quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Chegar em frente sem olhar para trás

-  O jovem não  tem ideia do que será a sua vida
                               
O desastre, como foi a tragédia que vitimou tantas pessoas do mundo do futebol na madrugada de ontem, não acabou ali. O avião caindo e matando tantos homens jovens e em plena atividade, no começo da vida  pessoal e familiar, tem um pontapé inicial no desenrolar dos acontecimentos complicados e sofridos. Um avião cheio de homens que, com suas mortes, deixam mulheres viúvas e filhos órfãos vão trazer  consequências forjadas na força de vontade e ânimo forte dos sobreviventes.

Viver não é fácil e já dizia o poeta Gonçalves Dias em Y Juca Pirama: - Viver é luta renhida/ Viver é lutar/ que os fracos abate/ e os fortes só pode exaltar.

Quem consegue furar esse bloqueio não chega ileso do outro lado. O sofrimento pela tragédia  abala para sempre quem a viveu. Alguns conseguem seguir em frente mas a maioria sucumbe. E mais, quando o tempo passa e aplaina os fatos o sobrevivente não sabe como chegou ali. Não consegue sequer avaliar os estragos que foram deixados no corpo e na alma.

Por isso se pede respeito aos idosos. Não é porque está com o corpo velho pelo passar dos anos mas porque viveu tristezas, alegrias, sofrimentos, perdas, tragédias e sobreviveu. As marcas  podem estar no corpo e muitas ali estão mas as que ninguém vê não são menores. 

Portanto e para quem tem dificuldade em captar conceitos elaborados pela inteligência humana e permanecem em degraus menores da evolução de Darwin, aceitar as diferenças entre  jovens e velhos não é maquiar palavras nem tentar fazer desaparecer as rugas do tempo. 
Respeitar as pessoas mais velhas é entender que a vida não é fácil e viver muito é ultrapassar sofrimentos e alegrias diversas; é saber que a pessoa esteve no olho do furacão e conseguiu seguir em frente; que uma pessoa mais velha tem muito para contar mas preferiu não olhar para trás para não virar estátua de sal. 

Isso é leniência.Isso é ser sobrevivente. Isso é ser idoso.

Um comentário:

Carlos Emerson Junior disse...

Que belo texto, Magui! Parabéns.