quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Só por cima do meu cadáver

- Não sou eu mas merecia
                                        
         
Assédio sexual existe desde que me entendo por gente. Acho que  se for remover areias do fundo da memória, vou encontrar vestígios nada confessáveis. Nem sei se vale a pena. A não ser se for para demolir um tipo que aproveitou do seu poder para direcionar vocações e vidas como do produtor de Hollywood, Harvey Weinstein.

Quantas mulheres perderam seus empregos, chances  profissionais porque algum poderoso impediu ? Quantas tiveram atraso na vida por pressão e desrespeito? Muitos homens, também, sofreram desaforos e as marcas são tão qual nas mulheres. A vida não é fácil pra ninguém.

Não pensem que isso acontece somente no meio artístico. Quando os concursos públicos eram produzidos pelas próprias repartições, também havia o impedimento do acesso para as mulheres.
No concurso para juiz e promotor de justiça haviam provas orais onde a mulher era tratada de forma a perder o concurso ali mesmo. A pessoa entrava na sala sozinha com dois ou três examinadores e a arapuca estava formada. Dou como exemplo uma pergunta: - Você é virgem?

Eu fiz dois vestibulares para Direito na UFMG. Naquele tempo poucas mulheres faziam vestibular. Perdi o primeiro na prova oral de filosofia, feitas  somente para os que foram aprovados na escrita.
A sala estava abarrotada de vestibulandos. Eu era a única mulher. Quando fui chamada e levantei para fazer a prova a sala veio abaixo com gritos e apupos. O professor ainda fez uma piadinha e a sala estremeceu. Perdi o rumo e não consegui abrir a boca, entre tanto barulho e palavras de ordem, embora eu soubesse a matéria. Lembro-me que a pergunta era sobre o filósofo Cícero e sua influência no direito e na política. Eu sabia a resposta mas não consegui falar. Lembro-me que passei a mão na nuca e suava muito. Eu estava com um vestido cor de rosa que mamãe havia feito, de algodão grosso e tinha uma gola, acompanhando o decote redondo um pouco longe do pescoço. O professor ria, debochando mas não lembro do que falava, fazendo bulying, trocadilhos,  com o  meu nome.
Até hoje sinto raiva desse dia, meu coração aperta, por não ter conseguido vencer tamanho desafio que me atrasou um ano de vida. E, pelo vexame, que jurei nunca mais iria acontecer. Custasse o que custasse, ninguém jamais me faltaria com o respeito sem uma resposta a altura. Eu não tive nenhum apoio em casa para fazer o vestibular, era professora primária, alfabetizava crianças, vivia fora da violência do mundo, quase numa redoma. 
No entanto, aquilo deve ter repercutido, ou houveram outros casos, porque haviam dois outros professores na banca de exames e no outro ano, quando voltei a prestar vestibular, o exame foi a portas fechadas, só com o vestibulando e a banca examinadora.

Acho interessante quando vejo gente querendo faltar com o respeito, achando que vou recuar.  Nunca recuo, sou dura como aço  e esse dia marcou a minha vida para sempre.

Só para situar-se: KLIKA

Nenhum comentário: