sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Vã filosofia

                                  
Quando olhamos uma autoridade do alto escalão, de grande importância, que decide os destinos das pessoas, quiçá da nação, nosso sentimento é de respeito. Para todos os efeitos é uma pessoa honrada que difere de nós pela inteligência, pela capacidade de gerir e navegar pela vida como se fosse melhor do que o comum das pessoas.
Acontece que a inteligência não faz ninguém melhor do que aquele desprovido dela. Uma coisa, infelizmente, nada tem com a outra. Por termos sido barrados na festa não quer dizer que os convidados, os admitidos  nos são superiores.  A mim não influencia a frase Muitos serão chamados mas poucos os escolhidos. 

Um ministro morre em desastre de avião, sem explicação. O ministro é o juiz de um dos processos mais emblemáticos da república. Deveria divulgar, na próxima  semana, a lista de futuros réus na Operação Lava Jato. Nomes da lista da Odebrecht. Bandidos que saquearam o Brasil em bilhões de reais, equivalente ao PIB de muitos países e do tamanho da necessidade de muitos estados da federação. A maior corrupção do país desde a sua independência de Portugal.

Essa gente pensa que controla tudo, inclusive sua vida e  sua ânsia de viver aos tragos. Pilhas de processos precisando de decisão, o país parado, esperando os resultados e o responsável não pode mergulhar na meditação dos nobres, dos patriotas indispensáveis. Precisa viver e viver e viver sem uma pausa, sem perder um suspiro. 

 Seja ou não o acaso, o Brasil tem muita sorte. E, Deus é brasileiro.

- Feijão no fogo que os vivos tem que comer!

Sem razão? KLIKA

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Políticos dos USA pedem a prisão de Sérgio Moro

                                
Não contentes em tumultuar a vida política dos USA, o Partido Democrata se mete no Brasil. Perderam mas saem, atirando para todos os lados.

Já deram palpites em vários países da América Latina. Dão ordens, ensinam como se todos fossem seus capachos e precisassem aprender do alto de suas sapiências. Mostram, com todas as letras o que foi e o que seria a gestão liderada pelo seu partido. Os gestores do mundo, o xerife do mundo, a batuta do mundo, a imposição do seu estilo de vida. Guerras de conquistas de imposição, de confronto, de intervenção dos povos. Como se viver em um país com dois partidos, alternando no poder, pudesse ser considerada democracia perfeita. Para não falar no sistema de eleição onde porcentagem ridícula da população elege um presidente, tornando um divisor de águas para impedir uma eleição democrática, na acepção da palavra.

Os deputados democratas, provavelmente no ocaso de seus mandatos, entregaram uma carta na embaixada do Brasil, protestando contra o afastamento de Dilmanta e do governo Temer. Mas o cerne da carta é pedir o afastamento do juiz togado que preside os processos sobre a corrupção no Brasil, Sérgio Moro.

Onde estamos? Quem essa vagabundagem pensa que é em interferir em nosso destino como nação? Já não basta a interferência pela ditadura? E, foi em um governo do partido Democrata do John Kennedy, um tarado pilantra. Coincidência a eleição de Trump que quer acabar com esse tipo de intervenção paga com o dinheiro do povo estadunidense?

Quero fazer meu protesto contra esse tipo de intervenção. Vão cuidar da derrota nas eleições e procurar outra coisa para fazer.

Não leu? Pois KLIKA AQUI

Beleza manchada

- Também fazia agachamento
                               
Uma coisa que não  preocupa quem mora fora dos trópicos é a mancha de Sol na pele. Nos lugares onde a pessoa sua, especialmente no rosto, a melanina emerge mais e deixa o lugar mais queimado, formando uma mancha. Com a criação do protetor solar, isso vem melhorando mas ainda persiste.

Eu vou mais longe e vejo as mulheres bonitas vítimas de sua beleza. Uma pessoa é bonita porque assim nasce. Mas não se enganem, a pessoa bonita também é discriminada. Especialmente quando está entre aqueles que precisam denegrir outros para se destacar. 

Conheço quem tenha disfarçado sua beleza para ficar entre os normais, para proteger-se das agressões, especialmente masculinas. Tive uma conhecida que dizia estar cansada de ser bonita. E, tinha vinte anos. Imagine o que passou pela vida...

Outro exemplo são as rainhas da beleza que atraem os machos qual abelha por mel e acabam sua vida sozinhas. O camarada apaixona-se pela aparência, não lhe importa a pessoa e quando a beleza desmorona, deixa a belezura a ver navios. A lista é grande. Algumas se matam. Rita Howard, que apareceu deslumbrante no filme Gilda, casou-se com dois magnatas mega conhecidos e nenhum casamento durou. Ela dizia que os homens dormiam com Gilda e a deixavam ao acordar com Rita.

Portanto, o Sol nas praias é muito bom mas deixa sequelas desagradáveis, difíceis de contornar. A pesquisa científica poderia, nem que fosse por curiosidade, verificar se as pessoas com mistura de brancos com índios ou negros, são mais propensos a adquirir manchas no rosto por efeito solar.



                                 

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Direito de fronteira

Filhote de sagui  na amoreira do meu quintal . Até os macacos tem fronteiras.
                       
Alguém cunhou a teoria  que o mundo não tem mais fronteiras. Logo surgiram seus seguidores. Por ter facilidade de divulgar essas idéias, repetidas na mídia e nas universidades, tudo fica revestido de verdade. Se alguém atreve-se a discordar assume ares de ultrapassado, bestunto que não entendeu a mensagem.

Eu entendi a mensagem e momentaneamente acreditei que poderia ser verdade. O mundo seria de todos e de ninguém porque a Terra é um planeta de todos. Mas, como sou provinciana e mal tenho contato com alienígenas, fico ressabiada em discordar de intelectuais universais.

Levei tempo para entender que essa teoria não é verdadeira. Para rebatê-la é preciso, no mínimo, de conhecimento de história e teoria geral do estado. Isso porque poderemos acompanhar como surgiram as nações, como foram formadas e qual o propósito de cada uma delas. Só pode defender a ideia de que o mundo não tem fronteiras, quem segue o pensamento europeu daqueles que usaram a régua para dividir nações a seu interesse como botim de piratas.
O mundo tem fronteiras. E, se você nasceu do lado errado pode tentar mudar mas precisa saber se o outro tem interesse. Um país é construído com a vida, a alma e a força de trabalho de seus naturais. Muitos pagaram com sangue o direito de poder construir uma nação com seus lideres à frente. Se um país tem melhores lideres que outros, azar dos outros.

O Brasil tem a proposta de receber gente de todos os lados do mundo. Pouca triagem fez ou faz. Aqui entra e sai quem quer. Desde que esqueça, na entrada, quem foi lá fora. É um recomeçar nova vida e assim tem sido. Aqui não se pergunta a origem e nem como veio parar no Brasil. Inclusive é considerado falta de educação perguntar qualquer coisa da vida privada de alguém. Talvez a Teoria da Não Intervenção dos Povos, criada pelo Barão do Rio Branco, tenha nascido daí. 

Portanto, um país qualquer, quando fecha suas fronteiras para quem não respeita sua formação, seus princípios e sua origem , ele está certo. Que os brigões, os radicais, os azedos, os intolerantes, fiquem em seus países ou lutem para torná-lo democrático. Serão aceitos em outro lugar se aceitarem as suas regras e não impor as suas próprias. Pior se for impor os de seu país de origem. Ora, se os costumes eram tão bons assim, por que saíram?

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

A fofoca torna-se verdade

A vomitada da semana

A fofoca internacional mais recente não vale nada para nós brasileiros. É a afirmativa que Putin tem um dossiê para chantagear Trump.
Caramba! Que saudades de ACM, o velho. Era voz corrente que ele tinha dossiês para chantagear gregos e troianos. Ele negava e nunca apareceu nada. Então, esse mimimi é coisa velha para nós.
Quem tem a pecha de fazer fofoca destrutiva são as mulheres. Até cunharam apelidos e Dona Candinha é o mais bonitinho. Mas os homens são terríveis e suas fofocas podem levar a uma guerra. No leva e traz dos interesses escusos, quem paga é a malta inocente, joguete dessa gente.
A turma de empresários estadunidenses ou sediados nos EUA, ganha rios de dinheiro fomentando e alimentando guerras. Antes o alvo eram países da África com a parceria de seus ditadores, tornados milionários, com casa em Paris.
Agora são as arábias. Duvido que não hajam psicopatas infiltrados ou cooptados, tramando desavenças, fofocas, divisão de interesses.
Desde o fim da Segunda Guerra os USA não deixaram de estar em todas as guerras pelo mundo. A indústria bélica é a que mais produz e faz girar dinheiro junto com o tráfico de pessoas e narcotráfico. Como pode um grupo de artistas ser contra o fim das guerras de seu país? Milhares de jovens morrem ou ficam aleijados longe da sua pátria, envolvidos em brigas que não são suas.
Fomentar o medo com turras em vez de buscar a paz e o diálogo, parece não interessar os lideres dos USA. Estão sempre rosnando para uns e outros. Até o sorriso na cara dos seus dirigentes é amarrado para disfarçar o golpe sempre pronto a ser desferido. De preferência de surpresa.
Que fofoca ridícula esta que Putin tem um dossiê contra Trump com filmagens entre prostitutas em Moscou. Para provar seus argumentos jogam lama em Putin, nas mulheres russas, dão nó em pingo d'água.
O nivel está cada vez mais baixo e a decadência moral dos USA beira a lama que sempre quiseram dizer que a América do Sul esteve.

Na ponta dos dedos

                                       
- Chefe Boran quando chegou por aqui. Hoje está bem mais exigente.
                             
O homem mais rico do mundo é Bill Gates. E, não é atoa. A internet corresponde a invenção da roda e da produção em série de Henry Ford. Alguns podem ter vindo junto na caminhada mas eles não sobreviveram tranquilos. Portanto, não basta inventar, tem que manter o foco.

Até a Segunda Grande Guerra predominava os grandes pensadores, da metafísica e  dos estudos da alma humana. Tudo introspectivo e cheio de filosofia pura e repleto de achismos. Fazer a crítica da razão pura e da razão prática valia para meia dúzia que sabia ler e distante daqueles que nunca ouviram falar na possibilidade de mergulhar nos livros.
Então, isso deixou de fazer diferença e vale o resolver com praticidade o dia a dia. Não importa a alma humana para a vida cotidiana mas pode não ser verdade para o ser humano, mergulhado no entorpecimento para suprir suas incapacidades de ser em série. Nisso, nada mudou.

Para aqueles que recusam a encarar a internet, o computador, o celular que fala e vê, resta a nostalgia. Não adianta ficar procurando o outro para ter atenção. A atenção está na ponta dos dedos e na comunicação facilitada pela modernidade.
Por isso, quem detém o saber e o invento ficou tão rico.

Diferença sutil

Noticiam que  o homem mais rico do Brasil é um produtor e vendedor de cerveja. Ele concentra todas as grandes marcas que vendem cerveja no Brasil. E, tem lei proibindo que isso aconteça. Mas, pelo jeito o homem  corre à margem da lei.

Eu tenho a convicção absoluta que a maconha, a cocaína não tem regulação oficial porque faria a Colômbia ser o país mais rico do mundo. Com certeza muitos propriedades rurais deixariam de plantar soja ou milho para plantar maconha. Eu mesma faria no meu quintal uma plantação, sem produtos tóxicos e tratada com adubo natural. 
Uma amiga disse que não plantaria no seu quintal porque os usuários pulariam o muro  para roubar a planta. Mas eu plantaria no meu jardim de inverno.

Sou a favor da regulação. Sei de todos os argumentos. E sei que uma pessoa que quer consumir álcool ou drogas não existem barreiras. O sistema não protege ou defende as pessoas mas o sistema econômico, a produção de alimentos, não sei bem. Os interesses são nebulosos e minha inteligência não consegue alcançar. Com a regulação, os mesmos consumidores pagariam seus tratamentos. Com os impostos arrecadados. Considero injusto uma pessoa que nunca usou drogas financiar tratamento de drogado. Sim, é ele quem paga porque é do cidadão que trabalha e paga imposto o pagamento do tratamento de quem usa drogas.

O que destaca sobre o homem mais rico do Brasil é ser ele um vendedor de drogas, um traficante legalizado, uma pessoa que vive da doença alheia, de um viciado, tal como um dono de buteco sujo, vendendo cerveja para um bêbado. Se produzir e vender bebida alcoólica deu um Al Capone nos USA, a cocaína e maconha cunhou um Pablo Escobar na Colômbia. Captou a diferença?

Não vale a pena mas se quiser saber mais KLIKA 

domingo, 15 de janeiro de 2017

A maior baixa autoestima do planeta não é aqui

                                         
Brasileiro se acha com complexo de vira-latas. Isto quer dizer que tem baixa autoestima. Em tudo sente-se inferior e o bom está fora das nossas fronteiras.

Então, espantada e boquiaberta encontro um vídeo no Face de um rapaz, dizendo que o sueco tem a maior baixa autoestima do planeta e se acha o pior povo. Isso porque acontece uma imigração de povos indesejados, com educação e conceitos diversos dos seus. Uma porta tão fechada por onde passavam poucos, selecionadíssimos, foi escancarada para os muçulmanos. Estes chegaram como selvagens, impondo seus costumes na marra.

A Suécia, Dinamarca e Suiça sempre ficaram longe de outras civilizações, apenas locupletando-se do que faziam e são outros povos. São, olimpicamente, neutros em qualquer rusga ou embate universal. Boasvidas convictos. Estes sim são os malandros do mundo: - O negócio é levar vantagem.

Mas as coisas andam mudando. Se antes a zoropa invadia continentes inteiros para abandonar seus miseráveis, roubar suas riquezas, assim como dividir na régua as  arábias para apossar-se do seu petróleo ou impor seu estilo de vida, com o tacão firme  nas gentes, o inverso começou. E, sobrou para a nação que nunca se meteu em nada. Daí a maior revolta. Por que, também, eles precisam misturar-se  à essa gentalha se nunca se meteram com ela?!

Os muçulmanos esgotados resolveram cobrar o preço dos séculos e das humilhações. A moçada cresceu e líderes nasceram entre eles. A festa acabou. Indiferentes ao que se passava, agora se veem no meio de gente que não é cristã e, portanto, não tem compaixão nem amor ao próximo. Nem deles mesmos. A batuta está na mão de quem tem força e domina. Ditadura é pouco porque não admite reação. 

Só por isso, por ter muçulmano bancando arrogância e vivendo a vida sem o mínimo parâmetro com o ocidente, em nada por nada,  é motivo para nascer uma baixa autoestima e o desespero de não saber para onde ir. Para o Brasil não será. Viver no meio do lixo e com o Sol dos infernos? Nem morto!

Viver perigosamente é para o brasileiro e aqui muçulmano não cresce... Ihhh ! Sabe-se lá?

sábado, 14 de janeiro de 2017

O futuro não está na sua mente

                                  
                                                    - Em cada cabeça uma sentença

A vida mudou para todos. Se antes as crianças brincavam nas ruas, as cidades cresceram. Não há ninguém mais, à disposição delas em casa. Tudo mudou. A vida antiga não existe nos grandes centros. A lacuna pode ser preenchida por quem vem de fora.

Ótimo que eu tenha brincado na rua sem calçamento e a bucha vegetal arranhava para tirar o cascão do calcanhar. Se os brinquedos eram feitos pelos pais ou improvisados pelas crianças, a subnutrição era a tônica, a barriga cheia de vermes que matavam, os dentes já tinham cáries ainda em criança. Ver pessoas aleijadas pela paralisia infantil não era raro a a longevidade dependia do DNA porque morria-se de infarto e tuberculose como mosca no Flit.

Embora a leitura de livros ainda seja pouca, nunca se leu tanto como hoje porque temos a internet nos computadores e nos celulares que, até, falam. Mesmo escrevendo errado, existe um esforço para escrever melhor. A comunicação rápida exige pensamento mais rápido e mensagens mais bem elaboradas. As premissas são outras. A forma de informação mudou, com textos curtos e preponderância de literatura visual.

Então, crianças brincarem, usando a internet não é caso de desespero e defesa do interagir com outras. Se isso valesse, brincar com outras crianças, interagindo com irmãos,  primos, vizinhos não haveriam as desavenças que houveram ontem e encontramos hoje. Todos podem ser amigos e companheiros na mesma medida de inimigos. Pra mim, mudaram as formas de viver e não o como seja a reação aos estímulos do viver. Viver continua a mesma coisa, com os mesmos desagradáveis e os mesmos generosos. 

O que o sistema reage é que as mulheres não brincam mais de casinha e bonecas e os meninos de polícia e bandido. Está cada vez mais difícil fazer o controle do futuro e das mentes. Mesmo com a mídia, bombardeando mentiras e direcionamentos nas cabeças das pessoas. Os lideres poderão ser mais independentes e tudo mais igualitário.
Duvido que daqui uns vinte anos haverão bestuntas, correndo de dorso nu, em praça pública, com as mãos para o alto para os seios ficarem mais bonitos, em direção a um mandatário internacional, em exibicionismo pessoal e politico confundido no reflexo do olhar malicioso do homem, fazendo joinha com as mãos. Esse tipo de mulher e de homem farão parte da história. E, nós? Debaixo da terra.

Não viu a cena? Pois esse ridículo tem origem na educação contemporânea. De uns e de outros. São todos gente fina, pois não? Nós é que somos macacos.




Os onipresentes

Psicopata de colarinho branco, o maior bandido  produzido no Brasil
                                    
Estes últimos anos, o Brasil foi tomado por hordas de vigaristas. Não só na política quanto em atividades públicas, administradas ou relacionadas com o meio político. O líder máximo é um vigarista, psicopata de alta periculosidade Marcelo Odebrecht. Emparelha com os grandes psicopatas da história pela capacidade de engendrar crimes com a maior desfaçatez inimaginável.

Os escândalos, as altas quantias envolvidas em transações e serviços, pagos pela Odebrecht são inacreditáveis. Milhões e bilhões de reais tem referência como centavos ou reais para os comuns. Cada dia que passa vem mais bandalheira, irresponsabilidade e desfaçatez.

A última é sobre o estádio do Maracanã. Está abandonado, saqueado ,depredado e incapacitado para grandes jogos. Um estádio onde foram gastos quase dois bilhões de reais para reforma e sediar a Copa do Mundo de Futebol e as Olimpíadas. Quem é o responsável? Sempre a Oderecht. Está envolvida em todas as grandes construções.É um câncer que consome o Brasil, sugando sua riqueza. Os donos dessa empresa devem ser quadrilhardários. Não basta a cadeia para essa gente. Pensar que mais cinco anos e o psicopata mor, autor e cabeça de todos os crimes no Brasil e em vários países, estará nas ruas, solto,  entrando e saindo dos lugares entre gente que não tem a capacidade de cuspir na sua cara. O mundo deveria ser interditado para essa corja.

Essa gente são como ladrões de bancos que roubam, escondem o dinheiro e saem da cadeia para usufruir da grana em outros lugares.

Não tem cabimento. É incompreensível.


Mais? KLIKA

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Para a meditação do encanto

                      
Para meditar, relaxar e matutar da vida.
Nos anos sessenta quando a ditadura só permitia roquinho iêiêiê dos Beatles que não suporto e a bossa nova que eu abomino, bandeei para os clássicos. Por isso tenho discos raros hoje em dia e herdei os discos de Tia Mimita quando ela morreu. Espanto por que? Ou não sabem que fizeram passeata contra a guitarra?

Quando minha neta não dorme e fica nervosa à noite, precisando relaxar eu  coloco Chopin ou esta sinfonia de Liszt. Ela acalma e dorme logo.
Quando fui professora, meus alunos chegavam do recreio suados e  excitados e  eu colocava esta sinfonia ou  as Quatro estações de Debussy. Fazia relaxamento com  eles. Um dia uma mãe disse que encontrou o filho  no quarto, com tudo fechado, no escuro , deitado imóvel de barriga pra cima e ouvindo música. Ela pensou que ele estivesse tendo algo. Quando perguntado o que era aquilo, se estava bem o menino respondeu que estava relaxando. Como assim? Dona Magui ensinou na escola.

A vida é boa para quem sabe viver!

O preço vil, pago pra ver

- Chefe Boran, caçando livre porque ele nasceu para isso.
                                       
A imprensa insiste em um assunto que o brasileiro não está interessado. Refém da bandidagem, da violência do rastro do consumo de drogas, ninguém está interessado no que passam os bandidos nas cadeias. Se eles se matam é apenas menos um bandido. O preço que essa gente cobra da sociedade para sustentá-los nas cadeias tem  retorno quase zero e  revolta quem trabalha e quer viver tranquilo.

Eu sei porque a mídia mostra tanta sujeira das cadeias, os abusos próprios da masmorra medieval. Eles optaram, por ordem de algum guru, em ficar do lado do pagamento a título de indenização às famílias dos mortos nas cadeias do Amazonas. Defendem essa tese absurda e vislumbraram, até, que os cofres federais pagariam as famílias, que sequer sabem se existem. Porque bandido vive desgarrado. Família aonde? De alguma mulher havida na porta do presídio? A pressa em divulgar quantias a serem  pagas, a disputa no achismo dos oráculos da mídia, causa espanto.

Duvido que o estado do  Amazonas pague uma indenização sequer. Não tem previsão no orçamento, não tem dinheiro, não tem vontade. O circo da mídia continua. Quanto mais noticiam mais esperam haver revoltas e mortes em presídios país afora. Quanto mais mortes nas masmorras mais espaços ocupados a preço vil do salário do fim de mês.
Com o calor que está fazendo, a umidade imensa que cria a fedentina humana a nível altíssimo, homens jovens e cheios de energia presos em cubículos, alguns amontoados, espocar revoltas é o mínimo que se pode esperar de quem  não nasceu para obedecer regras.

A diferença é o papel da mídia escalada para ver o circo pegar fogo.

Ambição de pioneiro

- Brasileiros autênticos, criados por pioneiros para ser pioneiros e o foram.
                                                                         

O sonho de migrar para fora do país não é prática cultural localizada.  Conta muito o querer voltar as origens  daqueles que vieram chorando de seus países, fugindo de perseguição política, religiosa ou da miséria que  não deixa uma pessoa sair de onde veio e permanece ligado ao que se foi.

Em vez de criar o filho para ser pioneiro na nova terra, o tempo passa e o imigrante, transmite  para seus filhos a lenga-lenga, vinda no rastro da saudade. Querer mudar-se para país estrangeiro dá a ilusão de prosperidade e não conta que serão sempre cidadãos a cobrir lacunas deixadas pelos nativos. 

No Brasil, a sensação que não haverá chance, que nunca haverá um futuro promissor, a falta de esperança conduz hordas de brasileiros para fora do país. Eu mesma já pensei em sair porque a ladroagem é muita e a malandragem forma uma barreira intransponível que não deixa uma pessoa passar dali. Em vez de incentivar novas lideranças, novas ideias, pessoa criativa, estas são barradas por trogloditas, defendendo seu território. Dali não passa.

O presidente eleito dos USA disse que vai barrar a entrada por terra. Esquece que o país tem fronteira por mar e impedir o acesso de clandestino consumirá mais dinheiro que fazer postos para permitir sua entrada, com peneira somente para a bandidagem. Deixa o pessoal entrar e a não integração os fará voltar.


O círculo vicioso havido pelo vai e vem da prosperidade e da vontade nômade do ser humano, é difícil de ser  barrado. E, não havendo um novo continente para onde foram os que chegaram primeiro e tomaram posse como seus dos que já existem, resta encontrar uma forma melhor de convivência. 

Pensa que não ? Aí, KLIKA

                                                          ************************
A foto acima é dos pais do meu pai e seus oito filhos. Todos formados em curso superior, do meu avô médico a seus filhos, em história de luta e muito sacrifício mas jamais pensando em sair do Brasil. Alguns estudaram fora do país mas voltaram para implantar o que aprenderam.Todos pioneiros em suas profissões. Como dizia minha avó, que está na foto:
- Tudo raça ruim. Que não peneirassem muito pois não sobraria ninguém.
Quer ver maior? KLIKA na foto.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

A quem interessa eles mesmos ?

Desmoralizar um presidente da república faz parte da cultura brasileira há décadas. Mas nos EUA o cara era endeusado mesmo que fizesse bacanais na Casa Branca ou fosse trabalhar sob efeito da bebida alcoólica. Ali,   uma nação para ser respeitada, nunca se pode falar mal do chefe supremo. Ele é sempre o líder maior e intocável.

Aqui no Brasil quem quer ser um ícone precisa enfrentar a calúnia antes e depois de sua vida pública. Ninguém vale nada e em qualquer campo da vida humana. Um exemplo é Tiradentes, pessoa com poucos rastros de vida a não ser sua participação na Inconfidência Mineira mas existem dezenas de estudiosos, perdendo tempo em demolir o cara, de todas as formas e jeitos.

Pois a moda pegou. Do Brasil para o mundo. Pela primeira vez o povo estadunidense aplica-se em desmoralizar, até mesmo antes de tomar posse, aquele que ganhou as eleições. E batem forte. E nos detalhes. A turma que perdeu as eleições não deixa passar batido a derrota e, se nunca duvidaram do sistema centenário em eleger presidente da república, até isso virou porcaria.

O interessante é que o choro vem da mesma classe a que veio no Brasil, os atores de cinema. É para rir a bom rir. Um classe que vive de demolir a sociedade, os costumes, o sistema moral e religioso, debocha de tudo e todos, que vive do fingir que é ou faz, se dar de moralizador. Ricos e milionários com o dinheiro  das gentes, ostentando e ostentando, defendendo minorias. Caramba! A máscara não sai da cara! Gente que vive da glória e não admite perder. Alguns com liderança tão forte entre os seus, que recebem prêmios atrás de prêmios por interpretações sempre iguais porque interpretam eles mesmos. 

Quem diria, estou viva para ver a decadência onde menos se esperava. Ainda bem que os USA  andam sem essa gente.
A mídia destrutiva que vive de noticiar tragédias, desgraças, mortes e vandalismo deita e rola. Até uma possível trégua com a Rússia, trazendo um vislumbre de paz irrita essa gente. 
Para diferenciar do Brasil, poderiam investigar quem tem interesse nas guerras  contínuas e se há sociedade na indústria das armas de grosso calibre. Ou quais os interesses havidos em desmoralizar um presidente se a campanha para as eleições já acabou. De graça não é...

O fim do mundo

                                   
                                   
Acompanho, de longe, as manifestações de grupos feministas, algumas tirando a roupa, contra cantadas masculinas. Também, as manifestações contrárias e não são poucas e nem educadas. A guerra dos sexos e suas muitas batalhas continua, infelizmente.

Ontem recebi um telefonema e não sei se acho graça ou fico com raiva. Com o tempo passando, vamos deixando os percalços da mocidade e mergulhamos em um outro mundo mais sério e mais responsável. O humor e a tolerância não são tão fáceis como antes. Ou as coisas mudaram mais do que nós mesmos. Ou perdemos, pelo caminho, algumas lantejoulas da vida.

Outro dia, perguntei para meu filho se os homens não faziam mais fiu-fiu para as mulheres. Que antes eu ouvia tanto e hoje não ouvia mais. Ele deu uma risada e disse que eu não ouvia mais porque tinha envelhecido. Caramba! Respondi que se eu soubesse que eram para mim teria aproveitado mais.

De outra feita, Dra. Alda e eu, voltávamos para o escritório, passando pela Praça 8 de setembro ( Vitória/ES) quando  um mendigo imundo, com um fedor que chegou até nossos olfatos, sorriu com a boca desdentada  e disse qualquer galanteio. Alda ficou horrorizada e disse do absurdo de um mendigo daqueles soltar gracinhas para nós. Eu dei uma risada e disse que pelo menos um mendigo nos via com bons olhos. 

Penso que perdi meu bom humor, minha paciência com estas coisas. Pode ser  porque eu mesma tenha mudado, ou os costumes, o tempo ou pelos homens perderem a graça nos seus chistes , tornando-se grosseiros e passando dos limites.

O telefonema que recebi ontem, foi de um engenheiro solteirão, meu vizinho quando morei no centro de Vitória/ES, depois que Eldes morreu. Converso com ele esporadicamente pelo telefone e depois que vim para Guarapari o vi uma ou duas vezes porque tem apartamento por aqui. Nunca dei intimidade mas ele é do tipo que se dá de cortejador, elogia, todo meloso.  Quando  morávamos no mesmo prédio dele, evitava subir sozinha com ele no elevador para não precisar ser grosseira. Meus filhos sabem disso e quando ele me telefona é para dizer que não estou, que não sabe quando volto. Meu filho disse que nem pensa em ficar solteiro para não tornar-se esse cara.

Uma coisa é certa, os homens tem certeza que uma mulher sozinha representa uma andorinha no verão, exposta aos gaviões. Uns avançam e outros evitam, com medo da mulher avançar.
Ainda há que tenha a certeza que uma mulher sozinha é porque lhe falta capacidade de arrumar um homem. Daí as frases: Ela é mal amada, Ela precisa de homem. Não passa pela cabeça desses energúmenos que há opção de vida e que algumas prioridades humanas quando saldadas , ficam para trás.

O telefonema que eu recebi foi, depois de muitos elogios e loas, para convidar-me a passar um fim de semana com o cara em Vitória, com todas as mordomias. Que tudo seria como eu determinasse e com muito prazer. Ainda perguntou, mais de uma vez, se eu tinha entendido o que ele estava me dizendo. Se eu tivesse certeza que este  senhor entenderia minha pergunta, esta seria: - Cobra quanto?

Há muito tenho matutado sobre as manifestações, que parecem malucas, de jovens enfezadas. Aos poucos vou entendendo melhor porque as mulheres protestam, até  com passeatas e desnudas, contra as cantadas do homem contemporâneo. Se exageram no protesto é porque a mansidão já não faz efeito. Eu fui militante feminista mas as reivindicações eram mais intelectuais, e as reações à altura.
A gentileza ficou longe e as mulheres estão sendo tratadas sem respeito algum. Se algumas não se dão o respeito, há de se diferenciar umas das outras, como tudo na vida. Até onde vamos parar?

Detalhe, a frase não é A mulher não se valoriza. A frase é A mulher não se dá o respeito. Valor se dá a alguma coisa e mulher é pessoa, como todo ser humano. Mesmo que ela se dê como coisa ou o sistema avalize como tal.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Brasil na corda bamba

Camilla Faustino

Para quem quer ficar por dentro das novidades que não são divulgadas pela mídia óbvia e paga.

Mais Brasil? KLIKA


segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O destrutivo funcional

                             
      
Uma prática comum entre os empregados de uma empresa, pública ou privada, é apagar os  programas de seus respectivos computadores, tão logo sejam exonerados ou demitidos.

Não é prática nova. Acontece até com quem é contratado para criar ou instalar um programa no sistema de uma empresa. Uma vaidade às avessas e mostra quão essa gente é medíocre. Nem por isso seja raro porque a mediocridade é a tônica do ser humano.

Tudo que um empregado faz na empresa integra o patrimônio desta. Deixa de ter autor, proprietário ou o que o valha. Não lhe pertence, esquece. Mas a  mentalidade mesquinha, sem estrutura ética, sem a ambição de ser pioneiro, construtivo e deixar algo por onde passa, construído sobre princípios equivocados, conduz uma pessoa a apagar todos os programas ou parte deles, quando sai do lugar onde trabalha.

Computador não é coisa tão nova. Algum parlamentar federal já deveria ter apresentado um projeto de lei, tornando crime esta prática tão nociva.

Ninguém fica para sempre em um emprego a não ser funcionário público com estabilidade. Mesmo assim, existem os comissionados, que ocupam cargos de confiança e com indicação política. Pode ser de fora a integrar o quadro de funcionários ou do quadro da instituição. Os indicados de fora dos quadros, o são  por um político ou um partido. Raramente são livres, sem rabo preso. Deviam saber que, ao ocupar o cargo de confiança, será exonerado tão logo mude quem o indicou e, certamente, quando muda o partido do principal. Pode até ser mantido no cargo com o afastamento de quem o colocou no cargo e não é raro. Mas, de toda forma, quando sai não pode deletar tudo da máquina - programas, arquivos, indicadores, dados em geral -  e deixar terra arrasada.

Portanto, vai minha sugestão para  solução de questão tão grave para o desenvolvimento do país: Criminalizar a prática de deletar programas no computador, pelo empregado, quando é demitido.


domingo, 8 de janeiro de 2017

As paixões da vida

- Feliz Aniversário
                                    
Hoje seria o dia do aniversário de Elvis. Eu não me lembro de datas de aniversário, nem do meu mas os fans estão bombardeando a data  no Facebook e resolvi fazer minha publicação. Assim o homem fica vivo mesmo sendo pó.
Eu o faço em agradecimento a companhia que sua voz tem feito na minha vida, nos momentos difíceis onde tenho que tomar decisões sozinha e não é fácil não ter alguém para trocar idéias. Devo muitos favores às minhas amigas e não tenho o direito de pedir mais nada a nenhuma delas, todas mulheres inteligentes e profundamente generosas comigo. Minha vida sou eu mesma mas não quer dizer que não reconheça e agradeça a quem a facilita e enfeita.

Então, vou contar um causo onde Elvis esteve presente.

Em uma ocasião, durante um ano mais precisamente, fui advogada em um órgão público cujo diretor era um político medíocre e estúpido. Nem quero lembrar-me dele para não estragar meu dia. O atendimento era feito aos pobres em ações simples para agilizar e não ir para a Defensoria Pública do Estado.
Ao chegar a  ficha de um senhor para atendimento, verifiquei que a data de nascimento dele era 08 de janeiro de 1935. Logo vi que a data era familiar para mim, eu a conhecia muito bem.

Quando o senhorzinho entrou, pequeno, cabelos brancos e aparência simplinha, envelhecida nos seus setenta anos de vida de  trabalho operário, olhei para ele pensando que Elvis, se vivo, poderia estar assim. ( Capaz!!!!! )

Depois das boas vindas e de ele sentar-se mas antes dele dizer-me o motivo de procurar um advogado, perguntei a ele:

- O Senhor sabe quem é Elvis Presley ?
Ele respondeu:
-Sei. É o Rei do Rock. Gosto muito dele.
- O senhor sabe qual o dia em que ele nasceu?
-Não. Qual?
Eu disse:
- No mesmo dia que o senhor, 8 de janeiro de 1935...

Ele bateu palmas e riu satisfeito e comemoramos a coincidência. Ele disse:
- E, eu sem saber disso a minha vida toda! Nasci no mesmo dia do Rei.

Depois, quando ele retornou para outra entrevista, apresentou-se para a recepcionista, que mandou ele esperar. E, ele falou para a moça:
- Não, diga para doutora que Elvis Presley está aqui.

A recepcionista abre a porta do meu escritório e diz espantada:
- Tem um senhor, dizendo que é Elvis Presley e que não vai esperar.

E mais espantada ficou quando eu falei:
- Manda ele entrar logo.

E, daí para frente, entrava direto para falar comigo. O pessoal achou ótimo quando expliquei o motivo e entrou na onda.

Depois de encerrado o caso dele, com sucesso e rápido porque fiz acordo, ele passou pela última vez, agradeceu e deu-me de presente um frango, que ele matou, do galinheiro da casa dele.

Assim, a vida tem alegrias e retornos quando  temos paixão por ela.
A senha do meu celular é o ano de nascimento de Elvis.

Para quem gostava de viver :
-  Feliz aniversário, Elvis !

sábado, 7 de janeiro de 2017

É preciso desenhar

                       
Minha rua não era varrida pela prefeitura. São apenas folhas secas, caídas das árvores. Pedi de todas as formas: Por telefone, verbalmente no balcão da empresa CODEG,  por escrito, fiz abaixo-assinado, falei com a Chefe de Gabinete do prefeito, dei presente para o encarregado, para as varredoras da rua. Nada.

Então resolvi varrer a rua. Me empetequei toda ou ia de qualquer jeito, suando em bicas, no Sol da manhã ou no frescor da noite, calada ou bradando absurdos. Lá ia eu.

Juntei as folhas no meio da rua e taquei fogo. As labaredas subiam e a fumaça comia solta. Ninguém reclamava. Mudei o horário para incomodar os moradores e ninguém fazia nada. Um dia, quando as folhas estavam molhadas porque chuviscou a noite e a fumaça estava muita, um cara saiu de balde na mão para apagar o fogo. Mas eu disse que ele não ia apagar mas telefonar para a CODEG e exigir a varredura porque uma doida estava varrendo e tacando fogo. Forneci o telefone e ele deu meia volta.

De outra vez, um morador do prédio chamou a polícia, por causa da fumaça, e, quando esta chegou, eu fiz um discurso em plenos pulmões, dizendo que não era caso de polícia mas de participação do cidadão exigir varredura de sua rua. Que eu estava fazendo o papel do gari que recebia seu salário, enquanto eu trabalhava. Os policiais sorriram e se foram. 
Uma  vez um turista, da sacada do apartamento alugado para a temporada, me xingou de ignorante, de estúpida, que ele era ambientalista, que não podia colocar fogo em lixo. Eu respondi que não era lixo mas folhas secas e a própria natureza queimava  folhas. Ele continuou me insultando e eu não respondi até  o fogo acabar. Nunca durava mais de dez minutos.

De outra vez, saiu uma senhora alemã, pensei que era francesa pelo sotaque, veio do prédio mais embaixo, com sacos na mão para eu ensacar as folhas. Ela disse que, se era caso de comprar os sacos, ela forneceria. Não aceitei e disse para ela reclamar na prefeitura para varrerem a rua que eu, uma senhora, advogada estava fazendo. Que minha mãe ou qualquer outra pessoa minha conhecida precisou varrer rua. Que só eu mesma porque sou doida. Que devia me agradecer por eu manter a rua limpa.

Quando o muro foi pintado de branco eu aproveitei a tinta e escrevi no muro do lote ao lado da minha casa: A  PREFEITURA NÃO  VARRE   ESTA  RUA. 
Tempos depois, escrevi : GODEG, CADÊ VOCÊ ?

Algumas vezes, varri a rua fazendo discurso na maior altura, dizendo que brasileiro gosta de lixo porque é lixo, que falam mas não fazem nada, que adoram reclamar mas são incapazes de pegar o telefone para pedir a prefeitura para fazer o serviço.

Para não falar nas sugestões de derrubar as árvores pois assim não teriam folhas para varrer.
Fora os vizinhos que passavam, me viam varrer a rua e ainda debochavam, perguntando se eu estava trabalhando de gari para a prefeitura. Eu custei a achar a resposta mas pararam de falar quando respondi para meia dúzia e na maior altura para todos ouvirem:

- Varrer a rua, que ninguém varre, não é vergonha para mim. Não tenho vergonha de trabalhar pesado porque sou descendente de imigrantes. Para eles o trabalho representou a redenção da miséria. Tem vergonha de trabalhar o descendente de escravo porque o trabalho representa, no inconsciente dele, as chicotadas no lombo e a humilhação feita pelo sinhozinho, que nunca fazia nada, enquanto ele trabalhava.

Isso durou anos e anos. Eu varria de mês a outro, quatro meses ou de quinze em quinze dias. Dependia das folhas no chão. Até que um prefeito foi eleito, fez concurso para gari e tomou a limpeza  a sério. Mandou um funcionário da prefeitura falar comigo. Pedi a ele que fizesse palestra para os garis falando da importância da profissão para a cidade. Que participasse para mostrar que não era vergonha ser gari. Para dar o exemplo. Ele prometeu que minha rua seria limpa.  E, cumpriu.

Portanto, burguesia metida a dar palpites mas não sai do bem-bom, o prefeito eleito de São Paulo está certo. Para gente burra como é o brasileiro, é preciso desenhar. É isso que ele está fazendo quando pega a vassoura, bem vestido, sorridente e varre  a rua no maior estardalhaço. Em vez de debochar, se não entendem, prestem atenção e aprendam. Ele está mostrando que todo trabalho é importante. Que ter cuidado com sua cidade deve ser do prefeito ao gari. De quem trabalha no gabinete ou na rua.

A mesma imprensa que dá destaque a gangs  que se matam nas cadeias, defendendo o direito dessa corja ser indenizada, é a que debocha do prefeito porque não captam a mensagem dele.

Os apátridas

                                

Os professores de Direito, oráculos da jurisdicidade, estão na mídia e ensinam a torto e a direito, que a indenização aos bandidos do AM esta prevista na Constituição Federal.

Bons tempos eram aqueles em que estudar era ler livros de quem tinha mérito e não achistas da internet. Bons tempos eram aqueles em que as estantes dos advogados estavam cheias de livros escritos por filósofos do Direito. Bons tempos eram aqueles em que um advogado defendia sua tese, baseada em estudos e mudava uma jurisprudência ultrapassada. Bons tempos eram aqueles em que prevalecia a inteligência desenvolvida a custas da queima das pestanas e não de meia dúzia de papagaios, repetindo teorias do achismo.

Não é verdade que a lei manda indenizar bandido preso e morto em brigas de gangs na cadeia. A lei protege o preso que morre em erro do estado onde faltou controle. E, briga de gang é incontrolável. Pode ser comparado a caso fortuito, tragédias da natureza onde não há controle.
Defender a tese que uma facção criminosa, brigando  entre si, tem direito a indenização mostra o nível jurídico do país.
Indenização cabe quando o preso morre em fato controlável e o que houve não há controle. É como um terremoto, sabe-se que pode acontecer mas não pode ser controlado.


Para defender bandido, jurista dá  nó em pingo d' água mas , na hipótese de levar unzinho a cambada mergulha!

Raça de apátridas!!!