terça-feira, 31 de maio de 2016

Senha para o absurdo

Passarinho azul piscina, com asa e rabo pretos, novidade no bebedouro do meu quintal
                                        
Com certeza existe uma senha entre os jornalistas e seus chefetes para falar, à exaustão, no mesmo assunto. A exploração do óbvio , vindo à tona.
A última moda é a violência sexual contra a mulher. Para falar claro e sem meias palavras, está na berlinda a buceta. Às claras porque sempre perpassou nas entrelinhas e na falta de pauta.
Tudo é sobre estupro, prostituição, maternidade, parto, aborto, libertinagem feminina, com direito a especialistas espumando nos cantos da boca, filmetes, entrevistas com as abusadas, miseráveis, abandonadas, repercutido à exaustão a doença sexista de gentes que se dão como normais.
Enquanto isso, a exposição de semi nuas, de roupas vulgares, futilidades  sem fim como esmaltes, maquiagem, ferraduras à título de sapatos. Como ficar mais jovem, como não perder seus machos, como ser feminina, como ser mansa, cordata. Discurso velho que não muda. 
Aumentam as  páginas com as feministas radicais e, estas mesmo, tirando a roupa na rua, exibindo a bunda nos palcos, os seios nas ruas entre a multidão de homens com olhares vidrados e sorrisos concupiscentes. Todas malucas, doentes, exibicionistas com argumentos para exercerem a sua doença. A mulher como coisa, como boçal, sem cérebro, desrespeitada como cidadã, como pessoa, como mulher. Pasto para uma imprensa que avilta a mulher, com prazer, nos jornais, nas revistas, nos programas de televisão, nos filmes ordinários , nas novelas imundas, no teatro, na literatura. E, pasmem, nas letras das músicas dançadas à esbórnia da ignorância e o abandono da ética, da moral, da educação.

Sujam toda a brasileira pelo mundo, como se todas fossemos iguais, tornando-nos pastos para gringos endinheirados,  tarados e a mídia em busca da demolição dos subdesenvolvidos. Até atriz de Hollywood, conhecida viciada em cocaína, se deu o direito de escrever, em português, contra todas nós.

Basta, chega, caiam na real porque sujar a mulher brasileira, é sujar a cidadania , a nacionalidade. Ou será que seria esse o objetivo, fazer crescer o complexo de vira-latas e tomar a manada no laço para dominar ainda mais?


segunda-feira, 30 de maio de 2016

Pescando tubarão?

- Encontrado no Brasil a maior espécie de rato 
                       


Queremos a prisão do Velhaco !
Queremos a prisão do Chefe !
Mandar prender os chefiados qualquer juiz faz.

Pescar piaba é fácil...
Quero ver pescar tubarão ...

domingo, 29 de maio de 2016

Vida na redoma ; esbórnia fora

                             

Estou como que anestesiada com a enxurrada de notícias que caem em nossas cabeças. Enquanto vivemos em um mundo tranquilo, sereno, com as coisinhas e trabalheira de sempre,o dia a dia aí fora é pauleira pura. 

Não consigo entender essa gente que possui uma ânsia de viver, de ter tudo em tudo que a vida pode dar. Nada é o bastante, sugam com sofreguidão a vida como se esta fosse acabar amanhã.

E, sempre foi assim. Viver muito tem duas vertentes:
Uma é viver muitos anos, dia após dia, aproveitando a vida no que ela vem, seja de bom ou de ruim. Para os que possuem a leniência própria para sobreviver e ser feliz , não há previsão do fim de tudo. Em uma humanidade, beirando a milhões de anos, oitenta não é nada mas é mais que quarenta; 
Outra vertente é aquela em que viver muito é sorver a vida, pintar e bordar, não perder nada dormindo mas gastando tudo que tem, que não tem, que pode ter, que deseja ter. Pode morrer cedo mas nada importa. Pode ficar doente, desgastado mas quem levou a vida à sério vai cuidar de tudo.

Quem escolheu um e outro que assuma. Cada um é livre para viver suas escolhas. Só acho profundamente injusto que , aquele que se cuidou, que planejou, que não viveu na esbórnia, ainda tenha que cuidar do boa vida quando esse torna-se um bagaço ou aguentar dedo em riste pelas escolhas alheias.

Não tenho pena de quem vive sua vida na sexualidade libertina, nas drogas às fartas, seja qual for, na gastança do exibicionismo barato do ter tudo que a moda manda, da falta do planejamento pessoal e familiar e quando a casa cai procura ajxchjxajuda para quem vive na disciplina.

As últimas notícias sobre uma moçoila carioca, moradora de uma das suas inúmeras favelas que teria sido currada por trinta homens, entre adultos e adolescentes, não me arranca um pestanejar. A turma vive na esbórnia da ignorância e da vagabundagem, sem nenhuma assistência de família ou do estado, todos sem profissão, tentando sobreviver e a reproduzir qual ratos nos porões da vida.
Não conheço o lugar, não sei como vivem, não tenho ideia do que seja baile funk, sexo coletivo, aposta de quem fode mais do que o outro, quem vive mais na sujeira moral, à solta e ao deus-dará. Não sei e nem quero saber. Não controlo as mentiras da mídia, a ânsia de notícias e escândalos. Não me importo com as mentiras e contradições de depoimentos de juventude perdida, longe da minha vida ,e, que não tenho responsabilidade e sequer controle algum.

O que me interessa é que essa gente vive qual bandalhos, muito longe da minha e dos meus mas sua má fama repercute mundo afora e suja a minha sem que eu tenha dado causa. Imunda a minha nacionalidade e a minha cidadania, entre seus sorrisos e esgar de podridão moral sem nenhum pejo ou pudor.

Qualquer outro discurso é mentira. Qualquer outra postura que se dane. Não sou obrigada a assumir as dores do mundo e nem a sacanagem dessa gente. Quem fez isso foi Jesus Cristo e morrendo na cruz, suando sangue e gritando a Deus para o poupar.

O resto? Vão ver se estou na esquina.
Na mesma panela? isso não KLIKA

domingo, 22 de maio de 2016

Show do garrincha


Enquanto leio, o garrincha dá show,
Tive que parar de ler e ouvir seu canto de meia hora.

Vejo muitas publicações de cantores estrangeiros, alguns defuntos há décadas. Preferi colocar um pássaro único que nos deleita com seu canto. E, sem fama alguma.

sábado, 21 de maio de 2016

O mundo dos asnos

                         

Nunca gostei de bossa nova. Com algumas exceções. Não tenho ouvido apurado e afinação é zero. Sofisticação musical, deixo com meu Chopin, a 5a de Beethoven e Debussy na veia. Pode ser a 1a de Lizt ou de Paganini que eu adoro. Tenho minha coleção, de vinil,  desde os anos sessenta, exatamente porque nunca gostei dos Biatles nem dessa gente do cantinho e um violão; Shi lovis, yiêiê ...
Sou do rock'n'roll e mil vezes um ACDC e sua guitarra no último. Sequer gosto de Elvis dos anos sessenta, muito comportado e cabelo cheio de laquê.

A ditadura nos obrigou a ficar longe do rock e engolir esses caras. Chegaram a fazer passeata contra a guitarra da Jovem Guarda. Defendem-se, até hoje, dizendo que eram contra a colonização musical!  Que quebrem todos os discos dos clássicos de sempre!

Chico Buarque passou incólume, ( Embora se faça de vítima e se auto exilado na Itália onde comprou uma casa) protegido por meia dúzia que o tinham como gênio e até o elegeram o melhor cantor do ano. Caramba ! Mesmo não cantando bulhufas como a geração atual o tem e, por isso, não consegue colocar vinte pessoas em um teatro. Comprou músicas dos miseráveis, para fazer sucesso como sua própria, conforme confessou em entrevista mas sem dizer qual delas. Se diz comunista. Aquele tipo riquinho, com lastro social, e vida boa de herdeiro do fausto, voando de lá prá cá e fazendo futebolzinho básico no campinho da mansão. Acabou amigo do rei, que veio de pau-de-arara, para ser amigo da nobreza do sul. Nunca fez um show beneficente, nem doação para nada nem ninguém. Mas pegou milhões do dinheiro público, do Ministério da Cultura, porque bobos são os outros, para fazer espetáculos cobrados a peso de ouro.

Agora que a festa acabou, que os copos estão quebrados no chão, as garrafas vazias e a comida espalhada por todos os cantos, pagos pelo rombo de cento e setenta bilhões de reais, o oportunista e o bêbado prestam-se a articular um Brasil   ajoelhado e falido de vez.

Para essa dupla, resta a certeza que  a república dos asnos não os compreende porque estão nos céus da genialidade e, por isso mesmo, merecem ser tratados como merecedores do dinheiro público, roubado como se punguistas fossem, e,  colocado nos bancos estrangeiros. 

Asnos? Somos nós...

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Coração de adolescente

Essa foto é em homenagem a papai.Ele era dentista e me disse que se eu morresse com noventa anos, morreria com todos os dentes.
                          
                        
Alguns conceitos precisam ser mudados, estão sendo mudados.
Noticia-se que a longevidade do brasileiro tem a média de setenta e cinco anos. É muito boa. Só os japoneses, com sua produção em série e o blasèe de colocar seus diferentes pra fora do país ou dar um jeito de se matarem, ainda na adolescência, conseguem ir mais longe. Espaço aberto na marreta, contra a felicidade alheia.

Já se foi o tempo em que, com quarenta anos, uma pessoa  era velha. Os dentes já tinham ido pro beleléu, a saúde era do encarquilhado, cegueta era a regra. 
A mulher tinha cabelo no estilo coque. Se branco fosse, assim ficava. Vestido  preto de florzinha no meio da canela. Eu me lembro das minhas avós assim. A vida delas era casa e igreja. Era chic não discutir política nem dar palpite em nada. O ser feminina baseava-se fundamentalmente nisso. Além de filhos, casa e criada. A conversa era cri-cri. A piada pronta era quando fazia quarenta anos e o marido dizia que estava na hora de trocar por duas de vinte.E, todos achavam graça. Alguns faziam isso. 

A vida não mudou somente nisso mas no estilo de viver. O acesso à informação é para todos, a locomoção ficou muito mais fácil. Lá se vai o tempo em que viajar para o exterior só podia ser de navio.A Seleção de 58 foi para a Suécia de navio e levou vinte dias.

Portanto, se vamos viver mais, se podemos ver a vida em todos os cantos e de todas as formas, não cabe ser velho, macambúzio e pessimista. Urge manter o coração de adolescente. Mesmo que lhe apontem sempre que está velho e que deve cuidar das coisas de velho. Não há mais coisas de velho. A não ser o que os hormônios lhe digam.  Cair aos pedaços é para os que não se cuidaram e, se estão caindo pelas tabelas, perderam o bonde da história. 

Continuamos a morrer como sempre, alguns jovens, nada mudou. Mas para quem sobreviveu, não pode  apenas fazer parte das estatísticas da sobrevivência. Já o somos da história  da mudança da humanidade. Somos de uma geração que fez muitas revoluções e, se estamos aqui, continuamos a estar e a mudar tudo.

O horizonte não tem limites, a nãos ser para os que, ainda, acham que a Terra é quadrada.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Educação para a subserviência

- Chefe Boram, ensinado seu filhote a descer para o galho
                                                 
Quando fiz meu curso de formação para professora no Instituto de Educação de Minas Gerais,em Belo Horizonte, nos anos sessenta, o Brasil tinha quase metade de sua população de analfabetos.
A ditadura jogou todas as suas fichas para corrigir esse absurdo. Entre outra ações, assinou um acordo com os EUA para formar professores primários. Sua aplicação começou pela escola em que eu estudava.Um grupo de estadunidenses  ocupou todo o primeiro andar do prédio e passaram os métodos de ensino para nós, alunas. Através dos professores, of course.
Tudo que tem hoje, rodando por aí, passou por esse programa.Mas com modificações ridículas e erros que foram nascendo através das décadas. Um dia faço um texto sobre esse assunto porque hoje quero falar de um, fundamental.

Você pode saber se o professor é bom, apenas pela forma como corrige as provas ou os execícios de seus alunos. É princípio básico da teoria da educação, ressaltar os acertos porque o cérebro guarda o que lhe dá destaque. Assim, ao corrigir um erro, a professora deve usar a cor vermelha. Lápis ou caneta. Onde tem o erro escreve, em cima, o acerto em vermelho. Nunca risca embaixo ou chama a atenção para o que foi feito errado. A medida que corrige, não basta colocar um C ou E ou um grifo no errado mas deve colocar, em cima, escrito o certo.
Também, deve colocar sempre um conceito para incentivar o aluno. Eu usava: Bom! , Muito bom! ,Ótimo!, Excelente!, Excelente! Parabéns!, Maravilha, excelente, Parabéns!!!!.
Meus alunos diferenciavam as sutilezas dos conceitos e , sentados em mesas, disputavam o resultado. Toda segunda-feira, os alunos podiam escolher novos lugares e eu procurava incentivar os mais bagunceiros com os mais caprichosos. Só não interferia para ficar misto meninos e meninas porque há uma tendência normal por ficarem em grupos por gênero.

Esse tipo de comportamento educacional percebe-se no comportamento dos estadunidenses.Eles não ressaltam seus erros sequer em filmes criticando o sistema.Quando isso ocorre, o roteirista ou diretor ou mesmo atores são estrangeiros.
O contrário ocorre com os brasileiros. A mania de ressaltar os erros, criticar os erros, denegrindo sempre os nacionais, comparando a pior com outros povos é nítido. Ficou mais forte com o governo petralha mas continua a todo pano. Isso não leva a nada, não rompe com o passado de erros mas completa o falso, perpetua o errado.

Urge voltar ao tempo em que se educava, ressaltando as qualidades, incentivando a pessoa nos pequenos acertos que sejam. A correção na educação deve ser chamando a atenção para o correto e não para os erros. O cérebro registra o que vê ou ouve.O papel dos professores é fundamental, assim como o dos pais.

Talvez, assim, um dia possamos abrir um texto e não exalar biles por ver um brasileiro ignorante, com acesso a uma arma tão importante como o computador e seus aplicativos. E, não contribuindo em nada com o avanço para o desenvolvimento da nação.


quarta-feira, 18 de maio de 2016

Os brasilianistas de araque

                            
    
Os eternos estrangeiros, palpiteiros sobre o Brasil, continuam especulando sem saber onde canta o galo.Sobre o impedimento da Dilmanta. Nos anos setenta/oitenta, eram chamados de brasilianistas. Deram tanto palpite errado que sumiram, perderam a alcunha.

Na cabeça dessa gente não passa que o Brasil não se enquadra na forma deles. Aqui não tem cabresto e quando aqui chegaram, vestidos até os furos, os índios andavam nus e viviam na idade da pedra. Desde então esforçam-se em nos domar, querendo vestir roupa, impor costumes  e obedecer horário. Na prática e no sentido figurado.

Agora debocham da composição da Câmara dos Deputados. Dizem que tem de tudo, de ladrão a assassino, inclusive palhaço.
Se lá, durante séculos, mataram ou chutaram para fora seus criminosos, pobretões, enjeitados, discriminados e defeituosos de toda natureza, aqui foram recebidos. Descendemos dessa gente. Aqui não tem santo. Aqui a cobra fuma. Aqui está o futuro, contado a partir de 1809, quando o Brasil serviu para acoitar monarca, fugindo de uma das eternas guerras zoropéias. Portanto, dobrem a língua. Vão estudar! É nóis!

No Brasil, mal ou bem , enquanto não houver sentença definitiva a pessoa pode exercer suas funções. Nem sempre uma pessoa processada é, na verdade, culpada. Na política muitos inimigos usam dessa arma como forma de agir. Muitos equívocos passam pelos tribunais com ações propostas por gente raivosa.
O Congresso Nacional representa o povo brasileiro em todas as suas gamas e isso é muito bom. Pior seria se semi analfabeto só votasse em doutor e negro votasse somente em branco. Já bastam as mulheres que não votam em mulheres e, reparando bem, não tem o número de negros correspondente ao percentual nacional. Europeu não tem cacife para julgar nada do Brasil enquanto seus congressistas reunirem-se para dar aval a invasões em terras estranhas porque são invadidos por terroristas, atrás de vingança.E, em pleno Século XXI.

Essa gente branca que safou-se da miséria porque seus antepassados foram recebidos na América de braços abertos e tentam construir uma civilização nova, sem guerras e perseguições, precisa olhar o Brasil de binóculo. 

Senão, perguntem a Jean Charles de Menezes o que ele pensa sobre os zoropeus.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Obra prima não vai pro lixo

Coração Selvagem/ Eduardo Palomo e Edith Gonsalez
                       

Como é difícil gostar de uma novela!  Definitivamente não gosto do gênero. No fundo é um xarope muito grande. As cenas românticas precisam ser muito bem escritas para passar a mensagem. Os atores precisam estar em sintonia para não beirar o ridículo. Não se pode ter a sensação de ouvir o diretor gritar: - Gravando!

Estou vendo a novela Sila, na Band, mas aos trancos e barrancos. Novelinha feita para os turcos mas que ganhou o mundo. O mistério é a beleza superlativa, o charme e a presença do ator que , por isso mesmo, comeu a novela, deixando a protagonista comendo poeira. E, arrastando audiência por todo o mundo. De ponta a ponta. Só na América latina está passando do México à Argentina.

A história é cheia de furos e  o povo com graves problemas sexuais. Não tem beijos nem nas horas mais importantes e relação sexual é tratada como imolação feminina para algum deus pagão.Os homens são uns paspalhos que, ou matam e espancam as mulheres, senão violentam no leito conjugal  ou submetem-se, beirando à subserviência dos amores imbecis.As mulheres? Tentam sobreviver. Os diálogos não correspondem ao original em versão equivocada. A direção, esforçada, arrasta poucos atores ótimos, entre outros meramente administrativos. A dublagem é dublagem e nada mais; vozes reconhecidas em vários filmes.

Pelo que se nota, os turcos tem tipo padrão. Mal comparando, parece japonês com seu tipo em linha de produção. Quando a natureza, por algum motivo insondável, faz uma combinação mais esmerada dos traços comuns, aparece uma pessoa que sobressai, tornando-se definitivo. É o caso de Mehmet Akif Alakurt. Na novela é belíssimo mas ela tem dez anos e hoje ele está um pouco desgastado. Talvez  mais do que deveria. Meus filhos tem a mesma idade e  parecem  mais novos. Talvez porque não bebam nem fumem e o ator aparece com cigarro em todas as fotos. Deve fumar que nem uma chaminé. Tanta beleza e cheirando a cigarro! Em uma foto aparece bem, em outra nem tanto. Parece que não tem vaidade, todo esculhambado e há três anos não faz uma novela. Não quer nem ouvir falar em fazer novela. Tá cansado de ser bonito. Uia !
Na aparência, cada dia mais turco que nunca, pelos negros, barba máquina dois, sobrancelhas negras e fechadas, dentes com leve defeito mas também padrão.  Os outros mostram a aparência herdada da dominação dos franceses com seus olhos claros, peles transparentes de tão brancos. Mas também são padronizados. Nada como o leque dos tipos físicos brasileiros,

Agora que eu estou no capítulo 42 e a história vai estabilizar nos confrontos  das disputas entre mocinhos e vilões, saindo da xaropada, vou insistir. No horário não tem mais nada e eu fico na rede, dedos no celular, interagindo no Face.Vou continuar gravando porque, no futuro posso escolher qual  capítulo quero ver. Não custa nada, é só ir no site da Band baixar e gravar. Comecei e vou até o fim. Mesmo porque não vou abandonar uma figura ímpar como MAA que, talvez, nunca mais vejamos em outro trabalho. Caiu aqui no Brasil por nossa sorte e a Band transmitir.

Então, a novela Coração Selvagem, com Eduardo Palomo, mexicana, versão dos anos noventa, ( Fizeram outras três versões, todas foram para o lixo) continua imbatível do começo ao fim. Sem erro, sem ser xaropada e com atores em completa harmonia, direção sem defeito, inclusive a direção de câmera. Obra prima não sai de moda e nem vai pro lixo da história.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Putas da classe média

Minha família/Anos 80. A única pessoa que podia mandar em mim e nunca o fez.
                            

Eu já fui presidente de um grupo popular feminista. Nossa força era muito grande. Anos oitenta. Vitória/ES.
Toda reunião, aceclas do PT e PC do B apareciam, querendo nos direcionar. Tentaram de um tudo (Como se fala por aqui). Por fim, nos cercaram num churrasco e um deles (Laerte, que morreu de tanto cheirar cocaína) aproximou-se do nosso grupo, reunido em várias mesas, e perguntou  a mim:
- Você é a ...   Bizzotto / ( Meu nome completo)
- Sim...
A tal da Bizzotto ?
-Sim ...
Então, aproximou-se de dedo em riste e berrou:
- Putas da classe média! Qual o partido político das putas da classe média?
Respondi:
-Nenhum. E, o seu?
- PC do B
Eu disse:
- Aquele partidinho que quer entregar o Brasil pra Albânia ?!


Foi então que ele partiu pra cima de mim, furibundo, gritando puta da classe média,  derrubou a mesa. Eu levantei rápido, dei um salto pra trás.Ele tropeçou na minha cadeira e caiu no chão.
Eu abri os braços, para conter a possível debandada   e falei pro meu pessoal, (todas de pe', apavoradas pois caiu tudo no chão, quebrou, espalhou, bagunça total)
- Ninguém se move. Deixa ele levantar sozinho.
Ele continuou gritando e esperneando, caído no chão.


Resumindo :Vieram os seguranças e o colocaram pra fora.
Detalhe, o churrasco era promovido pela mulher do governador, que estava presente, em um sábado à tarde, para angariar dinheiro para a caridade.


São bandidos há muito tempo, pois com isso muitas desistiram de continuar. Chegaram em casa, contaram para os  maridos, já  relutantes com a participação delas em grupo feminista. Tinha sido uma luta, há trinta anos atrás, convencer os maridos que o movimento não era contra os homens e muito menos contra eles mas uma luta por  direitos iguais, para as filhas , para o futuro.


Para quem não sabe como o Brasil evoluiu, nasceram os direitos iguais, foi muita luta, muito desgaste. É verdade que as feministas desgarraram do movimento inicial, tornaram-se mais agressivas, deixando-se levar por equívocos. Por isso mesmo, deixei tudo de lado. Com a Constituição de 88, nossos objetivos foram atingidos. O resto virou briga pessoal e eu considero que a política não é isso. 

domingo, 15 de maio de 2016

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Dilma, a vergonha

                                     
                                 

A presidenta Dilma foi afastada como era o esperado. Mas não vai arredar pé do Palácio do Planalto durante os seis meses de licenciamento.Vai usufruir das mordomias e fazer, da casa pública, uma sede de sindicato pessoal, cercada de panfleteiros e terroristas.Inclusive com cartazes improvisados em continuidade aos absurdos, da terrorista que emergiu afinal. Sua cara envelheceu décadas, sem a máscara.

O presidente da república é um cargo onde um líder coroa sua trajetória política. O Velhaco, orgulhoso de nunca ter lido nada em toda a sua vida, pensou que inventava a roda. Indicou o menos corrupto mas o mais subserviente neófito do partido.

Ora, a  trajetória política da primeira mulher a ocupar cargo desse porte, sempre foi pau mandado de alguém.Como guerrilheira, cumpria ordens urdidas por algum homem, seu superior hierárquico que a mandava matar, explodir, invadir. E, cumpriu todas. Nunca foi torturada mas mandaram que dissesse sim e ela o fez.

Burra e ignorante como dizem, ela não é. Ela é minha contemporânea de Belo Horizonte. Morava em uma mansão em bairro vizinho ao meu. Eu morava no Sion e ela no São Pedro. É só atravessar a BR 03.Estudou no Colégio Sion, top de linha para as moças endinheiradas.Foi colega de sala da minha prima da mesma idade, reduto rico da família.Ia fazer trabalhos de grupo, na casa da Tia Dirte, na Rua Grão Mogol, no Carmo, quase o mesmo Bairro Sion. Depois estudou no Colégio Estadual, no Bairro Santo Antônio , adiante,vizinho ao São Pedro, sabidamente o melhor colégio para os rapazes, emparelhando com o Instituto de Educação que o era para as moças. Ela fez o científico porque era misto. Depois fez Faculdade de Economia, da Universidade Federal de Minas Gerais, na rua Curitiba. Era um vestibular muito difícil, reduto da esquerda estudantil porque funcionava, também, a Faculdade de Sociologia. Foi aí que, como pau mandado acabou aderindo totalmente à política vermelha porque começou namoro com um chefete. O Colégio estadual já tinha uns movimentos mas eram de estudantes iniciantes na baderna, e, ela já aderiu.

Se ela tivesse rompido com o Velhaco, teria salvo sua cabeça mas talvez por ter participado das falcatruas, inclusive da Petrobrás quando trabalhou lá, manteve-se, firme, no lugar.

O fato é que acabou caindo mas não terminou o estrago. E, faz-me lembrar que Collor renunciou, evitando terra destruída. Isso foi fundamental para o Brasil dar um salto para o Plano Real e o desenvolvimento, agora destruído por essa malta de fanáticos.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Chaves e chaveiros

Porta-chaves recebido de Maceió/AL, Os furos foram feitos por um inquilino em sua manifestação de genialidade.
                                                            

Sempre me dei mal com as chaves. Deve ser manifestação do meu inconsciente. Considero a chave uma das maiores afrontas à pessoa de bem. Ela foi criada para proteger os mansos dos bestiais. Os honestos da malandragem e da esperteza. Quanto mais os espertalhões avançam mais a necessidade de chaves complexas ser criadas.
Eu tenho a convicção absoluta que bandido que gera filmes, novelas, livros criados por pseudos boa gente, deviam receber direitos autorais. Não é justo que roteiristas, escritores e atores se locupletem da bandidagem para ficar milionários e posarem com destaque. Enquanto recebem loas, por difundir práticas criminosas, seus autores apodrecem na cadeia sem receber nada. Que fossem suas famílias porque se merecem marcação nas letras e artes, merecem ser pagos por isso.

Mais uma vez perdi meu molho de chaves.Não sei quantos já perdi. Quando solteira, papai me tirou as chaves de casa porque eu saía e, ao voltar, fechava a porta e deixava a chave de fora. Durante o dia ainda passava mas ele não perdoou quando fiz isso de madrugada. Daí pra frente se eu chegasse depois da meia noite, ficava esperando o dia clarear, sentada na cadeira da varanda. Não me corrigi. Tive essa prática por diversas vezes durante toda a minha vida. Por mais que eu foque nelas quando saio,  ainda continuo errando. Inclusive não carrego juntas as chaves da porta da frente com as dos portões da entrada, as do carro vão em separado, as de trás formam outro molho. Como manipulo as do quintal com mais frequência já perdi umas quatro vezes desde que vim morar nessa casa. Tenho boa memória mas quando se trata de chaves não sei onde deixei e Maurício, coitado, tem uma paciência infinita e a bondade herdada do pai, em ajudar-me a corrigir meus erros.Nem o porta chaves que recebi de presente de um blogueiro, sumido, de Maceió / AL deu solução para minha incapacidade. Fico arrasada quando isso acontece.

Nota: Vendo essa foto tive uma ideia. Vou mudar de lugar o objeto e tentar colocar para esconder os furos.

terça-feira, 10 de maio de 2016

O ataque da ditadura do proletariado

Deputados federais. Momento do anúncio da anulação.Turma da ditadura do proletariado.
                                

Todos sabem que o deputado federal pelo Maranhão, Waldir Maranhão, em exercício na presidência da Câmara Federal, cometeu a insanidade de anular o processo de impeachmet da presidenta Dilma. Mesmo tendo,o processo, findo, acabado, enviado para o Senado, recebido por seu presidente, marcada a data de votação e definida a forma de votação. Isto é,todo o tramite finalizado e transitado conforme a lei.

O pessoal do Face, os jornalistas pé de chinelo entraram em pânico.Os movimentos populares, com seus líderes se dando de salvadores da pátria, convocaram passeatas em protesto. Achei interessante, porque diziam que o impeachment era obra deles!

Eu pensei que algum advogado partidário iria ingressar com alguma medida judicial, talvez um Mandado de Segurança, pois o ato era ilegal. Mas algum assessor teve uma ideia brilhante, lá dentro do Senado e encontrou o presidente da casa, notoriamente corajoso à psicopatia, que o colocou em prática.
Para todo ato jurídico existe um prazo. Vencido esse prazo não cabe medida judicial. ( Em resumo). A aprovação de encaminhamento para o senado do processo de impeachment da Dilma já  havia sido cumprido e recebido por este. Portanto, havia ato jurídico perfeito e o ato que o anula, fora do prazo, é nulo, não tem valor, efeito jurídico.

Para surpresa de todos e deixando Renan Calheiros, presidente do Senado ficar para a história, ele ignorou a anulação da Câmara e deu prosseguimento ao impeachment,marcando data para votação, quarta -feira.Considerou precluso o prazo para qualquer recurso.


Os senadores petralhas, todos com processo de falcatruas nas costas, viraram bicho.Partiram pra cima do Renan aos berros e dedos em riste. Mas ele, impassível manteve a data.

Esse país precisa ser estudado pelo maiores filósofos da história, os atuais e os passados, levantados de suas tumbas. Nunca dantes, na história da humanidade, ninguém viu um país como o Brasil. Mas uma coisa não mudou e honra seja feita, comunista é muito burro.

A piada continua: KLIKA

domingo, 8 de maio de 2016

Dame veneno



Se não fosse espanhol seria nada mais!
Mas que é bom, isso é !
Viva a Espanha ! Olé!

Interessante: KLIKA

Filhote do Chefe Boran

                                     
Eu contei que Chefe Boran apareceu com dois filhotes nas costas. (AQUI). 20 de fevereiro!  Muito grandes, logo foram incentivados a pular de galho em galho. Choraram muito mas nenhum dos outros quis ajudar o pai. Acho que já foram desmamados porque comem a banana. Ainda tem dificuldade de morder a banana e eu corto pedacinhos e dou na boquinha. São mais bonitos que os do segundo semestre do ano passado. 

Vou colocar os nomes de R e C, em homenagem a Roberto Carlos. Ainda não dá para saber o sexo porque não tem a mancha na testa.
Como são gêmeos univitelinos, Maurício conseguiu tirar essa foto maravilhosa quando um deles estava comendo comigo na amoreira.

Como funcionam as lideranças petistas

- Pode haver duas pessoas mais diferentes? Essa barba, arruivada, Eldes deixou crescer, só para ver a minha reação mas tirou antes de voltar para Vitória. 1971
                     
Eu era Chefe do Setor Jurídico, contencioso, de uma autarquia estadual do ES. O cargo é comissionado. Havia ( E, ainda há ) uma associação de funcionários ligada à CUT e, consequentemente o PT.
Os princípios da existência de cargo comissionado - direito administrativo -  é porque o  executivo precisa ter uma pessoa de sua confiança e deve ser preenchido por quem tenha condições de exercê-lo com capacidade de fazer mudanças necessárias e incrementar as ações sem ter os privilégios legais dos concursados. Seus vencimentos são fixos e não há parcelas trabalhistas quando exonerado do cargo. Se ocupado por efetivo, este recebe um percentual a mais que, depois de dois anos, incorpora o salário. O advogado não tem contato com o público, não participa das práticas do dia a dia do funcionamento do órgão.

Toda vez que havia greve na autarquia o Diretor Geral contratava advogado de fora para atuar. Quando chegou a minha vez eu disse ao DG que não precisava gastar dinheiro com advogado porque já tinha um. Estourou a greve com toda a bandalha petista, fazendo festa na porta da autarquia.
Os advogados do setor jurídico despareceram. Ficaram em casa e abandonaram os processos com seus prazos , defesas e audiências.
A primeira coisa que eu fiz foi levar os processos na casa dos advogados para eles elaborarem suas peças, fazer as audiências. Para um que disse não ter máquina de datilografia, levei a minha.

Ao entrar no prédio da entidade, encontrei um grupo, barrando a entrada. O DG, já estava lá dentro.Madrugou para não ser linchado ( Ele mesmo me disse ).Fui entrando, como se não soubesse de nada e o presidente da associação partiu pra cima de mim.Ficou cara a cara mas eu continuei andando em direção à escada de acesso ao prédio. Enquanto eu andava, e,  ele colado em mim, andava de costas. Eu fui fazendo pressão em seu peito com a ponta dos dedos para ele não me peitar de fato.Enquanto ele, furibundo, vociferava eu não ouvia o que falava. Ele não fazia ideia mas eu pensava que ele era muito fofo, diferente dos homens que eu conhecia que eram todos com bons músculos peitorais.( Cada coisa! )

Ao que eu atingi a metade da escada, que tinha o corrimão livre para se ver a entrada, com o bando petista gritando, batendo palmas com palavras de ordem,insinuando que eu era homem, eu parei  no meio da escada e os encarei. Surpresos, fizeram silêncio. E eu disse, em voz alta, que a ofensa feita a mim  seria o preço do final da greve.Que eu iria acabar com a greve deles. A gritaria foi tão grande que a imprensa noticiou, dizendo que eu pagara o preço por ser fura-greve. Jornalista é o povo mais ignorante do planeta e não sabe nada de nada. 
Quando cheguei no topo da escada, minha adrenalina estava a mil. Pensei que ia ter um infarte. Mas meu temperamento é o bicho. Ali, de supetão, tive  a forma de como acabaria com a greve. Fui ao DG, ele estava apreensivo comigo, muito nervoso. Ele também era advogado, depois foi promotor de justiça. Disse a ele para me dar uma procuração para impetrar um Habeas Corpus para eu poder exercer meu direito legal de ir e vir, de trabalhar. Na hora, ele deu duas procurações, uma para mim e outra para todos os comissionados. Enquanto eu redigia a petição, ele mandou tirar fotos do pessoal na porta e de um portão com um cadeado ( que não tinha nada a ver com nada) para integrar o pedido.

Tive sorte pois o HC foi distribuído para a Vara Criminal , cujos juiz e promotor foram também advogados, junto comigo, em um escritório onde trabalhei quando cheguei em Vitória/ES. Eles adoraram, ambos haviam sido advogados combativos.Voltei para a autarquia com o mandado nas mãos. Passei antes na delegacia, no mesmo quarteirão, expliquei pro delegado a situação e ele mandou um PM me acompanhar. Pedi ao PM para ficar no portão e só agir ao meu sinal, se fosse necessário.
Quando entrei, a malta partiu pra cima de mim aos gritos de pega pega o sapatão. Vi , de soslaio na minha visão periférica, a farda cinza do PM ao meu lado mas ele não fez nada.Não posso descrever o meu sentimento de vitória, quando levantei o papel   e disse: -Tenho ordem judicial. Está aqui a cópia.(Entreguei para o primeiro que vi na minha frente). Quem tocar em mim, vai preso. Como se fosse uma bomba eles calaram e recuaram.Subi com a gritaria atrás de mim.
Resumindo, impetrei HC para todos os comissionados, consegui uma ordem de desobstrução da entrada, deu no jornal, com o nome dos juiz e promotor, o meu e todo um texto arrasador. Eles mandaram um dos membros da associação conversar comigo na minha sala.Então, argumentei com ele que estavam usando uma forma ultrapassada de reivindicar aumento de salário, que eu não era funcionário de linha de frente mas advogado, que eles deixaram passar oficial de justiça e as publicações no Diário da Justiça continuavam, que a entidade e o dinheiro do povo estavam em primeiro lugar, que éramos funcionários de órgão público. Blá, blá, blá? A greve acabou e eu falei ao DG que o pedido de aumento era justo, negociou com o presidente da associação numa boa e o aumento foi dado. O meu cargo teve um aumento muito maior, eles tiveram um ataque mas o governador não cedeu.

Estou relatando isso porque uma amiga de blogue e Face me pediu que eu fosse contando minha peripécias políticas. Essa é pinto perto de outras. Nessa época, Eldes já tinha morrido e algumas unhas da onça já tinham caído.

No Brasil não se pode ter medo de nada.Ainda mais que essa gente não espera reação e recua quando encontra. E, o prazer de ferrar essa gente? Não tem preço.



sábado, 7 de maio de 2016

Os sons da nossa língua

                                       
Não tenho bom ouvido para a música mas sei distinguir os sotaques por mais leve que o seja.

O meu sotaque é de Belo Horizonte. Mesmo estando longe há décadas reconheço-o em qualquer lugar. Na música ele está em todos os cantores locais. Mas o mais parecido com o meu é de Eduardo Costa. Desde que eu ouvi sua voz, em um carro que passava, minhas antenas ligaram-se. Não importa o sentido da letra do que ele canta mas do sibilar dos esses, dos erres, das vogais ao final das palavras, dos sons anasalados.  Afinal,ouvimos música estrangeira sem entender nada mas apenas pelo som da voz e do reboar das letras.

Saudades de Belo Horizonte, do seu clima, das suas árvores, da forma como seus habitantes se portam. Do seu sotaque, do perfume dos manacás. Da ânsia em aprender dos mineiros. Da discrição em não fazer perguntas. Das artes, da música, dos barzinhos . Das montanhas.
Se fosse hoje, e sabendo o que eu sei agora, não sairia de lá. Não me mudaria para essa terra inóspita, feia e com um povo duro, ignorante   e perverso. Não me canso de interrogar a mim mesma, o quanto eu amei um homem que me fez deixar Belo Horizonte/MG e vir para Vitória/ES. Não consigo entender. E, afinal fiquei sozinha. Não valeu a pena...

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Homem, use a testosterona a seu favor

                    

O casamento foi uma composição encontrada para garantir o reconhecimento da paternidade e a proteção à propriedade privada. Também foi a saída para regular as relações sexuais e manter a rédea curta sobre a esbórnia. Como consequência, não faltou oportunismo quando os homens criaram as religiões e colocaram rédea de controle máximo sobre as mulheres.


O mundo cresceu, a roda da história rodou, jogando sangue para todos os lados, extermínios de povos, culturas, idiomas onde prevaleceu o mais forte.  Os comunistas costumam dizer que a história foi escrita pelos vitoriosos.
Enquanto isso, as mulheres foram parindo aos borbotões e homens caindo fora quando não lhes interessava assumir o resultado da festa. Para evitar a fuga ou o sustento da prole sobrevivente, as mulheres deixaram-se humilhar e sujeitaram-se a muita violência. Inclusive viver sob a batuta do provedor sem ter nenhuma saída.

Então surgiram, no século vinte, a alforria da mulher: A pílula anticoncepcional feminina e a composição do DNA. Duas chaves para a porta da liberdade da mulher. 
A mudança e a sensação  foram  tão grandes que, passados décadas, mulheres ainda abusam do poder de controle e os homens continuam como baratas tontas.

O abuso feminino não é universal. É privilégio daquelas, ainda criadas para usar os símbolos femininos como armas  em revanche esquizofrênica. Vou deixar de lado análises históricas ou freudianas.

Quero pautar a reação masculina, surgida nos últimos anos, para exercer o seu papel de pai, roubado do homem sempre visto como provedor. A mulher, dizendo-se dona do seu corpo, estendeu para o filho o sentimento de posse sobre as coisas que produz. O homem ficou privado de participar da vida e influenciar na criação de seus filhos. Apenas sobrou-lhe, afetivamente, o direito de visitas uma vez ou outra. A mulher traída ou alijada restou denegrir ao grau máximo a figura paterna. O resultado foram filhos problemáticos, rebeldes mais que nunca, aumento da criminalidade e pessoas com desvio no inconsciente mal formado. Malucos demais pela ausência da figura masculina na formação do indivíduo.

Como consequência, o estado passou a intervir, criando leis para resguardar a paternidade, o direito dos pais para além de provedor: Regulação dos direitos de visita, licença paternidade, criminalização da alienação parental com a perda de direitos por aquele que influenciar o filho contra um ou outro. Por final, foi criada a guarda compartilhada que restaurou o direito do pai em participar na educação dos filhos. 

Entretanto, no Brasil, a malta de juízes boçais é bem maior do que os prontos para reconhecer que o pai não é um criminoso como apresentam as mulheres rejeitadas ou traídas, cheias de ódio feminino e propensas a exercer o treinamento ministrado durante toda sua vida; o exagero, superlativo, do instinto materno.

Para fazer valer seus direitos os pais uniram-se em associações e até passeata fazem para que a justiça nacional deixe de tratar a mulher como uma bestunta, uma coitadinha necessitada da proteção de um estado intervencionista e eles como trogloditas sempre prontos à violência contra suas ex adversas.

Hoje não existe mulher boba. Essa figura não existe sequer nas novelas água com açúcar. Mulher é bicho ladino que buscou modos e formas para ser protegida das reações da testosterona e deixou os homens comendo poeira. Com o tempo o homem  deixará de pagar o preço por depender da mulher para ser pai muito mais do que a mulher para ser mãe.

Quer conhecer a página contra a alienação parental e a favor da Guarda Compartilhada? Então, KLIKA. Faça bom proveito dela.



quinta-feira, 5 de maio de 2016

Filosofia barata

                                       


Esse país deveria ser estudado pelos maiores e melhores pensadores da humanidade. Alguns deveriam ser levantados de suas tumbas para, em mesa redonda, dizer como é que é...

Darcy Ribeiro escreveu e disse que o Brasil era o único na história, pelas sua formação, reação e construção de nação. Tudo novidade, sem referência ou cópia do que já houvera. Começo a  dar-lhe razão.
Quem pira, são os que decoraram catecismo alienígena com cartilha de como foi feito e o que copiar. Mesmo que com derramamento de sangue. 

Em vez de repetir o que já foi, melhor arregalar os olhos e assistir a história, acontecendo na nossa frente.

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Condor


                             

Não é raro envelhecer e ficar cheio de dores nas juntas. As charges mostram os velhos capengando. Tem um bloco de carnaval em Guarapari com o nome de Condor. OH!

Pois chegou a minha vez. Talvez por excesso de exercícios físicos nas academia ou por genética, pensei que ia acabar na cadeira de rodas. O meu tendão de Aquiles estava me matando assim como meus tendões dos pés. Melhorava e piorava num alívio e dor. Além de um cansaço monstro e dor nas pernas. Fui ao médico, receitou isso e aquilo mas pouco efeito fez. Quase dois anos. Não voltei lá nem fiquei insistindo porque ninguém sabe nada, é tudo experimento.

Meu filho Marcus é um atleta e muito atento às baboseiras do corpo. E, pela profissão, tem que fazer exame físico de seis em seis meses. Para resumir: Numa dessas tomou conhecimento que as dores articulares e de coluna, artrite, gota , cansaço e o escambau é falta de magnésio no corpo.

Uma frasco custa dez reais. Resolvi tomar duas pitadas ao dia: Pela manhã em jejum e à tardinha. Como disseram, em dois dias minha dores sumiram completamente e estou andando normalmente, estou mais animada e voltei à academia de onde preferi me afastar um mês na tentativa de me sentir melhor.

Vou me privar de falar poucas e boas contra os médicos. Os farmacêuticos podem substituir muitas de  suas  práticas porque são eles que conhecem a composição dos remédios. E, o magnésio é produto natural , tirado da água do mar, sendo  excretado pela urina se estiver sobrando no organismo.

Quem estiver na mesma situação, vai por mim, e aproveite os tempos modernos.


segunda-feira, 2 de maio de 2016

Bebedouro no limoeiro do quintal

                                                                        
Meu vizinho fazia academia no mesmo horário que o meu. Anda sumido. Talvez esteja em sua fazenda no interior de São Paulo. Se fosse capixaba nunca teria conversado comigo pois não existe pessoa mais fechada do que os naturais do ES. Roberto Carlos é o mais proeminente e perfeito representante desse lugar. Quando falam que ele é arrogante porque  não libera publicação de sua biografia, respondo que só fala isso quem não conhece os costumes daqui. Ainda mais de Cachoeiro que se nomeiam a capital do mundo. São fechados, fechados, fechados, fechados. Já fiz teste em fila de banco: Se você puxar conversa e responderem com um grunhido é capixaba ( eu pergunto) mas se entabular conversa é de fora.

Pois bem, meu vizinho, quando estávamos fazendo esteira, deu a sugestão de eu colocar um bebedouro para os saguis. O calor intenso pressupunha muita sede nesses macaquinhos. Ainda mais que as piscinas foram cobertas por conta do  aedes aegypti. 

Aceitei a sugestão, cortei uma garrafa pet, na horizontal, amarrei no limoeiro e, a partir daí, troco a água toda manhã. Algumas vezes troco no começo da tarde porque o nível desce ou fica suja.
É que os saguis são os que menos tomam água. Os pequeninos talvez. Mas o número de pássaros tomando água e banho é grande. O dia todo. Até formiga toma água, borboleta. O gambá ou gambás, não sei, tomam banho à noite porque a água fica empoeirada. Apareceram outras espécies, um verdinho do tamanho de um garrincha, um branco e preto de perna fina. Marcus comentou que , ao virar e entrar  na rua,   é um impacto, pela quantidade de pássaros na grama, nas árvores, no mato, em volta da casa. A cantoria é grande e eu gravei mas não consegui passar do celular para cá. Vou pedir Maurício para me ajudar.

Eu, ainda comprei dois ninhos de madeira e estão na comunheira da varanda do segundo andar. Também amarrei a casinha de barro porque notei que não estavam fazendo ninho, não criam no mesmo ninho duas vezes e pensei em tapear-los, fingindo que era casinha nova e deu certo, tem ninho nela.


Meu vizinho me disse que passa por aqui. Então estou dando notícias que a sua sugestão deu certo, cem por cento.
                                     
                                      

O DNA de cada um

Papai com Fernando no colo, Mamãe e tia Lurdes
, Maria Inês à esquerda e eu, em frente à nossa casa em Belo Horizonte/MG. Os vestidos da vovó.
                     

Quando éramos crianças recebíamos qualquer presente sem reclamar. Se fosse algo comprado por papai ou mamãe não podia nem pestanejar. A mãe do papai, Vovó Umbelina, fazia roupa para nós, talvez porque teve oito filhos, e, mesmo uma marmota, usávamos. Nem notávamos se era feio ou bonito.
Eu penso que isso forjou nossa personalidade que não se verga às intempéries. 
Frases como,  menina cheia de vontades, cavalo dado não se olha os dentes, dinheiro não dá em árvores, pobre com tosse, não é filho de cego, se não estudar vai puxar carroça, se não quer passa a mão no chão e sai correndo, se tá com raiva tira as calças pela cabeça e pisa nelas, etc, fica introjetado no inconsciente e nos faz mais fortes para enfrentar as perdas, o que não podemos ter e os inimigos.

Minha neta é uma das cheias de vontades. Está com a mãe, filha de um bando de pobretões que ainda usam celular pré-pago, não tem casa própria, devem as calças, poupar não existe no seu dicionário e educam os filhos para a derrota. Os outros é que devem pagar suas contas e lhes dar moleza. Jamais agradecem o que recebem e , se bobear, roubam sua bolsa. E, não é figura de retórica.

Meu filho caiu na esparrela porque cometi um erro fundamental e crasso em sua educação: Jamais discriminei quem quer que fosse. Jamais falei mal de pessoas ou condições. Eduquei, na vã filosofia de que todos são iguais. E, não dei a ele o escudo para diferenciar os maus dos bons, os espertalhões dos generosos, as putas das mulheres de respeito. Aprendeu a duras penas. O erro foi meu e ele quem pagou. Agravado por ter puxado o pai, um homem generoso e manso. Caiu em uma armadilha e, só não pagou um preço maior, porque sou carne de pescoço. Bateu, levou. Gosto de briga, boas ou ruins. Pago para entrar em uma e pago para não sair. Nasci advogada. Hoje sou onça sem garras mas ainda estou atrás do toco pronta para dar o bote. Se ele fosse contratar advogado estaria morto. Não ficaria por menos de cinquenta mil reais. Não teria como pagar, seria subjugado. Sorte dele. Fiz de graça.

Pois a vagabunda está criando a filha da mesma forma como ela foi. Minha neta tem todos os requisitos para ser uma vitoriosa, mulher independente e livre mas presta atenção em aparências, tem medo de tudo,  torce o nariz para qualquer um e qualquer coisa que não seja cor-de-rosa e cheia de lantejoulas, sempre a espera que alguém faça o que é de sua obrigação. E, a mãe continua a fazer desaforos, exigências, estupidez para NÓS nos enquadramos em seu estilo, fudido, de vida. Ledo engano...

Marx tinha razão no confronto da luta de classes. Eu completo no choque cultural com pessoas que nunca leram um livro na vida. Jornal? Duvido. Revistas? Só se for Tititi. Música? Nunca ouviram falar de Chopin. Debussy? Deve ser veneno. E, Elvis é horrível.

Nesse embate, veremos qual será o caminho do DNA de Rafaela. A vida é um jogo.

Nota: Se klikar na foto, vai ver maior

domingo, 1 de maio de 2016

Novos líderes, a mudança

                              
                                           - Rafaela, posando para a vitória


Meu bisavô  Chico Leonel, era contador de causo, no século XIX. Para  quem não é mineiro, contador de causo é a pessoa que conta histórias em uma roda de ouvintes. Em um tempo sem rádio, televisão, telefone e internet , uma pessoa dessas , se fosse boa , ficava no centro da praça da cidade num exibir-se sem fim. Era brasileiro da gema.
Meu irmão Fernando, era excelente contador de causo. Era chamado para reuniões, comemorações de fim de ano, para contar seus causos. Não ganhou dinheiro e ficou famoso, assumindo os palcos, não sei por que. Muito melhor do que todos os famosos da vez. Seria o stand up de hoje.

Minha neta,Rafaela, filha de Marcus, oito anos, não herdou a aparência física de nossa família, mas tem o dom da fala. Desde pequena expressa-se com desenvoltura e gosta de contar seus causos. Quem não sabe da sua origem - e capixaba sequer sabe o que é jogar conversa fora -  acha que ela é mentirosa nas suas historinhas. Gosta de conversar e , se encontrar interlocutor, passa muito tempo falando pelos cotovelos.

Em nossas conversas, contou-me sobre as eleições do colégio para prefeito e dois vereadores de uma cidadezinha Vila Lândia. No desenrolar da conversa, que não durou uma encontro mas vários, eu fui perguntando e a incentivando para candidatar-se.
Este ano ela me disse que poderia concorrer porque estava no ano escolar permitido. Qual o cargo? Expliquei o que é vereador e prefeito. Ela disse que queria ser prefeita. Expliquei que um candidato precisava ter uma plano, uma plataforma de governo e que o melhor era fazer uma consulta aos eleitores. Ela voltou e disse que havia perguntado aos coleguinhas e que já tinha sua plataforma: Fazer um cercado no pátio, separando os pequeninos dos maiores, pintar os brinquedos que estavam muito sujos, trocar as gaiolas dos passarinhos por aquários porque passarinho não pode viver preso, colocar plantas perto das casinhas, colocar mesinhas com livros para os alunos lerem na hora do recreio ou quando esperam os pais para irem embora. Ótimo, agora tem que memorizar para levar ao conhecimento dos eleitores durante a campanha. Como os outros candidatos fazem santinhos e distribuem no pátio na hora do recreio ou nos corredores, sugeri que ela pedisse autorização para entrar nas salas e fazer sua fala. A diretora a autorizou  subir em um banco e falar na hora do recreio.
Para fazer sua chapa, eu disse a ela para convidar quem tinha voto, era conhecido por todos e uma boa figura. Ela, então, pasmem vocês, escolheu um ex prefeito e o menino da sala dela que só tira nota dez. Um menino bagunceiro quis ser o vereador mas ela não aceitou. Convenceu o coleguinha nota dez porque ele é tímido e relutou muito.

Nesse fim de semana, ela chegou toda feliz e disse para mim que tinha uma notícia que eu ia gostar : Ganhou as eleições.
Fiz uma festa, de coração, um auê total. Ela me disse que a avó materna telefonou para todos os parentes, contou para todo mundo a ponto dela ficar com vergonha. Eu disse a ela que não devia ter vergonha nenhuma mas ficar feliz porque político tem que ser conhecido. Que assim começa uma carreira política.

Eu fiquei mega feliz, pois sou líder natural mas papai me cortou sempre e sempre. Jamais me incentivou, pelo contrário, quando em sua família está cheio de grandes líderes inclusive participando de fundações de cidades em Minas Gerais. Tive uma trajetória medíocre como líder desde os oito anos. Mas, somente, porque liderança é impulso, fiz palanques, discursos, passeata, entrevistas, confrontos,  eleições e estou na placa de construção do Instituto dos Advogados Espiritosantenses ( um dia eu conto essa saga , fantástica).
Meu marido,  embora fosse uma pessoa calada e discretíssima era líder natural, tendo até nome de avenida no município da Serra/ES, nome do auditório  ( Como mudaram de sede não sei se permaneceu) do CREA/ ES, mesmo tendo morrido aos 42 anos. Meus dois filhos nunca aceitaram as minhas sugestões de participar de política e não são lideres em nada. Pelo contrário, tem aquele comportamento de torcer o nariz para qualquer participação em revindicações ou iniciativas de mudanças. Aquele discurso absurdo que não vai fazer diferença.

Então quero prestar a minha homenagem a Rafaela e  expressar minha satisfação em ver que ela me puxou em alguma coisa. Tomara Deus que ela desenvolva seu talento porque o Brasil precisa de novos lideres. E que eu esteja aqui para ver sua atuação.