quarta-feira, 2 de março de 2011

Mulher no poder



Com o mes de março, a data comemorativa do Dia da Mulher começa a ser lembrada. Eu nunca gostei desta data porque sempre pareceu coisa do sistema para engabelar trouxa. Mera comemoração sem muito resultado prático. Não concordo em que se faça um destaque para as mulheres quando todos são cidadãos do mundo e todos precisam da intervenção do estado, de um forma ou de outra.


Este ano as coisas começaram a mudar. A mulher eleita para o Poder Executivo não teve vergonha de mostrar que pretende destacar os reclamos feministas em todas as áreas. Isto deu coragem para outras mulheres enfrentarem o sistema e alcançarem cargos de destaque no Poder Legislativo.
Com o março, as mulheres uniram-se e desengavetaram projetos de mais de dez anos e conseguiram tê-los aprovados na Câmara Federal.

Um deles é o direito dos avós poderem visitar seus netos em caso de separação dos pais. Isso parece um absurdo mas trouxe à baila uma questão muito séria. Mostrou que existem mulheres, remando contra a maré do avanço pela igualdade de direitos e que ainda usam os filhos como arma de ataque contra os seus ex adversos familiares.


Outro projeto é a proibição de vistorias em mulheres nas fábricas ou presídios a não ser por mulheres. Parece piada haver necessidade de uma coisa tão óbvia e já prevista na Constituição. Como a lei magna só faz menção à questão foi preciso regulamentar , inclusive com multa por desobediência.

Não há dúvida que os projetos serão aprovados no Senado e, brevemente, teremos mais uma barreira derrubada para a harmonia da família e o fortalecimento das relações trabalhistas.

4 comentários:

Maria Inês disse...

Comemorar o dia da mulher? TODOS os dias temos notícias de mulheres agredidas : uma mulher é agredida a cada 6 minutos no mundo. Esta comemoração me parece com a pessoa que não toma banho e passa perfume para despistar a inhaca. Vamos ser realistas e parar de fazer do dia da mulher uma desculpa esfarrapada para que a consciência não precise fazer ginástica para fingir que nada está acontecendo. Estas comemorações me dão enjoo.

Lucimere disse...

Acho que se as leis vigentes fossem de fato observadas, não haveria necessidade de tantos projetos que cairão no igual desuso. Tudo deveria ser simplificado, até para poder ser melhor observado, mas o sistema não funciona diferente, né? pena! As "coisas" precisão ter a aparência de que estão sendo "vistas", estão sendo tomadas as providências;
A hipótese dos avós regulamentarem visitação aos seus netos não é coisa de agora e acho lamentável que a medida precise existir; A Justiça na vara de família pouco pode fazer nesses casos, em que as partes não tem a menor noção dos direitos indisponíveis dos seus filhos, pois existem meios de não se fazer cumprir a lei, a ordem judicial, adiando, adiando,e adiando; Sem falar que as medidas punitivas para esse fim, pouco inibem quem está com raiva e quer usar os filhos para infernizar a vida dos seus "acidentes"; Ai, qdo se vê o estrago na mente do filho foi feito, o tempo passou.
bjossss

J.F. disse...

Magui,
Esses "dias" especiais têm por finalidade duas coisas: a) beneficiar o comércio (Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia da Secretária - este pode ser utilizado, também, para uma "cantada" na própria, etc.), b) tentar mascarar a realidade (Dia da Mulher, Dia da Conciência Negra, etc.).
Esses "dias" de "mascaração" poderiam perfeitamente ficarem esquecidos se uma palavra fosse observada por todos (todos, meeesmooo!!!): RESPEITO.
É incrível que tenha que existir uma regulamentação para que mulheres sejam revistadas APENAS por mulheres. Isso não precisaria nem estar "escrito", se as pessoas usassem sempre do RESPEITO. Se houvesse RESPEITO, não tería ocorrido aquela cena ABSURDA e GROTESCA de uma policial (independentemente do fato de ela ter cometido ou não um delito) ser algemada e ter suas roupas arrancadas por um grupo de homens. E, para completar, a ação foi considerada normal e referendada por outra mulher!
E, outro absurdo, precisar de regulamentação para que avós possam ver os netos, utilizados como "armas" em casos de separação de casal. S´espero que essas regulamentações não fiquem esquecidas em alguma gaveta do Senado.
A humanidade progrediu em tantas coisas! Em outras, entretando, como no caso da condição da feminilidade de metade da raça humana, ainda estamos na Idade da Pedra.
Bom, na verdade, RESPEITO quase que é uma utopia, não é mesmo? Se o RESPEITO fosse a norma geral da conduta humana, o mundo, hoje, seria totalmente diferente.

Opa! Tem mais um tipo de "dia" especial que eu estava esquecendo e que é importante:
c) mostrar que um deputado, ou vereador, está atento e trabalha por seus eleitores: dia do taxidermista, dia do filatelista, dia do pescador... Será que já existe o Dia do Deputado? Se não existir, taí, de graça, uma sugestão para eles "mostrarem serviço", mais uma vez.
Abração.

miguel disse...

Todos os dias devem ser considerados dia da mulher. Essas maravilhosas privam-se praticamente de tudo em troca da atenção à casa, marido, filhos, e inúmeras vezes qdo a vida e o fervor do tempo as maltrata, são trocadas como se troca um carro velho e sem serventia. O episódio da investigadora me deixou simplesmente perplexo, não acreditei no que meus olhos viram, como homem abominei aquela atitude troglodita. Vamos a um campo de futebol e há filas distintas para a devida revista. Homens são revistados por PMs homens e mulheres em outra fila por PMs mulheres. Lamentável, ou melhor, nojenta e inqualificável a atitude daqueles policiais, que a meu ver, o objetivo não era apenas a revista, queriam é ver mais coisas. Meu beijo minha cara.