domingo, 1 de maio de 2016

Novos líderes, a mudança

                              
                                           - Rafaela, posando para a vitória


Meu bisavô  Chico Leonel, era contador de causo, no século XIX. Para  quem não é mineiro, contador de causo é a pessoa que conta histórias em uma roda de ouvintes. Em um tempo sem rádio, televisão, telefone e internet , uma pessoa dessas , se fosse boa , ficava no centro da praça da cidade num exibir-se sem fim. Era brasileiro da gema.
Meu irmão Fernando, era excelente contador de causo. Era chamado para reuniões, comemorações de fim de ano, para contar seus causos. Não ganhou dinheiro e ficou famoso, assumindo os palcos, não sei por que. Muito melhor do que todos os famosos da vez. Seria o stand up de hoje.

Minha neta,Rafaela, filha de Marcus, oito anos, não herdou a aparência física de nossa família, mas tem o dom da fala. Desde pequena expressa-se com desenvoltura e gosta de contar seus causos. Quem não sabe da sua origem - e capixaba sequer sabe o que é jogar conversa fora -  acha que ela é mentirosa nas suas historinhas. Gosta de conversar e , se encontrar interlocutor, passa muito tempo falando pelos cotovelos.

Em nossas conversas, contou-me sobre as eleições do colégio para prefeito e dois vereadores de uma cidadezinha Vila Lândia. No desenrolar da conversa, que não durou uma encontro mas vários, eu fui perguntando e a incentivando para candidatar-se.
Este ano ela me disse que poderia concorrer porque estava no ano escolar permitido. Qual o cargo? Expliquei o que é vereador e prefeito. Ela disse que queria ser prefeita. Expliquei que um candidato precisava ter uma plano, uma plataforma de governo e que o melhor era fazer uma consulta aos eleitores. Ela voltou e disse que havia perguntado aos coleguinhas e que já tinha sua plataforma: Fazer um cercado no pátio, separando os pequeninos dos maiores, pintar os brinquedos que estavam muito sujos, trocar as gaiolas dos passarinhos por aquários porque passarinho não pode viver preso, colocar plantas perto das casinhas, colocar mesinhas com livros para os alunos lerem na hora do recreio ou quando esperam os pais para irem embora. Ótimo, agora tem que memorizar para levar ao conhecimento dos eleitores durante a campanha. Como os outros candidatos fazem santinhos e distribuem no pátio na hora do recreio ou nos corredores, sugeri que ela pedisse autorização para entrar nas salas e fazer sua fala. A diretora a autorizou  subir em um banco e falar na hora do recreio.
Para fazer sua chapa, eu disse a ela para convidar quem tinha voto, era conhecido por todos e uma boa figura. Ela, então, pasmem vocês, escolheu um ex prefeito e o menino da sala dela que só tira nota dez. Um menino bagunceiro quis ser o vereador mas ela não aceitou. Convenceu o coleguinha nota dez porque ele é tímido e relutou muito.

Nesse fim de semana, ela chegou toda feliz e disse para mim que tinha uma notícia que eu ia gostar : Ganhou as eleições.
Fiz uma festa, de coração, um auê total. Ela me disse que a avó materna telefonou para todos os parentes, contou para todo mundo a ponto dela ficar com vergonha. Eu disse a ela que não devia ter vergonha nenhuma mas ficar feliz porque político tem que ser conhecido. Que assim começa uma carreira política.

Eu fiquei mega feliz, pois sou líder natural mas papai me cortou sempre e sempre. Jamais me incentivou, pelo contrário, quando em sua família está cheio de grandes líderes inclusive participando de fundações de cidades em Minas Gerais. Tive uma trajetória medíocre como líder desde os oito anos. Mas, somente, porque liderança é impulso, fiz palanques, discursos, passeata, entrevistas, confrontos,  eleições e estou na placa de construção do Instituto dos Advogados Espiritosantenses ( um dia eu conto essa saga , fantástica).
Meu marido,  embora fosse uma pessoa calada e discretíssima era líder natural, tendo até nome de avenida no município da Serra/ES, nome do auditório  ( Como mudaram de sede não sei se permaneceu) do CREA/ ES, mesmo tendo morrido aos 42 anos. Meus dois filhos nunca aceitaram as minhas sugestões de participar de política e não são lideres em nada. Pelo contrário, tem aquele comportamento de torcer o nariz para qualquer participação em revindicações ou iniciativas de mudanças. Aquele discurso absurdo que não vai fazer diferença.

Então quero prestar a minha homenagem a Rafaela e  expressar minha satisfação em ver que ela me puxou em alguma coisa. Tomara Deus que ela desenvolva seu talento porque o Brasil precisa de novos lideres. E que eu esteja aqui para ver sua atuação.

2 comentários:

Maria Inês disse...

Olá avó coruja , e com razão!!! Fiquei orgulhosa de ler sobre a sua neta. Estamos precisando de politizar nossas crianças de um modo sadio, ético e livre. Aos poucos vc pode ir conduzindo a formação desta futura prefeita. Parbéns!

Anônimo disse...

E estaremos aqui para votar e torcer por ela. Dê-lhe um beijo por mim e ao Marcus tb.