quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Um crime nauseabundo

                               
Nem sempre podemos considerar exageradas as transmissões, reportagens, artigos e manifestações sobre um crime brutal. O que fica pouco é não  atingir os crimes de todo o território nacional e focar em um só estado da federação. A repercussão nacional não deveria restringir  somente a eles mas , também, de outros estados. Alguns ficamos sabendo mas a maioria é do mesmo lugar.  Dá a impressão que só acontecem crimes hediondos no mesmo lugar mas não é verdade.

Esta semana um irmão ofereceu a outro, como presente de aniversário, em cidade do interior da  Paraiba, um estupro múltiplo. As vítimas eram suas amigas e irmã de um amigo. Elas foram atraídas para a festa , trancadas , espancadas e estupradas. Duas foram mortas.

A repercussão na mídia nacional foi pequena, quase nenhuma, quando o crime é muito maior, muito mais terrível, infinitamente mais hediondo que o Caso Eloá.

A imprensa , se quer ser considerada nacional, deve, precisa, urge dar notícias nas mesmas proporções que as de São Paulo. O contrário é regionalismo que importa , apenas, os locais.

Fazer alarde é uma forma de levantar o clamor popular, precionar o poder público, tentar frear o criminoso.Então, é de interesse público pois um crime atinge todo um povo, sua formação em seus costumes e  cultura. Brasil é um todo e a mulher brasileira, também, é a que vive no agreste nacional.


Não acredita? Então KLIKA
Piorou? Então klika


2 comentários:

Fábio Mayer disse...

Não sendo eixo Rio-SP, a imprensa brasileira tá se lixando pro resto!

É assim no futebol, na política, nas artes, etc... basicamente, para as grandes redes de TV que representam a maior parte da imprensa sob o ponto de vista do mercado, só existe Rio e SP no Brasil...

Engraçadinha disse...

Apavorante.
Twittei e te dei os créditos.