sábado, 11 de junho de 2011

Sujeiras nas correntes


Esta semana que passou foi muito para o meu espírito.  Não bastasse a patrulha que ronda todo blogueiro.  Querem nos enquadrar sem nos conhecerem , querem impor seus estilos e arrogâncias. Ainda mais se sequer frequentamos   seus blogues copiativos.  Geralmente é gente provinciana, oriunda de lugares pequenos, onde todos querem saber da vida dos outros e,  não conseguindo enquadrar  o bestunto,  o impositivo vai para a esquina falar mal do sujeito recalcitrante e orgulhar-se de carregar consigo as ovelhas sempre tangidas. Em vez de cuidar da própria vida,  não tira o olho da vida dos outros.

Não bastasse isto, a mídia dominante, de um lugar só, vincula vinte quatro horas por dia a miséria, o crime, a desgraça. São jornalistas que pinçam no mundo todo  qualquer desastre, qualquer coisa que possa provar por A mais B que o brasileiro é safado, vagabundo, ladrão, incompetente.Não acredito que, nestes lugares, todos sejam ineptos. Não é porque um pai joga a filha pela janela, um médico abusa de suas clientes e dá entrevistas, a justiça estadual não prende criminosos contumazes e cínicos  ou a produção de políticos corruptos nunca acabe, que  um país tão grande seja todo igual.

Não dá para abrir a internet e só ver notícias que desmoralizam o brasileiro. A quem interessa esta postura? Esta forma de ver a vida, sempre tentando desmoralizar tudo e todos interessa a alguém?  Pois que , por exemplo, nos EUA acontecem desgraças de toda ordem e quem falar mal deles nunca mais entra lá, negam o visto, são barrados para sempre. Mesmo quando, lá, um  programa de televisão faz piada com seus erros sempre tem uma alegria, um chiste e nunca um desmerecimento, uma negatividade. Outro exemplo é quando plataformas de petróleo desabam,  e não são poucas, contaminam a natureza, a forma de análise, de cobrança, é para evoluir e não para provar que são incompetentes. Deve ser por isto que são a maior nação do mundo. Decidem absurdos a ponto da topetuda secretária de estado ir para dentro da Síria dar palpites na queda do seu ditador e preparar o país sem ele mas a mídia nacional, hegemônica e burra, se  esquece de dizer o que sempre diz do seus nacionais.


Cansei, o povo brasileiro não é meia dúzia de gente ordinária com voz tonitroante,  com licença para verbalizar sua incapacidade de produção positiva.  Precisei de um  tempo para limpar estas desgraças, fazer faxina deste povo na minha mente. Não moro onde eles moram e , por aqui, as pessoas são civilizadas e ninguém se mete na vida alheia, ninguém vem nos dizer o que fazer  ou dizer. O Brasil tem muitos países  dentro dele e, quem mora na cloaca do Brasil que limpe suas sujeiras sem respingar nos outros, e, inclusive arraste suas correntes na pê que pê.




Um comentário:

Jota Effe Esse disse...

Disse muito bem, Magui, na p q p, que o Brasil, com seus prós e contras, é nosso e ningúem tasca. Meu beijo.