sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Público somos todos

                                 

Um dos temas controversos é o abuso de autoridade. É muito difícil uma pessoa que é bem mandada, que aceita ordens e nasceu para ser liderada entender o que é abuso de autoridade. Pessoa que tem por lema  a absurda máxima " Manda quem pode e obedece quem tem juízo". Socorro!

A maioria das pessoas não sabe ter iniciativas, vira barata tonta se pressionada e precisa de uma voz comandando sua vida, suas ações. Sequer importa se quem lhe dá ordens é quem o prejudica pois não sabe dizer não ou, até, entender a distorção do que lhe obrigam. 
A maioria das pessoas é assim e prova disso é a ânsia em procurar um pai do povo, uma pessoa que vai resolver os problemas da nação, da cidade, do bairro, da rua, da sua casa. 
Um exemplo simples é gente que não consegue direcionar a sua vida privada e casa-se com outra, mantem o relacionamento mesmo que seja levado para a infelicidade. Precisa de alguém que decida por si mesmo. Necessita da autoridade de outrem para ser feliz mesmo que haja o abuso descarado. São os dominados e aceitam qualquer autoridade e  repudiam os diferentes, cunhando o defeito   " dificuldade em aceitar autoridade ". Caramba!

Portanto, como fazer entender a essa gente que uma autoridade passou dos limites do seu poder de decisão? Que as sutilezas do direito da  liberdade não admitem interferências que ultrapassam a autoridade e a lei ? 
Como explicar para pessoas que nasceram para obedecer que uma autoridade não tem poder sobre sua vida privada, sua intimidade do lar inviolável, seu direito de comunicação como pessoa livre? Que a interferência do estado não é infinita? Que ser cidadão não é ser escravo do estado e suas autoridades constituídas? Que ninguém é obrigado a fazer o que a lei não determina e que não pode prevalecer o estado policial ? Que o limite ultrapassado deve ser punido porque não existe autoridade livre, desimpedida e sobre a égide da hermenêutica?

Quero deixar claro para mim mesma que sei o que é autoridade e, por consequência, o que é abuso de autoridade. Sei que não quero ficar a mercê de qualquer autoridade constituída  que se arvore a fazer prevalecer sua vontade sem uma acusação onde haja o direito de defesa e provas claras da culpabilidade. Não aceito, em hipótese nenhuma, nem com revólver na cabeça que uma pessoa use seu poder para atazanar a vida de outrem sem que haja provas e não indícios ou palavra de dedo duro apontado para salvar a pele. Não aceito pé na porta ou algemas em acusados sem reação específica exercido por gente mascarada e armada até os dentes. Não admito grampos em telefones, sensores ou câmeras a não ser  para elucidar crimes conhecidos e bandidos declarados, por ordem judicial fundamentada e dentro dos princípios constitucionais que regem os atos públicos.

Não vivemos em uma monarquia onde o rei é a lei. Nem  aceito as vestais cheias de marra mas locupletando-se do seu cargo para fazer apropriação indébita do dinheiro público. Gente que considera-se líder sem que o cargo lhe permita, vestido com roupas estrangeiras e buscando aplausos em outras gentes sobre o que lhe  é obrigação funcional.

Devagar com o andor que o santo é de barro e se procurar muito não sobra ninguém. A vaidade em tumultuar a nação só leva à desgraça e à dor. Isso serve para todos que se julgam donos do Brasil e mostram a cara sem piscar os olhos, aproveitando da ânsia do povo brasileiro em ficar livres destes mesmos.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Formalidades a parte

                                
           
Devo estar mal da cabeça. Ou aderi aos pessimistas que veem defeito em tudo. Mas não achei nada bonita a festa do time colombiano em Medelin. Deviam estar de cabeça baixa porque o choro precisa vir acompanhado da vergonha.

O que aconteceu foi um absurdo. O avião caiu por falta de combustível. Certamente não voou pela primeira vez com o mesmo perigo iminente, sem cumprir as normas. Pois o que eu ouvi foram especialistas, dizendo  que os aviões caem porque normas são descumpridas. Que os sobreviventes estão vivos porque cumpriram as normas. Mantiveram-se  com cinto de segurança, abaixaram-se na cadeira em posição fetal e ficaram firmes. Não é pois coincidência os tripulantes vivos. Eles disseram que os jogadores levantaram-se e começaram a pular, aos gritos quando a luz apagou e o avião caiu.

Mas, se estavam sem combustível e não foi a primeira vez, alguém sabia dessa prática e não denunciou. A vergonha está aí, corrupção e pobreza de uma região que não se cansa de produzir gente sem vergonha, miserável na alma e no bolso. O proprietário do avião era o piloto, só tinha um avião e tentava sobreviver dando nó em pingo d'água. O espertinho dava-se de esperto e a casa caiu levando um time inteiro, jornalistas, técnicos de comunicação, radialistas, gente que ia para uma festa e voltou em um caixão.

O brasileiro é implacável consigo mesmo mas muito bonzinho com os estrangeiros. Alguém mencionou que a responsabilidade seria da ANAC porque é a instituição, que licencia voos fretados, negou licença para fretar avião saindo do Brasil. Este passaria pelos céus da Bolívia antes de chegar na Colômbia e isso foge ao direito de licença. São normas internacionais. Mas não tem uma voz exigindo inquérito para apurar responsabilidades. O avião saiu da Bolívia? Quem fiscaliza? Qual o procedimento? Quem sabia? Onde sabia? 
Os tripulantes sobreviventes não precisam descrever situação macabra ou de desespero mas contar porque ficaram calados enquanto o patrão sabotava vidas.

Não vi pedido de perdão no estádio e isso está faltando. O resto? É mera formalidade.

Atualizado ? KLIKA

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Passo atrás

                                   

                                      

Chegar em frente sem olhar para trás

-  O jovem não  tem ideia do que será a sua vida
                               
O desastre, como foi a tragédia que vitimou tantas pessoas do mundo do futebol na madrugada de ontem, não acabou ali. O avião caindo e matando tantos homens jovens e em plena atividade, no começo da vida  pessoal e familiar, tem um pontapé inicial no desenrolar dos acontecimentos complicados e sofridos. Um avião cheio de homens que, com suas mortes, deixam mulheres viúvas e filhos órfãos vão trazer  consequências forjadas na força de vontade e ânimo forte dos sobreviventes.

Viver não é fácil e já dizia o poeta Gonçalves Dias em Y Juca Pirama: - Viver é luta renhida/ Viver é lutar/ que os fracos abate/ e os fortes só pode exaltar.

Quem consegue furar esse bloqueio não chega ileso do outro lado. O sofrimento pela tragédia  abala para sempre quem a viveu. Alguns conseguem seguir em frente mas a maioria sucumbe. E mais, quando o tempo passa e aplaina os fatos o sobrevivente não sabe como chegou ali. Não consegue sequer avaliar os estragos que foram deixados no corpo e na alma.

Por isso se pede respeito aos idosos. Não é porque está com o corpo velho pelo passar dos anos mas porque viveu tristezas, alegrias, sofrimentos, perdas, tragédias e sobreviveu. As marcas  podem estar no corpo e muitas ali estão mas as que ninguém vê não são menores. 

Portanto e para quem tem dificuldade em captar conceitos elaborados pela inteligência humana e permanecem em degraus menores da evolução de Darwin, aceitar as diferenças entre  jovens e velhos não é maquiar palavras nem tentar fazer desaparecer as rugas do tempo. 
Respeitar as pessoas mais velhas é entender que a vida não é fácil e viver muito é ultrapassar sofrimentos e alegrias diversas; é saber que a pessoa esteve no olho do furacão e conseguiu seguir em frente; que uma pessoa mais velha tem muito para contar mas preferiu não olhar para trás para não virar estátua de sal. 

Isso é leniência.Isso é ser sobrevivente. Isso é ser idoso.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Sempre em frente

                                     
O que falta são líderes de boa cepa. A maioria espera que outro tome a iniciativa mas recua. A responsabilidade é do outro. 

Quando surge um líder que faz, geralmente por impulso, de forma que não pode controlar porque o líder faz o que tem que fazer, não é raro aparecer um medíocre para impedir ou para surfar na mesma onda como aproveitador.

Em um país tão grande como o Brasil, onde os simulacros de líderes não tem treinamento, cultura ou modelo é o bastante fazer suas próprias condutas e perderem-se em si mesmos. A certeza da ignorância de alguns seus seguidores, geralmente aproveitadores, tem feito o país pagar muito caro ao forjar lideranças espúrias.

Assim, estamos assistindo o que se passa com a liderança nos três poderes da nação. A maioria está perdida em si mesmo, sem compromisso com a história ou tentando fazer  a sua própria história pessoal. Ou quiçá e pior, são simulacros de lideres com metas e focos antagônicos ao que qualquer nação precisa.

Uma coisa é certa, muito lider de boa cepa não consegue furar o paredão de espertalhões, formando verdadeiras gangs, empacados no mesmo lugar, com a sanha de levar vantagem pessoal. E, desistem, fazendo a nação perder a chance de dar um salto a frente e sair das mãos dos sanguessugas.

Outros, tornam-se vítimas dos interesses inconfessáveis mas facilmente manipulados porque estão sozinhos na tentativa de ultrapassar a barreira que cerca os poderes da nação. Estes, perdem a vida, perdem a paz, tornam-se vítimas abandonadas quando são jogados aos lobos. 

Que seja escrita mais essa página da história do Brasil e que os lideres construtivos vençam. Que nunca recuem, que tenham bons seguidores e que o livre os traidores nefastos e indignos.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Exaustão

                         
Chegamos em um ponto na estrutura do estado brasileiro de aposta no quanto pior melhor entre os componentes dos poderes da nação, na hipótese da perda de seus privilégios contados desde a chegada de João VI ao Brasil.

Enquanto o povo trabalha, produz e segue sua vida, inclusive comemorando a vitória de seu time como campeão nacional de futebol, um grupo equivocado trama a queda das estruturas como se fosse um jogo de xadres. Joga-se o jogo mais sórdido da história do Brasil onde dedos duros levam vantagem e até querem loas por suas manifestações. Como se a lei fosse pretexto para pedir aplausos ou posar de herói porque abriu a Caixa de Pandora.

O jogo de egos, de interesses escusos, sem haver um interlocutor confiável como já foi em outros tempos, torna a política com o seu jogo pesado e autoridades medíocres, um ninho de baratas tontas trombando em si mesmas, subindo e caindo das paredes, disputando pedaços de lucros e dividendos no espaço do poder federal. Ou buscar popularidade na opinião pública e suas redes sociais. Puf!

Tudo se resume na prevalência de lideranças espúrias, nascidas, criadas, mantidas e impostas como consequências da ditadura que assolou esse país e que o cidadão comum ainda não se livrou. Este, pagou o preço de ser pano de fundo antes e paga o mesmo preço agora. Tudo nas mãos dos bestuntos de ontem que sobreviveram até hoje. Dos substitutos papagaios dos mesmos discursos, sem tática ou liderança pragmáticas, focadas no progresso nacional. É a mesma nota tocada como robôs do nada. O país não anda para frente.

E, nós brasileiros barrados no baile do poder e da abastança corrompida e maligna, no uso farto do dinheiro público, só nos livraremos com o tempo, tragando todos como é inexorável. Que ânsia desse dia!

A nação está exausta, não suporta tanta imundice moral vinda de todos na ânsia de seguir suas doenças mentais . Admito exceção mas não sei qual seria nesse jogo que aparece para o povo.

domingo, 27 de novembro de 2016

Juan del Diablo

                                  
Nesse mês de novembro marca mais um ano sem Eduardo Palomo, 2003, ator mexicano que atuou na melhor novela de todos os tempos: Coração Selvagem. Avaliação esta feita em todo o mundo. Tanto é que outras versões do texto, nenhuma prosperou e foram para o lixo.
Em entrevista, o diretor da novela disse que a criação foi toda do ator que deu uma versão própria, tornando o papel de protagonista irretocável: João do Diabo.

A verdade é que marcou tanto a vida profissional do ator que não conseguiu libertar-se de Juan.

Mudou-se para Los Angeles para  fazer carreira em Hollywood mas morreu de ataque cardíaco fulminante com quarenta e dois anos.

Fica minha homenagem ...

A Cuba o seu lugar

                                
Fidel e Guevara  formaram a coincidência histórica do encontro dos miseráveis. Mas Fidel foi mais prático e estava no seu lugar. Na terra de anões ele sobressaiu e conseguiu impor-se. Não é atoa que, dentre suas frases, a imposição de sua inteligência fazia recuar as cavalgaduras. 

Após a Segunda Grande Guerra, os EUA passaram a competir para obter a hegemonia, acossados pelo medo da bomba atômica, caindo dentro dos seus limites. Em simulacro de disputa de cuspe, os donos da Rússia e dos EUA fizeram muita gente pagar caro. Cuba foi a corda do Cabo de Guerra.

A roda da história não para. Enquanto Trump vai dar as cartas, morre Fidel. Não é difícil que Cuba entre para os rol definitivo dos países  nanicos onde é o seu lugar. No futuro, quando os cubanos contabilizarem eternamente suas mesmas derrotas pessoais, vão fazer como o Paraguai. Este país que não sai do lugar, coloca a responsabilidade da sua incapacidade de deixar de ser uma fazenda de meia dúzia, ainda lamentando o resultado da Guerra do Paraguai e endeusando seu caudilho Solano Lopes.

Depois, quando o estrangeiro olha de banda para os latinos americanos, espantam-se  com a sua capacidade de repetir erros e forjar lideres medíocres e instáveis, vocacionados para o autoritarismo, os conduzidos ofendem-se.

No Panteon das republiquetas latino americanas, Solano Lopes e Fidel Castro estarão no mesmo patamar. Tal qual os paraguaios responsabilizam o Brasil pela estagnação, os cubanos apontam para os EUA a responsabilidade por serem nada.

O ponto de exclamação diz tudo : -"Fidel Castro está morto!".


sábado, 26 de novembro de 2016

Esquecido num estalo

                                      
O frenesi continua. Fidel morto? Grandes coisas. O que esse cara aprontou na vida, o que matou e arrebentou com a vida das pessoas é um alívio morrer. Já vai tarde...

Uma pessoa cria uma teoria e resolve impor doa a quem doer. A história está cheia desse tipo de ditador, autoritário que manipula a verdade, impõe a povos e gentes suas idéias. A lista é grande.

Já é tempo da humanidade não aceitar mais esse tipo de verdugo. Com a desculpa de fazer justiça social sai matando mas transforma-se no que quer destruir. 

Vamos ver quanto tempo leva para não ser mais lembrado...

Não vai ser múmia

                      
Quando Fidel Castro derrubou o governo corrupto de Fulgêncio Batista em 1959 e  tirou Cuba das mão dos mafiosos dos USA, marcou para sempre a história da humanidade. As gerações atuais só podem avaliar os fatos e suas origens pelos livros de história. Como sempre, ficam as versões diversas, com as suas óticas e para quem quer tirar suas próprias conclusões. 

Naquela ocasião, eu cursava o ginásio no Instituto de Educação de Minas Gerais em Belo Horizonte e do meu lado sentava-se Maria Inês. Estávamos em plena puberdade. Não tínhamos muita intimidade fora da escola, ela nunca foi a minha casa mas eu fui várias vezes na casa dela. Inclusive por curiosidade porque era a mesma casa onde mamãe morou quando conheceu papai que morava na frente, na rua Ceará, 1015, Bairro dos Funcionários.
Ela tinha um irmão mais velho que era comunista e  lia livros que ele indicava e passava os nomes para mim. Eu era sócia da Biblioteca Pública, na Praça da Liberdade e tirava  os livros;          A Mãe de Goki, Judas o Obscuro de Thomas Hardy , Memórias de uma moça bem comportada de Simone de Bouvoir, etc e etc.
Nos horários vagos tínhamos boas conversas, a maioria sobre política mas a música também fazia parte. Ela tinha restrições a Elvis e dizia que ele era muito burro, era tal qual um cafajeste, era mulherengo demais e norte americano. Tudo que uma neo feminista não  perdoava. Eu sabia que ele era machista e, como se dizia na época, porco chauvinista mas ficava por isso mesmo.

Então, Fidel Castro e Che Guevara derrubam Batista e a conversa foi longe, os paredões com os fuzilamentos, o sangue qualhando no chão, os exilados saindo aos montes para Miami e deixando tudo para trás. Tornou-se definitivamente comunista e, mais tarde, morou em Paris acompanhando seu irmão que ficou exilado da ditadura brasileira.
Enquanto eu colecionava fotos de Elvis, ela colecionava retratos de Fidel Castro. E, quando eu encapei meu colecionador com uma foto do Elvis ela colocou no dela a foto de Fidel Castro sem barba. Nós duas fomos parar na diretoria, e ambas nos recusamos a tirar as fotos. Papai e o irmão dela foram chamados para  conversar com o diretor, Professor Mesquita.  Continuamos com nossas fotos. Uma bobagem porque eram fotos de jornal, em preto e branco que amarelaram, ficaram esmaecidas e nem sei que fim tiveram.

Para o mundo Fidel Castro e Che Guevara foram muito mais, marcaram a segunda metade do Século Vinte, foram pivôs de mortes, guerrilhas, revoluções, embates entre o capitalismo e o comunismo. Peões da Guerra Fria, joguetes da Rússia e seus interesses de dominação e quase motivo para uma guerra atômica. Cuba, um pedacinho de ilha de pouco mais de cento e sessenta quilômetros quadrados, uma população merreca, sem expressão a não ser no rebolado da salsa. Se não fosse a bandidagem dos EUA fazer da ilha um puteiro e terreno da jogatina nada teria acontecido. Se não fosse uma peça no jogo entre a disputa de duas potências e ter uma posição privilegiada, a cento e cinquenta quilômetros de distância da Flórida, seria um nada como tantas ilhas da Terra.
Mas sua localização e o jogo jogado pra valer fez de Fidel Castro muito mais do que ele foi, além do verdugo, do ditador e da mão de ferro que prejudicou tanto uma nação. Com um ego sem limites, tirou Guevera de Cuba, abandonou-o a própria sorte e usou sua melhor imagem para ilustrar uma revolução feia e mortal.

O resto é história, pois o ditador morreu hoje, com noventa anos,  e vai ser cremado o que é menos mal. Se tivesse morrido jovem e bonito como Guevara, na certa seria mumificado e colocado em câmara refrigerada para adoração de seus sequazes.

Ontem ditador, hoje pó e imagem fugidia na memória do tempo.

Mais um pouco? KLIKA

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Os podres da Dinamarca

                                                                   

Eu me lembro de todos dizerem que o governador era venal, corrupto, ladrão. Eram dizeres soltos liderados por quem ele recusou-se a atender exigências. Outro poderoso com muito mais prestígio e em campanha acirrada, durante toda a gestão, sem reeleição. Nem tentou. O poderoso perseguidor vivia de bilhetinhos, pedindo favores para os amigos. Os inimigos? A lei.

Eu ocupei cargo público de confiança e foi ele quem me admitiu. Quando quiseram que ele me exonerasse, ele recusou. Quem me contou foi a própria pessoa que foi pedir minha cabeça. Já havia má intenção em me afastar porque, anos depois, perdeu seu cargo de deputado estadual e tornou-se ficha suja. Jamais pediu-me qualquer favor, por menor que fosse.
Entretanto, recebi telefonema de promotor de justiça  metido a vestal, de mais de  um desembargador, de mais de um foro, caladões e circunspectos. Todos pedindo merreca mas empoados do poder. A todos respondi que em ato jurídico perfeito não se podia mexer. Tornaram-se meus inimigos. Deixaram, até , de me cumprimentar. O ex governador foi execrado como corrupto e morreu de tristeza.

Portanto, gente que navega sem saber o que se passa, pedir favor por estar nadando em águas tranquilas ou navegando em céus de brigadeiro é a coisa mais comum do mundo.

Um exemplo, levei para registrar em um Cartório de Registro de Imóveis uma Carta de Sentença. O ato jurídico a ser feito era simples averbação de dez linhas. Levou três meses, noventa dias. O mundo parado, negócios e refregas. Cobraram e foi pago no dia do pedido, setenta reais. E só liberaram quando ameacei fazer representação na Corregedoria. Disse que não seria pago sequer um tostão furado a mais do que estava na tabela.

Há muito mais coisa podre no reino da Dinamarca. 


Debaixo das asas

                         
O uso do cargo público para obter vantagens está arraigado na alma do poderoso. A pessoa adquire poder, através de um cargo  público, do voto, do poder de polícia e, além de receber  altos salários, quer mais. Quer estender seus poderes ao infinito. Quer submeter os comuns, meros estúpidos sem capacidade de sair da planície, a seus tiros certeiros vindos de suas posições socialmente superiores.

Por isso o Brasil é a terra encantada dos funcionários públicos. Para isso um brasileiro faz concurso público.  Por isso o sonho de parte da sociedade é passar em um concurso público, receber seus vencimentos no fim do mês, ter aumento todos os anos sem interessar a situação econômica do patrão ou da iniciativa privada.
Ainda mais, os funcionários públicos federais. Eles compõem os poderes da nação e ostentam ares de privilegiados, ignorando que seus vencimentos são pagos pelo povo. O percentual corrói a economia, seiva talentos da iniciativa privada, acaba com sonhos do cidadão e suga dinheiro  de onde não devia. Tudo para sustentar uma máquina pesada e ineficiente.  Burlam a lei que impõe teto máximo na farra com o dinheiro público e não aceitam tratamento igualitário. A lei é para o outro que não tem provas de ser mais inteligente, mais capaz em marcar corretamente questões de múltipla escolha, sair de pegadinhas de provas feitas para escolher o mais sagaz em sustentar-se no topo da pirâmide. Talento não pode ser medido em provas de seleção da espécie. Também, vai o espertinho e o de melhor memória.

Em uma nação baseada no poder do estado, um  cidadão optar pela inciativa privada é prova de incapacidade de passar em concurso público. Fazer um jogo e tráfico de influência é mera consequência.

Portanto, ter em mente que um indivíduo com o poder público nas mãos e o telefone à disposição, possa  resistir em atender um pedido para usar esse mesmo poder é esperança demais. 
Um pedido de parente, de amigo de muitos anos, de alguém que precisa agradar é mundo a parte. Dizer não é fazer inimigos, é perder eleições futuras, é negar o óbvio.

Vale a alegação do ato jurídico perfeito e que não pode ser modificado. Mas quem?

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Quem toca o berrante ?

                                   
             
                      
Tempos difíceis. Só denúncias. Ninguém presta, ninguém acerta em nada. O que tem de dedo duro, de gente vigiando e querendo se fazer nas costas de outros é de dar engulhos. 
                                                 

Ou a pessoa recusa-se a ficar alheia aos acontecimentos no mundo todo  e onde a caça de erros é ganha pão de muita gente ou faz parte de hordas de denunciantes sentados atrás dos teclados, se fazendo de oráculos na nuvem. Parece que não há outra opção.

Bons eram os meus tempos onde o pau comia e não fazia diferença para mim. Continua não fazendo diferença porque não faço parte das hostes que decidem os rumos da manada, não toco o berrante nem estalo o chicote. Mas a poeira me atinge e me cansa limpar os tutanos de tanta sujeira.
Eu não tenho nenhum prazer em ver o circo pegar fogo e já vivi o bastante para saber que, quem se locupleta não é quem  coloca o peito na frente da baioneta.

Um dia chuvoso não faz bem a ninguém...

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

O quadro escondido por 90 anos

                             

     
Na história da humanidade sempre aparece alguém, que recebeu ordem para destruir algum monumento importante e recusa-se.


Dessa vez, foi a descoberta de um quadro de Nicolau II, na Rússia. Supõe-se que, o pintor  que recebeu a ordem para pintar sobre a imagem de Nicolau II, uma outra de Lenin não o fez. Pintou nas costas do quadro. Disfarçou o outro lado original com tinta solúvel.

Descoberto o disfarce, por acaso e depois de escondido por quase noventa anos e de três anos de restauro, o quadro vai ser exposto. E, tem dupla face...

Quer detalhes? KLIKA

Não vai ter anúncio

-Sejam bem vindos. Obrigado por virem aqui.
                                     
Ao hospedeiro do meu blogue o meu agradecimento. Pode não ser o ideal para muitos mas para mim está ótimo. Aqui aprendi como manipular páginas, templates e acompanhar o funcionamento de uma página na internet. Parece pouco mas não é fácil para quem começa do zero e vai descobrindo pouco a pouco como funciona.
Seria interessante se eu manipulasse os códigos do hmtl, que é a linguagem da técnica do computador mas não me interessei. Assim está ótimo, não precisa de muito, visto eu não ter nome e fama para enxurrada de visitantes. Os que por aqui passam  já me deixam feliz, está ótimo. 
Os blogues já tiveram seu período áureo, com centenas, talvez milhares de páginas, vários hospedeiros, pessoas comuns que aprenderam a manipular templates e se dispunham a ajudar uns e outros, amizades interessantes. Mas foram para o Facebook e Twitter porque por lá os textos são menores, mais fácil de manipular, mais forma de divulgar e fazer amigos, a comunicação é mais rápida. Eu também fui para o Face mas continuo sem me preocupar em ser popular, ter milhares de pessoas aderindo e me seguindo. No Face é interessante, as pessoas se escondem e há pouca generosidade, pouco espírito de solidariedade, a menos que haja uma desgraça e alguém publique um texto. Vale as páginas de protestos e politica e os raivosos estão lá, como os piadistas, os pessimistas os moralistas os que não podem ser contrariados.

O google tem espaço para propaganda afixada na página do blogue e insiste no convite para eu aderir. Não me interessa. Talvez se eu tivesse milhares de visitantes e alguns deles, curiosos , klikassem no anúncio, poderia me animar. Mas o que serve anúncio para uma página onde a visita é apenas de quem gosta de ler textos leves, pensamentos jogados na página, quase em um trocar de pensamentos? Não tem polêmica ou grosserias para brigas e discussões de sabichões convictos de suas idéias a ensinar alhos e bugalhos. Não escrevo sobre moda, maquiagem ou produtos para passar na cara com a expectativa de ficar mais bonita e mais jovem. Não tem mensagem de pornografia e nem mulher ou homem pelado, mostrando a bunda como se isso fosse estética de bom gosto. Há quase uma pretensão da prevalência do intelecto, do passar mensagens para quem tem cérebro afeito às letras e aos livros. Não é página para quem não consegue ler mais que cinco linhas, em letras garrafais e com mensagem curta e direta. Não é pretensão mas linhas paralelas. Também não vou dar dados bancários, números de documentos pessoais a menos que fosse para arrecadar muita grana. Por merreca, fico na mesma.

Assim está bom: Eu venho cá, escrevo algo, não tenho compromisso com nada nem ninguém, não ganho para escrever o que mandam e nem tenho neurose  a ser curada nas páginas da internet.
Depois de tantos anos, comecei no UOL, na página zip.net, deixa o tempo me levar. Um dia serei uma vetusta, escrevendo para evitar o alemão. Quem sabe, ter aqui sua manifestação. Vai ser formidável... 

sábado, 19 de novembro de 2016

Sérgio Moro é outro naipe

Juiz  Federal - Sérgio Moro
                                        
O  juiz Sérgio Moro, que preside as ações da Operação Lava Jato, pede apoio aos brasileiros para que exerça sua função. Não precisa disso pois é mais do que óbvio que o brasileiro, que não seja petralha, o admira e apoia. Não há possibilidade dele ser tocado sequer por seus pares. Além das prerrogativas constitucionais que ele tem como juiz, ele tem a admiração geral e irrestrita por ser honrado e corajoso.
Mas nada disso pode ser confundido com as denúncias que pesam, também, sobre os juízes de forma genérica ou particular. Abrir a Caixa de Pandora do Judiciário não tem ligação alguma com o juiz Sérgio Moro, sua equipe e os atos que desbaratam a corrupção na politica brasileira.

Quando as portas da corrupção no Executivo e Legislativo foram abertas, o Judiciário não podia manter as suas fechadas. O tzuname abriu tudo. Se discute-se os altos salários do Legislativo e Executivo não há justificativa em não discutir os absurdos que representam as contas pagas ao Judiciário.

Portanto, os reclames impingindo ao pensamento de esquerda as notícias e cobranças contra os atos de desmandos dos juízes, fora da lei, em evidente abuso de poder, dando-se de deuses intocáveis, oráculos do saber jurídico não tem nenhum cabimento.

Essa malta de juízes é tão esperta e se dão de tão intocáveis que, aproveitando o prestígio, a importância histórica de Sérgio Moro, querem embarcar na mesma canoa.

Deem-se o respeito. Tem muita gente nesse país que sabe do que está falando.

Misturando alhos com bugalhos? KLIKA

O dar de ombros

Marataizes/ Município de Itapemirim-ES
                          
Soltaram foguetes, cantaram e dançaram nas ruas. Pobre povo carioca, sem noção e sem rumo! O Garotinho, eleito governador, mulher eleita governadora, prefeita, filha deputada federal, ele chefe, conduzindo com mão de ferro a corrupção na compra de votos, no interior fluminense ... É muito poder em uma família onde a tônica é a Bíblia na mão e o pastor dizendo que ela é o guia. Mas, em um piscar de olhos o cara está em casa. O fingir-se de doente deu certo. Mesmo com todas as provas que ele vende saúde. Para a prisão eu não vou, berrou ele. E, não foi.

Em um país de analfabetos ou com pouco entendimento de uma simples novela da televisão, como exigir que essa malta entenda a complexidade da política? Como explicar que os cultos, os estudados tomam para si a riqueza da nação como se deuses fossem? Como explicar que juízes não percebem a importância do seu papel na construção da nação, que fazem parte de um dos três poderes da nação?

Hoje fiquei sabendo que o prefeito, reeleito, de Itapemirim no estado do Espírito Santo é réu em cento e vinte e três processos por corrupção.  Que roubou noventa milhões de reais dos cofres da micro prefeitura. Dos royalties do petróleo. A cidade podia ser um exemplo de beleza, ter seus  serviços públicos de graça. Mas o prefeito resolveu fazer sua a riqueza do município. E o povo inculto e estúpido, subdesenvolvido na alma e na cidadania, reelegeu o ladrão.

O Tribunal de Justiça do ES, depois da prisão de Garotinho e Cabral no RJ, resolveu se mexer e dar sua decisão. Antes que o corrupto assumisse a prefeitura. Decretou, o vampiro da população é ficha suja. Vai haver novas eleições. Mais dinheiro torrado, no prejuízo do povo. Essa gente brinca de casinha e não mede as consequências.O dar e ombros, fazendo que não está se importando, pode ter um fim desastroso.

Sei não, mas sem compromisso de sangue, duvido que algo mude.

Verifique: KLIKA

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Não vai ter algema

Ele disse que está doente.
                      
            
A prisão do Rio , Bangu, tem regras terríveis. Quando uma pessoa é presa,  colocam uma camisa de malha branca, calça cinza e raspam a cabeça máquina um. E assim, aparecem em público. Diferente de Curitiba onde aparam os cabelos e a roupa é própria. Em Brasília, quando os corruptos foram presos, fizeram até gesto político, levantando os braços com a mão fechada. Em Minas Gerais, as prisões são discretas e não mostram nada.

As prisões de dois governadores do estado do Rio de Janeiro foram de dar angústia na alma do brasileiro. Foram para Bangu. É verdade que a população local fez festa e soltou foguetes mas isso não quer dizer felicidade mas alívio. Afinal, o estado está falido, os salários dos servidores cortados, os hospitais e escolas pagando o preço da corrupção, do dinheiro desviado para comprar anel de oitocentos mil reais e fim de semana, como reis, na Monarquia de Mônaco, comprar votos de eleitores mantidos na miséria. São quase trezentos milhões desviados, pelo que foi apurado até agora, pagos com dinheiro vivo e com tratativas dentro do palácio do governo.

Depois de mostrar a prisão de Garotinho, aos berros e resistindo a prisão e Cabral com uniforme e cabeça raspada penso que começa a ser desenhada a possibilidade real de o Velhaco ir para a prisão. Pelo menos os seus seguidores arrefeceram na violência. Ainda mais quando quarenta membros de um grupo com ideologia contrária aos petralhas, fez o mesmo que eles, invadindo o Congresso. Tal e qual.

A história do Brasil continua a ser escrita e sem guerras. Tem muita nação estrangeira  de olho e levantando o tapete para não ficar prá trás. Fiquem de olho porque a República das Pizzas não é mais a mesma.


Fim das novelas dos Boran

Boran Agha, o belíssimo - novela Sila
                                
        
Hoje é o dia do último capítulo de duas novelas. Uma a da Band, Sila, com o ator turco Mehmet Akif Alakurt que faz o papel de  Boran Agha,  chefe  do clã Guentcho. A outra é com o clã de saguis das minhas redondezas cujo macho alfa demos  o nome de Chefe Boran. Ambos são chefe, chefe e chefe. 

Enquanto a novela Sila exibe o seu último capítulo hoje, sexta-feira,  tomei a decisão de não alimentar Chefe Boran e seu grupo e tirar a macacada daqui de perto. 

Chefe Boran chegou aqui há dois anos. Eram ele, a fêmea e um filhote. O filhote morreu pouco depois e o casal  teve dois novos filhotes a cada seis meses. Um deles morreu e enterramos junto com Brisa. O grupo tem nove saguis.
Acontece que, com o crescimento do grupo, eles não andam mais juntos e se espalham em dois ou três. Chefe Boran controla os filhos no guincho e de longe. Até aí tudo bem se eles não começassem a ficar mais confiantes e pegar os passarinhos no pulo. A população de pardais praticamente acabou e estava um horror no meu telhado. O mesmo aconteceu com os canários. Diminuiu muito. Tentaram atacar os garrinchas dos ninhos de madeira e barro que eu coloquei na varanda. Não sei se conseguiram. Uma coisa é certa, vi um deles pegando um canário e lambendo os beiços ao comê-lo. O pior é que um deles pegou um caguinho quando este tomava banho no bebedouro, todos caíram na disputa e sobrou apenas  uma asa. Então tomei a decisão e, a partir de hoje a novela com os saguis também acabou. Não haverá um naco de banana para eles. Hoje já estiveram no quintal, já guincharam, pedindo comida mas acabou. Entre eles e os passarinhos não tenho sequer escolha.

Hoje pela manhã, fui ao veterinário para saber se havia a solução de castrar Chefe Boran. Mas fui preguiçosa em raciocinar sozinha que não é possível. O veterinário não tem licença do IBAMA e se eu for pega transportando macaco silvestre para a clínica vou presa. Ainda mais para castrar o bicho sem autorização. Castrar sem autorização quer dizer prisão para o veterinário, escândalo e clínica fechada. 
Eu já havia sido orientada quando telefonei para a Zoonose mas a ficha não caiu. Minha dificuldade em captar que bicho não é gente e vem no meu quintal apenas para comer é um mal que assola os dias de hoje e eu não fiquei imune. 

As pessoas agem com os  animais de forma equivocada quando eles deviam ser protegidos mas não cuidados porque uma coisa é diferente da outra. Saguis chegam a ser tratados como animais domésticos e isso é uma agressão à natureza. É preciso  deixá-los soltos, cuidando de si mesmos. O veterinário disse que, se eu não os alimentar, haverá controle da população de forma natural e me explicou como seria. Então, percebi que eu estou querendo controlar o que não é da minha conta mas do seguir da natureza. Saguis não estão em extinção e Chefe Boran é híbrido porque o primitivo está acabando. Tornaram-se praga, justamente por erro de conduta dos humanos. 

Em sendo assim, para quem segue a saga do saguis do clã de Chefe Boran, esta é a notícia. Não sei se será a última. Por mim, que se cuidem, que procurem outro lugar.

Enquanto isso, quero agradecer a Band, canal que transmite Sila, por nos ter dado o prazer inefável de  conviver todas as noites, durante este ano, com a beleza, o charme e o trabalho de Mehmet Aklif Alakurt. Ele abandonou a profissão e deixou poucos trabalhos. Mas a vida é assim mesmo, se não estamos satisfeitos mudamos tudo. A vida não é feita de um só caminho e quem não faz questão das lantejoulas da civilização tem a vida  mais feliz. 

Mais uma etapa acaba hoje e a vida segue.


- Chefe Boran, o magnífico
                        

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Poupando a alma

                            
Não vejo motivo algum para comemorar a prisão dessa horda de políticos. Dois ex governadores do Rio de Janeiro presos na mesma semana ! Isso não é pouco.
O juiz da Lava Jato mandou repatriar milhões de reais de alguns políticos envolvidos, bloqueou outros tantos de somas altas. É muita grana quando o povo está capenga, doze milhões de desempregados. O que deu nessa gente? Que coragem apoderar-se do dinheiro de um povo pobre, sedento de educação, conforto e orgulho da sua nacionalidade.

Por isso comemoraram tanto a vinda das Olimpíadas para o Rio de Janeiro. Eu soube que  uma engenheira civil, que trabalhou na reforma do Maracanã, recebeu tanto dinheiro como salário, que dizia poder queimar nota de cem como cigarro.

Não sei quanto tempo vai levar para o Brasil recupera-se. Ainda mais quando o preço pela construção de Brasília parecia esmaecer ao longe, com o Plano Real. A diferença, talvez, é a recuperação dessa dinheirama e sua aplicação onde devia ser.

Só sei de uma coisa, eu não comemoro nada. Pelo contrário, minha alegria é nula e nem estou vendo as notícias na televisão. Desliguei tudo para poupar a minha alma.

Lágimas de sangue! KLIKA