei quem inventou a forma como estão.Deve ter havido muita pesquisa para a restauração  completa.

Quando estudei diziam que ele não tinha nenhuma informação quando projetou as igrejas. Mas eu acho que ele sabia de tudo que se passava em Portugal. Conhecendo construções públicas e igrejas de Portugal percebem-se semelhanças. Não só na arquitetura quando nas imagens. O que difere, e são únicas, são os entalhes em pedra sabão das estátuas de Congonhas e os púlpidos das igrejas.

Infelizmente, muitos  nacionais estão mais preocupados em conhecer obras das zoropa quando em Minas Gerais tem coisa mais bonita. Em Minas Gerais são monumentos à beleza e não  odes à dominação de outros povos ou conquistas militares.

Visitar as igrejas de Ouro Preto , Mariana e Sabará, conhecer as obras de Aleijadinho  é uma emoção atrás da outra. A restauração da Igreja de Caeté ficou maravilhosa com seu altar recoberto de folhas de ouro.

As belezas da arte podem fazer uma pessoa sentir-se bem. Portanto, faço o convite para conhecer a arte de Aleijadinho.

Preguiça? KLIKA
OU:          Aqui

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Tática guerrilheira

                                    

 

Eu vi.
Ninguém me contou.
 
Dois pesos  e duas medidas.
Essa é  as realidade para os petralhas.
Leis, cumprimento de regras, respeito a aquilo ou nada 
Nem pensar.
Sempre valeu e vale tudo.
Os trouxas somos nós, o povo.
Povo elite endinheirada e com poder,
Povo hostes de paus mandados
 
Se no caminho estiver você
Que se lasque!

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Nome aos bois

               
- Eu sou a de trás à esquerda. Dessa vez perdi o melhor lugar


Quero  repercutir essa matéria porque não me conformo de ser colocada na mesma cesta.

Quando acontece algo  em Pernambuco, foram os pernambucanos.
Quando acontece algo no Rio Grande do Sul, foram os gaúchos.
Quando acontece algo em Minas Gerais, foram os mineiros.
Assim por diante.
Mas quando acontece algo no Rio de Janeiro ou São Paulo foram os brasileiros.

Somos enxovalhados junto com a malta que domina a imprensa nacional. Basta! 
Favor dar o nome aos bois...

Acha nada?  Pois KLIKA



sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

De olho em você

                                                    
Ser marionete de outros não é novidade. Há muito surgiu especialidade profissional  com técnicas  desenvolvidas para manipular pessoas e turbas. Os alemães formam uma das civilizações mais desenvolvidas da humanidade e caíram nas garras da manipulação em massa.Um povo que mais produziu filósofos, matemáticos, cientistas, músicos geniais não ficou livre de ser conduzido por lideranças equivocadas. Pagaram e pagam preço alto e carregam a dificuldade da história entender  seus erros ao superlativo.
Assim , todo cuidado é pouco para tirar o joio do trigo.E, não é possível subestimar essa gente que manipula seus cordéis ao seu bel prazer.

Quem gosta de estudar a história do Brasil, sem lhe virar as costas e nem torcer o nariz, percebe que, toda vez que o Brasil ensaia voo solo, aparecem acontecimentos com tiro ao alvo. Aqueles sabichões, que se auto denominam cientistas políticos,  repetindo teorias decoradas e na ponta da língua,  nascidas alhures não perdem tempo.Salivam, dizendo que o Brasil e os brasileiros são ladrões e canalhas desde o nascedouro, do Brasil e de nascença. Achincalham os portugueses e sua forma de colonização como se os ingleses, franceses  e holandeses não tivessem nas costas vergonhas históricas, forjadas na exploração, na vergonha e no culto à guerras e destruição  de povos e gentes.

O mundo e o Brasil inserido nele, inclusive os EUA ficou pior com a hegemonia do poder estadunidense  pós grande guerra. Nele o detentor do poder de manipulação estudada e aplicada lucra com a credibilidade e o inconsciente coletivo, aplicado com paciência minuciosa través da indústria cinematográfica e televisiva. Quem ganhou a guerra não foi o povo estadunisense mas a máquina que financiou, usando aquele povo.

As mesmas forças que coordenaram as caravelas rumo aos grandes descobrimentos, a escravidão de brancos e negros através da história, as pilhagens e destruição de civilizações superiores à sua própria, fazem do mundo atual e seus bilhões de habitantes os eternos joguetes. É uma casta  que detem o dinheiro, o conforto, o saber  e o poder de decisão sobre nações e povos. Urge manter o status quo e impedir que nações tirem seus pescoços dos tacões. O Brasil está sempre na mira.

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Gigantesco !

             
Aqui é Brasil.Aqui tem o orgulho de ser brasileiro porque eu faço
    

O noticiário mostra várias manifestações contra brasileiros pelo mundo afora.
Não sei porque alguns se admiram. Afinal, o brasileiro é o primeiro a discriminar-se, ou dar-se como discriminado. Falam mal de si mesmos, fazem filmes, livros só para falar mal de tudo e todos. Plantaram? Pois que colham agora!

Se me chamarem de macaco, de baiana pouco se me dá. Pau-de-arara é o nome dado ao caminhão que o pernambucano usava para descer para o sudeste. Não é adjetivo mas substantivo.Sou mineira e nem tomo conhecimento de nada que apelidam. Desde menina ouço a história que mineiro é bobo, matuto, pateta. Hoje mesmo vi piadas a respeito, no face. Tem uma historinha dizendo que um mineiro foi ao Rio e ficou admirado com os bondes. Então um carioca, percebendo, deu uma conversa esperta dizendo que ele era dono dos bondes e  vendeu-lhe o bonde. O mineiro ao subir no bonde não quis pagar a passagem e, quando disse o porque, o bonde, lotado, riu dele. A historinha variava e varia , dando como objeto o Cristo Redentor, a Igreja da Candelária, o Maracanã. Em vez de ofender-se, apareceram em Minas Gerais músicas de carnaval e uma delas tinha um refrão que dizia: Quem pensar que mineiro é bobo/ Vai cair na boca do lobo.Em resposta, os cariocas apelidaram os buracos de água pluvial de boca-do-lobo. Ninguém se ofendeu. Havia senso de humor e estrangeiro não tinha regalia.Ah, tem um refrão para casamento que não deu certo: Depois que com ela/ele  me casei é que eu vi o bonde que comprei.

Portanto, sou de um tempo em que só viajava para o exterior a elite da zelite e que, por si só, torcia  e torce  o nariz para o Brasil. Hoje, a turba paga viagem a vinte quatro prestações para conhecer monumentos à dominação e pilhagem de seus antepassados. Ainda,tiram fotos para mostrar que foram lá. E, voltam imbuídos da discriminação de quem ficou lá  e vive bem porque outros saíram para construir um mundo novo.  

Não tenho complexo de vira-latas algum e meu ego é do tamanho do Brasil: Gigante!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Raios partam que isso pega!

                                    
-Na espreita do caos

Prenderam o inocente útil usado pelas forças ocultas para levar o Brasil ao caos.
Aliás, tem gente que possui caos no próprio nome. Quem se relaciona com eles tem um parafuso a menos ou ingenuidade a mais.

Tomara que entregue todo o esquema  ou será presidente do Brasil daqui uns anos. Afinal, usou pau-de-arara, não estudou, é velhaco, oportunista e não sabe de nada.

Não leu? Pois leia KLIKA

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

- Vão ver se estão na esquina

                               
Para quem só conhece pomba e vive em 40 metros quadrados
  

Ser contra a realização da Copa do Mundo no Brasil é compreensível. Afinal, o Velhaco disse que a iniciativa privada faria os gastos e o povo poderia assistir tudo,torcer para a Seleção ser tetra. Como sempre, foi conversa de velhaco a engrupir seus eleitores.

Entretanto, o que se vê é muito mais. É comentarista de futebol, lamentando que os times estrangeiros e seus jogadores sofrerão muito no Brasil.  A nata do mundo, está acostumada ao clima ameno da zoropa, com todo conforto construído por séculos de bota-fora da borra, distâncias meia boca e sessenta partidas por ano contra os eternos três ou quatro times.  Afinal, uma pessoa de bicicleta, sem derramar um pingo de suor, atravessa um ou dois, quem sabe três nações. Por aqui, cinco horas de jato  é pouco para ir de um estado a outro. O tamanho do Brasil, país continente, onde seu povo trabalha ao sol escaldante é motivo de derrota pessoal para comentarista do caramba.

Copa do Mundo de futebol não é campeonato estadual brasileiro, jogado no estado da federação onde o linguajar é reconhecido, onde os costumes são peculiares e onde os esforços dos jogadores podem ser amenizados, comendo e dormindo em casa. Copa do Mundo de Futebol é campeonato rapidíssimo, beirando à guerra, onde os interesses sequer são alcançados pelos provincianos.

Um exemplo foi a Copa nos EUA, com partidas jogadas em temperaturas aos cinquenta graus, ao sol do meio dia e estádio semelhante à estufa. O Brasil ganhou mas os eternos estúpidos, simulacro de  fronteiriços  da nação, continuam torcendo os narizes. É que transmitiram os jogos com seus delicados e soberbos narizes em cabines de ar refrigerado. Nada agrada a essa gente insuportável.

Copa do Mundo não é para jogador que quer passear, fazer turismo e beber água importada, enojado para outras formas de vida, em terra de quem deixou o melhor para eles. Copa do Mundo é para ser jogada no mundo todo, nos continentes diferenciados, com a mesma chance que não seja para os de sempre. Aqueles que deturparam o esporte, fizeram do futebol mina de dinheiro, com seus jogadores cheios de dedos e e enfeites ridículos precisam saber como é e como vive o brasileiro. E tomarem conhecimento que o brasileiro não lhes é inferior e , se não fosse muito forte , não sobreviveria ao tipo de civilização que eles não aceitam e às intempéries econômicas que eles mesmos criam.

Aos brasileiros superiores, cultos e viajados que tem vergonha do tamanho e da diversidade única do Brasil, que se lasquem.

domingo, 9 de fevereiro de 2014

Construindo o discurso de amanhã

                                 
- Construindo o Brasil em Pernambuco...
    

Está na crista da onda documentários com depoimento dos guerrilheiros do tempo da ditadura. Contam a versão deles, falando pelos cotovelos. Não há testemunhos diversos, de outras versões, sequer de testemunhas neutras. Aparecem como perseguidos, salvadores da pátria e de uma população bestificada. Só eles sabiam o que o Brasil queria. Não contam que, por conta deles ficamos com uma ditadura de vinte anos. Confrontaram , perderam e  pagaram. Mas a população foi junto na morte da liberdade e no aparecimento de novas lideranças mortas no nascedouro. Por isso, não temos lideranças com capacidade e orientação forjada no crescimento pessoal e participação nascida no desenvolvimento através dos anos. Por isso, até hoje, perdemos o caminho e vemos surgir pseudos líderes, de repente fruto de seus próprios ódios e frustrações. No tempo da ditadura, dizia-se que eram inocentes úteis. Sem saber, estavam a serviço de forças manietadas por interesses internacionais a querer impedir que o Brasil saisse do atoleiro.

Os Black blocs é grupo de macaquitos, formados por gente que imita atitudes e posturas estrangeiras. Vemos grupos semelhantes fora do Brasil. É gente que viaja ou estuda fora e volta, querendo ensinar aos bestuntos ignorantes a como tumultuar e vandalizar como forma de aterrorizar o poder público, formar a baderna. Não são nóveis e nem novidade em uma humanidade tão velha e tão violenta.

A história se repete. Os Blak blocs de ontem estão no poder no qual os do futuros se formam na pantomima da massa cega e em estouro de gado. Como ontem, hoje quem não concorda é bastardo porque semelhantes práticas nascem na vida dura dos vencidos das metrópoles. O restante do Brasil tem que  sujeitar-se aos absurdos.

Não sabe? KLIKA

sábado, 8 de fevereiro de 2014

O petralha do futuro

        
      
Fabio Raposo ficou apavorado. Apareceu nas mídias internacionais. Nos confrontos do Rio, dessa vez sob pretexto  de protestar por aumentos de passagens de ônibus, usou foguete e atingiu trabalhador da Band. A vítima estava a trabalho, de costas para o criminoso e, após ser atingido na cabeça por um rojão, foguete junino, está em estado gravíssimo.
O advogado do inconformado com o país em que vive, o instruiu  dizer que foi mero passante, transferindo  artefato recebido,  para outro desconhecido. São elementos que formam o jeitinho carioca: Estava passando, não viu nada, não sabia de nada, não conhecia ninguém, não teve a intenção. 

Ainda tentou incriminar a PM, dizendo que apenas defendia-se do confronto e que havia recebido gás lacrimogênio. Não tapava o rosto mas protegia-se dos efeitos do gás que lhe doiam os pulmões e lacrimejavam os olhos.Quão cândido...

Analisadas as fotos sabe-se que estava com outro comparsa, que tentaram acender o pavio juntos,  que bifurcaram após artefato aceso, que tem antecedentes criminais. É membro dos black blocs, macaquitos imitadores dos  estrangeiros, pois que não?

Ele disse ser tatuador e contador. Pode ser que o seja. Mero cidadão inconformado. Afinal, está na moda viver reclamando de tudo e sonhar ser palmatória do mundo. Mas o perigo maior é ser considerado, no futuro, herói nacional, ser figura homenageada em filmetes pagos com verbas públicas, ter sua vida bibliografada por escritores meia boca, isto é, que ouvem  narrativas de um lado só.

Alguns jornalistas, ainda tentaram incriminar a Band porque o cinegrafista atingido, enquanto filmava o evento, não estaria de capacete, colete à prova de balas e no meio da bagunça.

Tomara que dê em algo, com punição de lei, pois como a vítima trabalha em rede jornalística a repercussão tem a adesão do sistema todo, daqui, algures e alhures.

Aos amantes da guerrilha urbana resta a certeza que um deles pode virar político e receber loas, no futuro, dessa mesma imprensa que os ataca hoje.

Falta de vergonha ? KILKA e conheça

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Saca com fé e crie uma nova doutrina

                                   
- Se o macaco falasse como o papagaio ...

Um cientista pesquisa, cria uma doutrina, joga no sistema e a massa é obrigada a aceitar como verdade incontestável. Muitas populações como um todo ou pessoas em particular, sofreram por discordar. Seus criadores são tratados como gênios e quem discorda é  ignorante de inteligência rasteira.Urge manter o poder e tirar proveito.

A começar pela criação do mundo, como chegamos até aqui, quem somos, para onde vamos. Explicar porque o bico desse passarinho é diferente daquele, virou verdade ensinada à exaustão. Em alguns países, a briga neurótica, na falta do que fazer, discute se nas escolas a turba deve ser teleguiada com a teoria criacionista ou a evolucionista. Vale dizer, entocha a turba com a teoria da Bíblia ou a de Darwin? Ambas soam como resultado de consulta aos deuses pois ninguém sabe nada. Ouviram cantar o galo mas não sabem aonde. Mas é preciso fazer o povo perder horas, esquentando o banco para ganhar  nota boa ou passar no vestibular.O dique da contenção divide e solidifica o sistema de controle. Só é considerado inteligente quem consegue guardar nos neurônios tanta informação  hipotética,enquanto o calor ou o frio continuam a castigar a Terra e seus habitantes.

Agora um psiquiatra , Brian Wiss ,como se fosse um admirável corajoso, publica resultado de suas pesquisas feitas em pacientes através de hipnose. Aceita que há vidas anteriores e que os traumas são trazidos no DNA da vida seguinte. Xiii, é aceitar que Alan Kardec estaria certo e que uma pessoa encarna em sucessivas vidas.

Enquanto pessoas vivem em cubículos de vinte metros quadrados, apartamentos com habits dados pelo poder local, aceitar que está pagando karma é o de menos. Deixar a horda procriar é estratégia, enquanto os poderosos controlam sua prole e mantém o número de rebentos para não dividir a propriedade.

Por isso sou a favor da Copa do Mundo. Pouco estou me lixando para elucubrações de neurônios metidos a besta. Os detentores do sistema , em sua divisão, usam uns e outros, pão e circo, enquanto se locupletam. Os outros fornicam à vontade, procriam desembestado e a responsabilidade é dos outros. A guilhotina para quem merece? E, a rodo, correndo sangue nas teorias furadas à parte? Nem pensar.

Quer ficar mais informado? KLIKA

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Mentira tem perna curta

                            


Pouco a pouco a verdade vai aparecendo.

É só ter paciência.

Vale à pena : KLIKA

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

Nem todo gambá do mundo

                                


De tanto usarem o futebol para fazer manifestação política, torcedores paulistas generalizaram e meteram o pé na porta do Curintia. Torcida organizada , beneficiada por verba do clube e com entrada franca nos jogos e clube, aproveitou para fazer vandalismo. Entre eles, um dos que foram presos em Oruru por morte de um torcedor.

A polícia militar, pronta para algemar gente menos perigosa, não fez nada e os jogadores passaram a ser instrumentos de uso por bandidos, no exercício do seu mister.

Eu procuro entender essa gente, que mais parece de outro país que o meu, com sua violência e pronto para meter no mesmo saco, o Brasil e todos os brasileiros.

De certa feita, acompanhando um debate sobre futebol , na net, percebi a referência a gambás. Então , resolvi perguntar o que era gambá no futebol. Recebi vitupérios de toda ordem mas não me responderam. Peguntei a uns amigos, alguns rapazes na academia e ninguém soube me dizer. Até que ouvi, domingo, a referência feita por um comentarista esportivo e captei: Gambá é como denominam os torcedores do Curintia, em São Paulo...

Coitadinho do gambá que mora no lote em frente à minha casa. Não merecia isso.

Para registro, se quer ler: KLIKA

País do futebol: Dá pra acreditar? KLIKA

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Incontinência urinária

                                 
- Agora, sabemos porque bebe. Muita corrupção para sair na urina. 

Uma nova máxima acaba de ser criada pelo Velhaco mais velhaco da história desse país:- Isso sai na urina !

O ex ministro do governo petralha, Carlos Lupi, disse, indiretamente, que a urina petralha está carregada de cristais da corrupção. 
O ex ministro, membro da cota de pagamento da subserviência política, é um dos pilares da corrupção que enche as burras dos políticos eleitos pelos burros desse país. Ele  diz , com todas as letras, que o petralhão mor, useiro e vezeiro em debochar dos honestos daqui ou alhures, acha que o povo é burro, sem memória e merece ser tratado assim. 

No exame de urina dos petralhas, tem  a cor  da vergonha do povo brasileiro. Ao ser acusado de corrupção, Carlos Lupi consultou o guru da velhacaria. Foi  tranquilizado com a  certeza da impunidade pois que a denúncia era coisa que sai na urina.

Pelo menos  sabemos qual é uma das máximas do Velhaco bêbado e sem vergonha.

Isso tem que ser divulgado à exaustão...

Não leu? Então klika e divulgue

Imperdível

               

ESSA É DE MORTE!!!!!!!!!!
                


Venezuela é governada por um morto.
Cuba, pelo irmão do morto.
A Argentina, pela mulher do morto.
Coreia do Norte, pelo filho do morto.
Brasil, pela sucessora de um que se finge de morto.
E o Maranhão pela filha de um que não morre...