sábado, 30 de abril de 2016

Para meu deleite de fim de semana


                                   Se tem alguém melhor, eu nunca vi

O lugar do intelectual destrutivo

                                    

Nunca foi fácil sobreviver. Desde quando o macaco desceu da árvore ele teve que enfrentar o predador.
Mas uma coisa é certa, depois que o humano disseminou a escrita e obriga todos a lerem e escreverem, o foco foi mudado. E, as distâncias entre uns e outros é ligada pela linha tênue do domínio do mais inteligente.
Óbvio que aquele que primeiro viu utilidade para a pedra lascada   saiu na frente. Mas de mero instrumento da paz, alguém  conseguiu fincar uma vara e virou arma.
Stalin mandava os intelectuais para quebrar pedra na Sibéria. O primeiro que usou o cérebro para o bem da humanidade foi companheiro do que a usou para o mal.

A humanidade melhorou, poliu-se, em trajetória doente e sofrida. E, no caminhar pela história, o intelectual trouxe muita discórdia, com idéias eivadas de morte. Teorias absurdas aproveitadas pelos autoritários de sempre, pensando ser o povo manada de búfalos.

Ainda acho que Stalin tinha razão. Certos intelectuais precisam quebrar pedra para dar valor ao trabalho braçal.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

A vingança dos guerrilheiros


A tática guerrilheira está em pleno vapor e despudoradamente.
Não assinaram a Constituição, não assinaram o Plano Real, não teem vergonha de levar o Brasil à bancarrota.

Era o que faltava, dar voz a argentino. Ele não perdeu a deixa e comparou o Brasil com Honduras e Paraguai.

Ora, se a própria presidente da república pede intervenção de instituição, sul americana, capenga contra o país? Quem espanta-se? 

quinta-feira, 28 de abril de 2016

A gostosa do pedaço

- Sergio Moro é o troféu/ Miss Bumbum é o troféu
Miss Bumbum mudou de vida, esposa de Michel Temer vive a vida
          
O mundo é tangido por regras cunhadas e impostas por terceiros, há milhares de anos. Chegamos no Século XXI, em pleno 2016, depois de Cristo, mas nada difere do tempo dos egípcios.

Podem as feministas, as malucas ou equilibradas, reivindicarem liberdade de decisões mas prevalecerá as regras ditadas pela testosterona. No ocidente são os preceitos falocratas judaicos-cristãos, que pouco diferem dos preceitos islamitas. Os disfarces é que são diferentes.

O juiz Sergio Moro é casado com uma advogada longilínea e insonsa. Bem comportada, segue o marido como se ele fosse um troféu.

O vice presidente da república Michel Temer é casado com uma mulher trinta anos mais nova,  recatada e do lar, e  nenhum dos dois exibe nada.

O novo ministro do turismo Alessandro Teixeira, é economista com mestrado na Inglaterra , casado como a ex Miss Bumbum, corpo exuberante e predicados que a fizeram vencedora no concurso, sendo exibida como troféu pelo marido.

O sistema falocrata judaico-cristão aprova a mulher do juiz porque ela é apêndice social dele, anda conforme a batuta; debocha da recatada do lar porque é discreta e não é apêndice de ninguém; e cai matando no ministro porque casou-se com uma despudorada que afronta  a sociedade patriarcal e  coloca esse tipo na penumbra.

E, veem a público fazer comparações pelo pré estabelecido. Com preferência  aos bem comportados e achincalhando os que atrevem-se sair da batuta do Seu mestre Mandar.   Uma sociedade assim, tangida por paramentos e togas tocadas ao vento, que atinge honras e direitos individuais, é a ralé da humanidade.

Um deputado federal foi cassado nos anos 1960 porque foi flagrado trocando a roupa em seu gabinete e teve publicada foto sua, de cuecas, em um jornal.

Enquanto isso o povo morre de fome e falta atendimentos em hospitais. O desemprego beira os 11%. O país está à deriva.

Nota: As fotos mostram como são mostrados os fatos. Tirei do Facebook




domingo, 24 de abril de 2016

Insônia

                            

Meu pai tinha insônia. No corredor entre os quartos ele colocou luz vermelha porque, se fosse preciso levantar à noite, a luz branca espanta ainda mais o sono. Quando é ligada a mente entende que o dia chegou.

Um dia, conversando sobre o sono e ficar acordado ele disse que o pensamento não é substantivo abstrato, é substantivo concreto.

E, Eldes tinha um número imenso de revistinhas de Snoopy por causa do traço do desenho. Ele era arquiteto e eles gostam desses desenhos. Vendi tudo para um colecionador. Ele mesmo me disse certa feita que quando morresse eu podia fazer com elas o que eu quisesse.

Então, quando eu vi essa charge acima resolvi guardar aqui no blogue. Eu poderia mostrá-la para eles mas  como não posso...
Faz de conta que eles viram .

sábado, 23 de abril de 2016

Troca de farpas

                                            

  
A mídia tornou-se palanque político. Procurar isenção é coisa para garimpeiro. Jornalismo, mais que nunca, dirigido pelos interesses de cada um. Talvez certos, talvez inconfessáveis. Cansa ler bobagens desmentidas pelos fatos. Antigamente, no jornalismo isso tinha nome de barriga. Hoje, é falta de compromisso com a verdade, é difamação mesmo. Impunidade, tal qual aqueles ao qual denigrem, os fatos inventados descaradamente.

Ninguém está imune de ser vítima da mídia. Alguns morrem em decorrência das mentiras estampadas na primeira página, para vender jornal. E, isso, desde que a malta tivesse condições de separar a verdade da mentira. E, ninguém tem. 

A última foi do presidente da Câmara Federal que, antes de esperar o fato acontecer, mandou publicar nota de repúdio por Dilma ter feito apologia contra o Brasil, pregando dissidências em sua estadia na ONU. Mentira. Outra foi disseminar que Tiririca foi citado na delação de Delcídio do Amaral como se fora venal e se vendido. Sabemos que a referência foi justamente por ter sido o contrário. Depois, o deboche à democracia quanto os votos a favor do impeachmet, parecendo que vimos outra coisa.

Quando eu fui escolher entre direito e jornalismo, papai me disse para não fazer jornalismo. Que jornalista é pau mandado do dono do jornal, escreve o que ele manda ou recebe para escrever o que quem paga manda. Que tio Fabrício ( seu irmão mais velho) quando era deputado recebeu ameaças de um jornal, através de um jornalista, porque fazia oposição ao governo. E, como ele recusou-se sofreu campanha difamatória implacável. Isso foi há décadas. Imagina hoje a briga de foice no escuro!

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Baixo clero

                            

Na 
 votação para aceitar o impeachment da Dilma, os deputados federais, em vez de votar sim ou não,  soltaram a alma. Talvez tenha sido melhor do que todos votarem, obedecendo fila indiana e com as palavras secas, sim ou não.

Os puristas, gente que é incapaz de tomar a frente de qualquer coisa, não tem ideia do que é liderar algo. Liderança é um impulso e, geralmente, tem muita paixão envolvida. É um karma, é uma praga que muita gente carrega pela vida toda. Mas, se não fosse essa gente o  macaco não teria descido da árvore.

A maioria absoluta dos deputados jamais pode chegar à tribuna da Câmara. O sistema político brasileiro é perverso com quem elege-se para o cargo, sendo obrigado a não ter voz ativa em nada. Entra na política para uma coisa e encontra outra. E, ainda tem que ser sujeitado à mídia chamá-los de Baixo Clero.

Portanto, para aqueles que vituperam contra os micos dos deputados na Câmara Federal, faço uma sugestão:  Quando vir um cano quebrado na rua, jorrando água, telefone para a companhia de água responsável.

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Dança do Guarupe no Exército

                                           

Os índios do Xingu tem uma dança típica.É dançada,especialmente, na festa do Guarupe. Em Goiás.

O Brasil é para quem gosta. A Tropa de choque do Exército treina seus soldados com uma espécie da dança do Guarupe, Até o canto de ordem imita os gritos.

Como pano de fundo, os gritos falam em matar a jararaca, provavelmente com inspiração na fala do Velhaco que disse ser uma jararaca.

Mas nem foi por isso que publico esse vídeo. É para me deleitar com o mundo masculino. Nada de filhos, nada de panelas, nada de ficar discutindo violências de gênero. Só quando velho faz compra em supermercado. Nem roupas ou futilidades específicas. Falam das gostosas sem pejo, brincam sem medo da patrulha e não precisam mostrar virtudes para serem aceitos. Cheios de força física e seus corpos são muito mais bonitos do que os femininos. Nisso concordo plenamente com Schopenhauer.

Eu não quero nascer homem na próxima encarnação. Quero vir mulher mesmo. Deus me livre, mais uma vez, de suportar mulher. Tenho muita pena dos homens.
Oh bicho chato é mulher !

República de Curitiba


                        

Juiz de Direito não pode fazer política. É vedado pela Lei Orgânica da Magistratura. Fazer mobilização, pedir apoio para suas decisões, não pode. Sua função é presidir um processo onde correm ações de partes que buscam o  poder jurisdicional para dirimir conflitos. Juiz não é nada a não ser quando decide. E, já basta pois suas decisões são soberanas a não ser quando ainda podem ser reformadas por outros tribunais superiores.

Quando um juiz sente-se ameaçado, aciona a polícia e até as forças armadas. Dá ordens e não pede. Então, não pode sair pedindo apoio até no estrangeiro. Não é sua prerrogativa, não é sua função. Não compete ao Poder  Judiciário.

Portanto, o juiz Sérgio Moro, de primeira instância da Justiça Federal, com foro no Paraná, está errado, no mínimo equivocado. Ele também fere a lei, extrapola quando faz palanques encoberto pela manta de  palestras, entrevistas.
Não é papel do Sergio Moro, deixar de lado sua cadeira de juiz para perambular pelos Estados Unidos da América, pedindo apoio para seus atos. É de  sua competência atuar nos processos. Se tem ajudantes, assessores é firula legal porque não há nenhuma autorização para outra pessoa julgar em seu lugar. 

Não é da competência de um juiz insuflar o povo contra governos, pedir passeata, um milhão de curtidas no Facebook para juntar no processo e ter autorização para qualquer decisão sua. Isso não existe. Isso é coisa de maluco sem noção em país de analfabetos funcionais, um país sem liderança, um país sem rumo.

Suas fotos, mostram uma soberba própria dessa raça de víboras. Queixo pra Lua, olhar autoritário. Eles são assim. Se o Poder Judiciário não fosse tão safado, o Brasil seria outro. São preguiçosos, arrogantes, sentem-se deuses, humilham partes, advogados, escriturários. Decidem fora da lei quando não vão com a cara de uma das partes. Tripudiam, usando seus poderes de juiz. Ora, se são tão soberbos para atingir os comuns, porque não fazem o mesmo quando é um ex presidente da república? Tem provas? Há motivo legal para a prisão? Então faça-o. Sente-se ameaçado? Use as forças armadas do país. Não é politico para arregimentar massas, insuflar paixões, derrubar governos.

O cúmulo foi, nas vésperas da votação pelo encaminhamento do processo do empeachment a ser votado na Câmara Federal, ele sair com quatro seguranças armados para jantar em um restaurante. Deu entrevistas, exibiu-se. Viaja para os EEUU em classe popular e manda tirar fotos para colocar na net. Em plenos dias de trabalho?! Abandona seu posto para fazer auê político. Asco!

Outra coisa é a mulher de juiz. As bestuntas, todas de cabelos pintados e unhas impecáveis de quem é dondoca do excelente salário do marido, acham -se juízas. Comportam-se com a mesma soberba. Se contrariadas usam o poder do marido para tripudiar. perseguir, pedir cabeças. Argh!
Pois o juiz Sérgio Moro apresentou sua loira esposa ao povo, mandou-a  fazer uma página no Face para divulgar ele mesmo. A negrada adorou. O Exército Nacional deu até condecoração como isso valesse algo pois muito canalha ostenta no peito a mesma comenda.

O Velhaco tem o dom da palavra e usou muito bem a expressão República de Curitiba. É um país da esbórnia entre gentes que abrem mão dos seus direitos de cidadão sem ter a mínima ideia que, amanhã, pode ser com ele. Juiz sem freios, sem respeito, vedete, vaidoso, arrogante. A voz mansa, olhar sem expressão me lembra um pistoleiro que fazia cobrança de duplicatas para um cliente meu. Cada vitória, uma marca no cabo  branco, de madrepérola e com destaque de flores, de seu revolver schmidt wesson.

Ressalvo que, eu mesma fiz texto destacando o trabalho de Moro. Mas foi no início, na primeira canetada, quando ainda não tinha sido mordido pela mosca azul.



sábado, 16 de abril de 2016

Eternos paus mandados

                             

A minha maior tristeza é  por ser Dilma  mulher.
Lutei muito pela igualdade de direitos.

 A luta foi geral mas a minha foi particular. Paguei um preço muito alto.

Vim de Minas Gerais onde havia desembargadora e voto secreto na OAB. No Espírito Santo? Nem um e nem outro.

Cai num buraco onde mulher não podia fazer concurso público a não ser para cargos subalternos.  Juiz e promotor de justiça, delegado de polícia e afins, nem pensar. Lutei na rua pela mudança que beneficiou mulher que me atacava publicamente. E, fiquei de fora por pura discriminação.


Eu tinha a convicção que a mulher tem mais honestidade e independência para exercer a política. Mas o que as mulheres fizeram é  vergonhoso: Paus mandados de políticos covardes e corruptos, repetição de catecismo decorado, alienígena, velho, cheio de bolor, covardia sem limites. Humilhação pública por ser atreladas, como pano de fundo para senhores sem o mínimo pejo. Como mulher vagabunda, elas não tem coragem para romper o vínculo.

Se tem exceção eu não conheço porque a que traçou caminho junto com meu grupo, não aparece no Senado, nem para dar força para os senadores que se posicionam.

Não posso achar que está perdido porque, senão, perco o que me resta dos sonhos da juventude. O prazer de me envelhecer eles não terão...

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Mutilação de obras cinematográficas

Novela Sila, da Band
                                                          

A literatura manifesta-se em várias modalidades. A filmagem de cenas teatralizadas rendeu-se ao cinema e à televisão. Hoje, o teatro é, basicamente, reduto para treinamento de atores ou deleite de aficionados.
Meu marido não ia a teatro nem com ameaças. Quando eu o convidava ele dizia: - Isso não tem nem resposta... Mas conseguia patrocínio com os conhecidos empresários para bancar teatro amador. É que eu  ia a algumas encenações locais, em Vitória/ES, porque Vera Viana, uma autora de peças de teatro, era minha amiga. Eu gostava de suas peças, também dirigidas por ela, geralmente voltadas para o social. Acabei conhecendo os atores, todos amadores. Tenho saudades.

Não vejo novelas. Gosto de representações sem nenhum histrionismo, bem simples, onde um esgar é um texto. Sem influência de Stanislavski ou qualquer outro método que manda o ator contorcer-se em cena. Gosto de tomadas de cena em ângulo fechado, com câmeras posicionadas como se fosse o olho do telespectador. Nada muito limpo como se tivesse passado água sanitária.

Mas outra coisa vem me chamando a atenção. A montagem, a finalização de um filme ou novela. Depois de filmadas as cenas, estas são postas em ordens certas, para contar a história, passar a mensagem do texto, fazer crível a história. Pelos letreiros é uma equipe imensa.

Como resolvi ver a novela turca Sila, na Band, passei a estudar a forma deles fazerem novela. Para eu entender porque gosto dela. Não é, apenas, porque o ator é um macho alfa mas porque é primorosa nas tomadas de cenas, na montagem, na direção enxuta, na falta de caras e bocas dos atores, nos cenários diferentes de um local árido, sem verde, tão diferente de onde vivo, na historinha água com açúcar tipo MDelly, Max du Veuzit ou Concordia Merrel que sempre gostei.

Entretanto, as cenas estão sendo cortadas, mutiladas como dizem as espectadoras de  países da América Latina, em debates sobre, e, por onde a novela também é exibida. Como assim, cenas cortadas? Sem autorização dos autores? Uma nova história é contada ao bel prazer de algum bestunto? Tem autorização? Como são feitos os contratos para ceder a transmissão da novela? 

Quanto mais se vive, mais se aprende. A mentalidade dessa gente, para cortar cenas de uma obra cinematográfica a ponto de mutilar um trabalho difícil de uma equipe, é semelhante aos bestuntos que colocaram tanga nas pinturas de Miguelângelo ou esculturas de Aleijadinho. Ou rasgar páginas de um livro porque o inculto considera supérfluas. Ainda, cortar cenas porque a ditadura moral ou política não aprovam. Quiçá, porque precisam passar em tempo determinado no pagamento dos anúncios.

Para aceitar o fato, convenci-me que, desde que não cortem cena alguma com MAA, que  eu tenha paciência. Valeu a pena.

Ninguém respeita mais ninguém.



Vingança das desvalidas

                                     

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Enriquecendo meu arquivo

                         
                                 

O poeta e músico baiano Compadre Washington ironizou, na manhã de hoje, a matéria publicada pelo portal 247 intitulada: “Stédile é o Tiradentes da atualidade, dizem pesquisadores.”
Para o músico, “a comparação é teratológica, esdrúxula e ordinária, pois nas escolas da Bahia, onde estudei, não é ensinado que Tiradentes vivia por aí ordenando invasões de terra alheia.”
Compadre Washington também declarou que “Se Stédile é o Tiradentes da atualidade, eu sou o Heitor Vila Lobos, a Graça Foster é a Sônia Braga e o dia do índio se comemora em homenagem ao Guarani-Kaiowás do Facebook.”
Por fim, Compadre Washington comentou que “por outro lado, até onde eu sei, o Stédile nunca tirou dentes de ninguém. Na verdade, nem sei se ele já trabalhou alguma vez na vida.”
Procurados por nossa equipe de reportagem, os editores do portal 247 se recusaram a nos atender, havendo uma funcionária informado pelo telefone que “Temos muito respeito por Compadre Washington, mas desse vez ele está equivocado.
Fonte: UOL KLIKA

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Academia, ai de...

                                      
Sete ponto zero
                                          

Faço academia há quinze anos. Segunda, quarta e sexta. Religiosamente. Meus exercícios veem em fichas mudadas mês a mês. Falto raramente pois minha vida é um marasmo com absoluto contraste do que foi durante décadas quando eu trabalhava doze horas ou mais porque havia a dupla jornada de trabalho. Meu marido foi embora com a morte e me deixou para criar dois filhos aos quarenta anos. Um dia ajusto contas com ele.
Depois de tanto tempo, como os metais, meu corpo começa a dar sinais de cansaço.Usei um aparelho na academia, ótimo para queimar a gordura das coxas e nádegas, um tipo de rema-rema, mas detonou os meus tornozelos, meu tendão de Aquiles da perna esquerda. Fui ao médico,ele  mandou-me fazer um exercício de alongamento e passar remédio mas não tem havido muito resultado. Tenho certeza que é porque não parei de fazer os exercícios, especialmente correr na esteira.

Sou muito disciplinada e quando tenho que fazer algo não sei parar. Mas dessa vez, preciso dar um tempo para meu corpo. Os treinadores da academia , acostumados a me ver fazer o que muito jovem não faz, não aceitam que envelheci e que preciso maneirar nos exercícios.
Andei pensando e tomo como exemplo papai que foi um atleta, campeão de esgrima pelo Minas Tênis Clube, andava todos os dias, fazia alongamento, ensinou-nos a fazer ginástica quando éramos pequenas, no quintal de casa, em Belo Horizonte, na Rua Canadá, Sion, morreu com a barriga tanquinho e bíceps com cinturinha, aos 88 anos. Enquanto isso, mamãe  nunca fez execício na vida, brigava com papai quando ele a chamava para fazer caminhada. Papai dizia que o único exercício que ela fazia era levantamento de copo nos fins de semana quando havia cerveja farta no almoço. Ela morreu, gordinha, aos 92 anos.

Vou parar um mês, dar tempo para meu corpo. Só espero que eu não perca o controle do meu behind ( Como dizia tio Marcílio, irmão do papai ) e dos meus culotes.


domingo, 10 de abril de 2016

Aprendendo com Chefe Boran, O Magnífico

- Chefe Boran, O Magnífico, com os filhotes nas costas
             

O sagui, chefe do bando que frequenta  o quintal da minha casa, é um grande chefe e, especialmente, um grande pai. 

Nasceram dois filhotes há vinte dias, muito grandes. Ouvi um sagui gritar muito e suponho ter sido a fêmea parindo pois logo apareceram os filhotes nas costas do Chefe Boran.

Depois de quinze dias, começou o desmame porque os filhotinhos apareceram nos galhos do limoeiro e, na evolução do pular de galho em galho, desceram para o muro onde coloco um  prato e as bananas. Chefe Boran estava na amoreira e eu fui até o muro para dar pedacinhos de banana aos pequeninos. O pai veio rapidamente, no fio do varal e me deu uns tapinhas na cabeça. Eu fiquei imóvel. Acho que ele faz isso para testar o grau de perigo porque se seu reagir não  permitirá ficar perto dos filhotes.

Uma coisa mais linda eles comendo a banana, pouca coisa. Chefe Boran ficou um pouco longe mas completamente atento. Saí de perto para ver como eles subiriam nas costas do pai. Mas são muito maiores que os anteriores que nasceram no ano passado. Não dá para ficar nas costas e ainda pular pelos galhos.

Foi então que eu vi uma cena digna de filmar e passar para o mundo ver: Chefe Boran subiu para a sibipiruna da rua, ligada ao limoeiro por ramagens e ficou observando os dois filhotes. Eles, por sua vez, começaram a tentar subir do muro ao limoeiro. Olharam um galho, fizeram impulso e  desistiram por  umas cinco vezes. O pai apenas observando. Até que eles andaram pelo muro e descobriram um galho baixo, pularam , andaram por ele até chegar na sibipiruna e se encontraram com o pai. E, foram embora. Chefe Boran não interferiu, deixou os filhotes buscarem a solução e só ficou olhando.

Lembrei-me de papai. Ele dizia que não ia interferir em nada do que fizéssemos, que sabíamos onde ele estava, que se precisássemos  estava lá mas não faria nada se não pedíssemos.

Aos super protetores fica mais essa do magnífico Chefe Boran.



sexta-feira, 8 de abril de 2016

Testemunho de quem trabalhou com petista

-KKKK Captaram? Minha irmã psicóloga, Consuelo, dizia que o tamanho do meu ego é maior do que eu.
                        
Eu fui Chefe do Setor Jurídico de uma autarquia estadual. Foi o melhor lugar que trabalhei. Quando cheguei era uma bagunça, processos sem nenhum controle, espalhados pelo chão. Não havia distribuição para advogado ser responsável pelos processos, relatório mensal, fichário, modelos de petições, linha de defesa para nada, Mandados de Segurança sem direção, defesas trabalhistas nada a ver, nenhum recurso, quando autarquia está isenta de custas e taxas forenses; a esbórnia jurídica.
No início, juízes atreveram-se a debochar da entidade, em audiência. Disse para um deles, um boçal de galocha, que não iria fazer representação contra ele porque tinha certeza que, antes de eu sair da autarquia, ele pediria desculpas porque veria as mudanças e com elas viria o respeito que ele faltava naquele momento. Ele deu risadinha mas, anos depois lembrou-se e desculpou-se, não com essa palavra mas para bom entendedor meia palavra basta. Mesmo para mim que não sou de meias palavras. Mas reformei suas sentenças, anulei uma delas por três vezes. Me diverti à bessa.

Tudo foi organizado, o Diretor Geral comprou livros, assinou publicações de jurisprudência ( não havia internet ), arquivos, excelentes máquinas de datilografia, ( como sou péssima datilógrafa )  estagiários com excelente datilografia, funcionários dedicados e começamos a dar surras homéricas no juiz que ( entre outras coisas) anulava multas através de Mandado de Segurança e a recorrer de tudo, especialmente  em matéria trabalhista, até o TST. Consegui fazer jurisprudência importante para podermos recorrer e ir mais longe. Fizemos linha de defesa agressiva. Fiz defesa oral panfletária no Tribunal Regional Trabalhista a ponto de um desembargador ( um cara novo, autoritário e debochado que chegava com prancha de surf debaixo do braço) levantar e dar chute na cadeira, dizendo que ia fazer representação contra mim na OAB. Respondi: - O Sonho acabou excelência, ----- agora tem advogado. Para meu temperamento, foi a glória!

Pois bem, isso tudo é para dizer que fui , por mim mesma, obrigada moralmente, a pedir exoneração quando o governador eleito foi  do PT. Pouco a pouco foram tomando conta, chamaram para si, através da Procuradoria, todas as questões jurídicas, interferindo no nosso trabalho, nos processos, querendo mandar nos pareceres, alguns frontalmente contra a lei, ameaçaram de processos criminais (!!!) se eu não fizesse o que eles queriam.  Mudaram o Diretor Geral, e comecei a forçar a barra com o novo nomeado e isso não pode porque o Chefe  do Setor Jurídico é cargo de confiança. Eu acho que ele começou a bater de frente, pedindo coisas absurdas, exatamente para eu pedir pra sair. Coisas cabeludas que um dia vou contando pouco a pouco. Saí atirando, como se fosse com uma Magnum Desert Eagle. Está lá nos arquivos, porque não sou de deixar nada sem provas, para não me meterem na cadeia por nada. As advogadas, funcionárias de carreira disseram que, eu, para doida só faltava a pena. Eu respondia que se não tem respeito tem medo   ( O príncipe, de Maquiavel). 
O fato é que, escarafuncharam ilegalidades para processarem  o Diretor Geral, o do meu tempo,  mas não acharam nada. Sei disso porque o Diretor Geral, um dia, telefonou-me para agradecer por ter saído livre da perseguição petista.( Ele teve um infarte, por isso, com 39 anos). E, eu havia dito a ele que se me seguisse nunca haveriam de achar ilegalidade e, quando ele relutava, se encontrassem, eu queria ser presa e algemada junto com ele.

Está na hora de  prestar meu testemunho, por tudo que eu vi, além de mim: - Que petista é safado, lei não existe, respeito ao trabalhador é zero, espertalhões, autoritários, ignorantes e não dão valor a quem tem honra e leva a sério seu trabalho pago pelo povo. Mas, especialmente eles tem medo da hipótese de  suas ilegalidades serem  mostradas porque sua certeza da impunidade não é absoluta. Agora que a casa caiu, devem estar desesperados.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

O resumo: Petralhas e suas petralhadas

                            
Sábias palavras, de Joaquim Barbosa
Nunca votei em nenhum candidato do PT. Muito menos em Lula. Mas confesso que durante a sua presidência, fiquei surpreso e, em vários momentos, o admirei. O que fez pelos menos favorecidos foi elogiável, reconheço. Cheguei a pensar até que o Brasil se tornaria uma grande nação mundial, sólida e educada politica e socialmente. A maioria dos brasileiros parecia feliz e ele deixou o poder com 80% de aprovação. O que ninguém sabia, no entanto, era que por trás desta aparente tranquilidade e sucesso, havia um quadrilha organizada, e apoiada por ele, agindo nas sombras para lesar o País e empresas públicas. O tumor malígno já estava instalado e lentamente se infiltrava nos órgãos tranformando-se em metástase. Dilma, um cacto, foi plantada para levar o plano em frente. Ela seria sua marionete perfeita. O que ele não podia prever era que a marionete não articulava bem. O pinóquio acabou fugindo da casa do Gepetto e passou a viver por conta própria. A história todos conhecem. Tola, temperamental e sem sensibilidade política, Dilma, no afã de manter-se no poder, exagerou na dose ao financiar programas que não podendo ser suportados pelo tesouro, acabariam por levar o país a bancarrota e ao caos financeiro, político e social. O discurso petista sustentado sempre foi o de separação de classes, regiões, cores e de gêneros. A velha política de "dividir para governar" afastou a unidade nacional que deveria manter os brasileiros unidos para um progresso comum. Além disso, o discurso foi o grande arquiteto do foro de São Paulo que pretendia implementar a ditadura do proletariado na America do Sul. Utopia! O Brasil nunca se renderia ao comunismo e nunca se renderá. Aqui, as pessoas gostam de trabalhar e de ser regiamente pagas por seu trabalho. Que o governo criou programas interessantes, criou sim. Muitos aproveitados dos governos passados. O que o governo não previu, ou o que a ansiedade pelo poder não lhe deixou ver, foi quem financiaria esses projetos: a classe produtiva com seus impostos e empregos. Mas o problema maior é que resolveu dividir os ganhos com empresários corruptos, levando-os a bancar suas contas. Resultado: Apanhados em flagrante, a casa caiu, o financiador faliu e tudo o que haviam, em tese, feito em prol da sociedade foi se perdendo no caminho. Perderam a mão, o respeito e tudo o que restou foi o Nós, e o Eles. E agora José? O dinheiro acabou, a fonte secou e o Brasil parou. Agora agonizam e chafurdam na lama de suas próprias torpezas e irresponsabilidades com a república. Esqueceram da ética, da moral e do principal, da vergonha. Mentem compulsivamente. Dissimulam, fantasiam um poder que já não existe. Entregam com pompas, obras que, sabem, não poderão ser pagas. Ao fim perguntamos: Quem deu o golpe em quem? Instalado o caos pelo crime e por tudo o que fizeram e o que deixaram de fazer, só nos resta confiar na última trincheira antes que o pior aconteça: a Justiça. Que Deus nos proteja e que todos os brasileiros vivam em paz.
Joaquim Barbosa.

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Novela Sila

Mehmet Akif Alakurt : Protagonista da novela Sila
                   


Fiz um texto, contando das minhas dificuldades em gravar uma novela transmitida pela  Band. (KLIKA). Gravar um filme ou outra manifestação literária é como deixar um livro na estante para ler outra vez. Até podemos ler livros na internet sem precisar tê-los e manusear. O mesmo com filmes. Mas é bom ter conosco à disposição e  às antigas.

Em uma cidade pequena onde não há biblioteca pública, uma loja de livros muito pobre forçando-nos comprar pela net, sem teatro, um cinema vagabundo, praças de esportes ou clube resta-nos a televisão com sua programação ora boa, ora ruim, filmes comprados, essas coisas.

Não vejo novelas, nunca vi. Vejo um ou dois capítulos, os atores, a direção e não volto. Tudo por acaso. Nesse acaso, muito cansada por doze, quatorze horas de jornada  acumulada dei com a novela Coração Selvagem, com Eduardo Palomo e Edith Gonzalez, ainda nos anos noventa. Em uma cena gostei e assisti. Foi reprisada por três vezes e na terceira, gravei. 

Também por acaso, encontrei com Sila no Youtube. Pesquisei e lá tem em várias línguas, algumas nem sei qual seja. É exatamente o meu estilo, de ponta a ponta. No fundo é o mesmo fio condutor de Coração Selvagem. Foi uma grata surpresa quando vi que iria passar na Band no horário bem disponível das 20 e 20 da noite.

Gosto de história linear, cenários históricos, direção enxuta,  atores nada histriônicos, que em um franzir de senho dizem um texto. 

Comprei HD externo, sofri para aprender manusear tudo. A princípio pensei em gravar direto da televisão ou do aparelho de canal pago mas não deu. Meu pânico foi infundado pois a Band disponibiliza o capítulo no dia após ter sido mostrado.

Estou gravando e enquanto o faço publico aqui. Com uma cajadada só...

Obrigada Band !

Veja a crítica depois de 42 capítulos: KLIKA

O porteiro

                     


Uma das funções mais árduas de um síndico de condomínio e' lidar com os empregados. Urge orienta' - los para que sejam discretos e não se metam onde não e' da sua função. Porteiro que se mete na vida dos outros, fofocam tudo, perguntam sobre a vida particular, vigiam tudo para contar para o síndico e' inadmissível . Querem mandar, corrigem os moradores, levantam de seus lugares para acompanhar o que o proprietário está fazendo . E' invasão de privacidade. Para não falar em uma aparência suja, barba por fazer, roupas mal cheirosas.
Deviam ser orientados sobre suas funções, que não podem ser acumuladas sob pena de indenização trabalhista.
Da próxima vez que um síndico ou porteiro passar dos limites de suas competências, vou mostrar com quantos paus se faz uma canoa. Vigiar a minha vida? Nem com uma Desert Eagle na minha cabeça. Pode puxar o gatilho.

terça-feira, 5 de abril de 2016

Saiba o que é: Hembremismo



                                
O hembrismo (verbete da língua espanhola,ainda sem verbete na língua portuguesa) é um conceito ainda não aceito academicamente, no entanto, é cada vez mais difundido na prática da vida cotidiana, que tem como objetivo a depreciação e subjugação do sexo masculino. Embora na história, o hembrismo seja quantitativamente menor que o machismo ( e sem dúvida que machismo tem sido um grande flagelo para a humanidade ) , não é menos relevante denunciar os efeitos nocivos que estes nichos de grupos de mulheres radicais, são cada vez mais numerosos, causando grande prejuízo na vida social, especialmente no seio das famílias, equiparado ao machismo , porque seus desvios tem o único objetivo de como dito de depreciar e subjugar o gênero oposto, desviando-se do ideal do do movimento feminista que sempre pregou a igualdade de sexo ( solidariedade , fraternidade , justiça e democracia ), buscando colocar a mulher em igualdade de direitos e responsabilidades sociais com o homem em todos os campos da vida. Portanto hembrismo não identifica uma mulher feminista, que superou a antiga tolerância da ditadura patriarcal, pelo contrário, exemplifica um pensamento rudimentar e selvagem inspirado pelo ódio, pelo preconceito e a violência injustificada ao outro gênero sem o reconhecimento da dignidade das pessoas , ou seja, negam a base fundamental da convivência humana fraternal e igualitária . Um viva as feministas que pregam a igualdade de gênero e a condenação severa as que usam de artifícios para subjugar o outro. FEMINISMO SIM,HEMBRISMO, NÃO!