domingo, 10 de setembro de 2017

Flagelo lá como aqui

                                             

Eu ainda preciso entender, tenho muita dificuldade de entrar na cabeça de um ex brasileiro que saiu do Brasil com o rabo entre as pernas e, de longe, fica ofendendo quem ficou. Como impedir que uma besta dessas que saiu do Rio de Janeiro, fica de longe escrevendo textão no Face, dizendo que está adorando os EUA e as retiradas, fugindo dos furacões? Mentiroso e vencido lá e aqui, diz que em dois anos de estadia nos EUA, conseguiu tirar o Green Card, está feliz da vida porque enriqueceu, de carrão e no meio de um congestionamento na estrada onde todos estão seguindo um e outro, com absoluta disciplina,  na fila da desgraça da natureza. 

Não sabe para onde vai mas aproveita para desancar o brasileiro que ele conhece  e de  onde é oriundo, generalizando como se todos fôssemos como eles. Está tão alienado lá como aqui pois desconhece os crimes, os assaltos e que muitos preferem enfrentar a natureza, não sair de suas casas que, vazias, fatalmente, serão pilhadas pelo bandidos. Vai ficar entulhado em alguma  casa alheia e,  com certeza, não será de um estadunidense. Favelado lá é melhor do que favelado cá porque está na planície e não no morro do crime.

Que morram no turbilhão dos ventos e das águas dos furacões ! Assim não corremos o risco de tê-los de volta quando Trump enxotá-los a vassouradas. Para o Brasil serão os eternos fracassados lá como aqui, um flagelo para quem constrói uma nação lá como aqui.
Fogem da vida lá como fogem aqui. E pior, querem que o pessoal das embaixadas fiquem de plantão para atenderem suas demandas. Que nojo!

O que eles preferem. Quico? KLIKA




quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Síndrome coletiva

                            
A população do Brasil está doente. Quase em Síndrome do Pânico ante as notícias de corrupção que assola todas as esferas onde verbas altas foram usadas. Um sentimento de náusea no estômago. E, atinge todas as camadas da população. Um sentimento de impotência da nacionalidade, da cidadania que acomete o ânimo de sair da vida para viver.

De onde e como saiu essa massa corrupta instalada no poder ? Dos três poderes da nação a mero torneio olímpico? Não sobrou pedra sobre pedra. Juízes, ministros que liberam das prisões os ladrões de somas astronômicas revoltando o povo e incentivando a justiça pelas próprias mãos.

Uma nação, precisando caminhar na sua história sem as eternas interrupções havidas no passado. Mas dói muito e não sei como essa geração vai conseguir sair desse momento histórico, pior do que uma guerra que põe tudo no chão.

Compulsão por dinheiro

- Depois de contado, 51 milhões na casa alugada de Geddel
                        
Sem ser regra ou verdade absoluta, uma pessoa jovem para ficar rica em pouco tempo, ganhou dinheiro na loteria, no tráfico de drogas ou armas, ou na corrupção. No Brasil não tem grandes patentes como nos EUA onde inventores conseguem projetar seus inventos para o mundo e ficam milionários, como os caras do Vale do Silício.

Os Batistas, com sotaque caipira do interior do Mato Grosso e Goiás, aventuraram-se , navegando nas vaidades e nas honras frouxas dos políticos. Um banco privado não forneceu empréstimos para seus negócios  megalômanos mas o banco público tornou-se sócio na empresa do espertalhão bom de bico.
Um banco que foi criado para implementar a indústria, forneceu um dinheiro tão farto que deu para fazer dos Batistas milionários e, ainda, distribuir dinheiro para meia dúzia da mesma quadrilha que roubou da Petrobrás. Tudo nos milhões, aos sacos, às malas. Mas, foram com tanta sede ao pote, certos da impunidade já comemorada, que caíram na própria pilantragem. Um deles, Joesley, gravou por acaso,  suas falcatruas e planejamentos de como fazer os outros de trouxa.

Também, explode que um político Geddel,  já  preso, alugou um apartamento para guardar cinquenta e um milhões em notas acumuladas nas caixas e malas. Em audiência, por outros crimes, o cara chorou mostrando arrependimento e pedindo clemência ao juiz, negando ser corrupto. Fez discurso púbico contra a corrupção. Que nojo! Não sei como Sérgio Moro tem estômago para enfrentar cara a cara tanta bandalha.

Poderiam ser criminosos comuns, nada diferentes dos grandes traficantes mas escolheram muito mais. Entram e saem dos ambientes dos poderes de Brasília como se tivessem, eles mesmos, os títulos próprios dos senhores da república. Cabeça erguida de quem tem certeza que todo dia um trouxa, um otário, está pronto para ser feito de bobo.

As  características dos criminosos desse naipe,  são o eterno sorriso no rosto, a voz doce, a roupa bem recortada e cara, nunca perdem a fleuma. Deram golpes nos poderosos e conseguiram tirar dinheiro do povo, comprando honras, tal qual o meliante que entra na internet e capta reles incautos para arrancar dinheiro e  tripudiar das vítimas.

Os Batistas, os Geddel, os Odebretch , todos eles e sua corja não são mais que ladrões, gatunos do dinheiro público porque a eles não interessa tostões. Possuem uma doença incurável que é a compulsão por dinheiro, e,  são psicopatas.


- O mesmo dinheiro de acima,  encontrado no apartamento de Geddel na Bahia
 Detalhes da dinheirama ? KLIKA            
Tem estômago? Então KLIKA           

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Verdade fatiada

                        

Engana-se quem anota que os atos libidinosos dentro de coletivos são coisas dos dias contemporâneos. Absolutamente, não são.
À vista dos casos relatados nos últimos dias, parece que somente em cidades grandes ou aglomerados, os assédios, os abusos e exposição de exibicionistas é coisa nova. Tenho muitas lembranças e nenhuma esquecida.

A primeira, em uma Belo Horizonte/ MG, início dos anos cinquenta do século passado, ainda com menos de duzentos mil habitantes quando eu tinha quatro anos, saímos de casa papai, mamãe, duas irmãs, um irmão e eu para irmos de lotação almoçar na casa dos meus avós paternos. Carro só tinham os ricos e tudo importado pois o Brasil não fabricava automóveis.
Minha irmã mais nova, Consuelo,  foi no colo de meu pai , que sentou em uma cadeira um pouco atrás da nossa onde íamos juntos, Maria Inês, Fernando e eu, com mamãe que tinha o apelido de Quelota. O trocador andava no corredor, fazendo a coleta do dinheiro das passagens. E, quando passou por nós ele apoiou no braço da minha mãe, rente  ao encosto da cadeira, a pretexto de equilibrar-se. Meu pai virou um bicho, levantou-se com minha irmã no colo, reagindo ao abuso. Foi um quiprocó com o cobrador negando tudo, evidentemente.
Papai devia ter uns trinta e quatro anos no máximo, era muito bravo, destemido e tinha muita consciência do seu papel de homem e pai de família, sacrificou sua vida, trabalhando dia e noite para criar seus filhos e fazer de todas nós o que somos, quando mulher não tinha título na faculdade todas nós nos tornamos profissionais, ombreando pau a pau com os homens. Éramos chamadas As filhas do Luciano.
Eu me lembro claramente do pavor que mamãe teve porque ela era uma princesa na expressão máxima da palavra e sabia que papai não iria recuar um passo. Ela devia ter uns vinte sete anos e pedia para ele acalmar-se. Não se falou mais no assunto mas eu nunca me esqueci.

Não vou relatar os inúmeros casos de abusos em ônibus que eu tive ou vi mas o último foi dentro do ônibus intermunicipal,  poucos anos atrás, Guarapari a Vitória no ES quando sentada no lugar que dá para o corredor um camarada encostou no meu braço, exatamente como fizera com mamãe. Imediatamente pedi a ele que se afastasse, em voz baixa e com educação. Uma das reações chaves desses tarados é negar e fazer-se de vítima de uma acusação absurda, em voz alta para constranger  ainda mais a mulher. E foi o que aconteceu; o ônibus lotado, acima da capacidade e todos começaram a me vaiar aos berros, em plenos pulmões. Uma das mulheres gritou que ali não era meu apartamento e se eu quisesse moleza que fosse no meu carro. Eram as mais histéricas.
Eu me levantei, estava na segunda fila oposta ao motorista, virei-me para trás e encarei a mulher que gritava " aqui não é seu carro" e fiz um discurso aos berros, entre gritos e apupos, uma bagunça. Gritei que o assédio sexual era crime e que o cara era um tarado, tarado, tarado. Que estava encostando seus órgãos genitais em meu braço. Que eram uns imbecis, transportados como gado em ônibus super lotado. Por isso não tinham nada, eram tratados como nada, ignorantes pois não sabiam lutar pelos seus direitos. Mulheres tapadas, abusadas e nem percebiam. Que os homens deviam reagir ante um tarado que podia abusar de outras mulheres. Que aquele ônibus estava fora da lei, transportando acima da capacidade  para enriquecer o dono. Que enquanto o dono estava rico o povo era abusado, como caminhão que transporta gado. Que se eu quisesse poderia exigir que o ônibus parasse no posto da polícia rodoviária. 
Silêncio de repente, o cara foi para o outro lado de cabeça baixa, disfarçando, fazendo-se de invisível. O motorista não fez um movimento diferente, tocando em frente.
Eu sentei-me com a adrenalina a mil e o tarado desceu no primeiro ponto no qual o ônibus parou. A mulher do meu lado, modestíssima, simplinha e humilde, segurou no meu braço e perguntou se eu queria trocar de lugar com ela !!!!!!! Perguntou se eu estava mais calma! Eu disse a ela que não estava nervosa mas indignada e que estava tudo bem. 

Portanto, a questão perpassa através dos anos e baseia-se na educação em sentido amplo. Está arraigada na cultura onde a sexualidade masculina é desabrida, sem rumo, alimentada por mulheres completamente equivocadas no comportamento e niveladas par a par com esses indivíduos. Porque da mesma forma que  tem homem exibicionista, também tem mulheres. Um alimenta o outro, todos  prejudicam o todo. São minorias mas que, ao atuar, deixam rastro de vergonha e raiva. E a sociedade alimenta essa doença, é responsável por ela quando alimenta atitudes em programas de televisão, filmes e novelas. Mulheres semi nuas, mostrando a bunda com a câmera quase entrando dentro delas, pornográficas, fotos de mulheres em atitudes lascivas nos portais da internet. Eu vou ler uma matéria sobre futebol e a página está cheia de fotos de mulheres semi nuas, constrangendo e me colocando com os nervos à flor da pele. Depoimentos de atrizes conhecidas, contando suas relações sexuais, suas aventuras lascivas e desabridas, entre caras e bocas, em fotos indecentes como se não fossem responsáveis pela formação dos costumes, das atitudes sociais,  em suas atitudes exibicionistas sexuais, todas com graves problemas psíquicos tanto quanto estes tarados dos ônibus.

Afirmo sem medo de errar, são todos iguais, na mesma mão social que transita a sexualidade desabrida de uma sociedade  permissiva com  mulheres que alimentam essa doença mútua e com homens sem rumo. E, todas nós, todos nós pagamos o preço por essa minoria vagabunda. 

Mais e mais, agradeço a Deus não ter tido filhas. Com tudo o que o homem sofre e não é pouco, pelo menos ele é dono do mundo. Não teria forças para ver uma filha passando, vendo e tendo surtos de raiva  por tudo que eu passei na minha vida, apenas por ser mulher.

A vida segue !
                                 **********
Está por fora? Então KLIKA
Paliativo fatiado: KLIKA

Justiça amorfa e alienada: KLIKA


terça-feira, 29 de agosto de 2017

O messiânico às avessas

Foto que eu tirei na floresta do Amazonas, município de Coari.
Uma castanheira de setenta metros
                          
Também quero juntar-me aos protestos contrários a exploração de minérios e consequente ocupação estrangeira da Amazônia brasileira.

O Brasil tem um presidente imposto pelas circunstâncias que não foi eleito para governar o país com decisões que precisam ser debatidas como plataforma de campanha.

Temer se dá como messiânico e quer mudar o sistema de governo, entregar a riqueza nacional para o estrangeiro e tudo na canetada do decreto espúrio.  Verdade seja dita, o atual presidente  fez parte de uma chapa na qual veio como vice. E, a chapa encabeçada por Dilma, do PT, o trouxe porque é do PMDB um partido que define eleições. Com todos os defeitos que conhecemos do PT e seus petralhas, jamais fez parte entregar o território nacional para o estrangeiro. Pelo contrário o Velhaco defendeu que a Amazônia é brasileira e não patrimônio da humanidade. Portanto, não foi conferido a Temer nenhum poder de decisão sobre a Amazônia. A reboque veio e deve assim  manter-se sob pena de agir como um reles ditador.

Não é o momento histórico e político para entregar exploração de minério a estrangeiro em área preservada sob qualquer pretexto. Michael Temer quer ser o salvador da pátria nessa situação de bandalha e forte recessão mas os limites restringem a área econômica, reajuste fiscal e afins. Outras áreas  devem ficar para o próximo presidente e os candidatos devem deixar bem claro a posição inclusive nessa área.

É difícil crer que estes assuntos tão graves não sejam cortina de fumaça para os verdadeiros interesses a serem escondidos por essa gente.

segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Mais do que nunca

- Maurício e eu
                          


A intolerância com a mulher é a mesma que repercute em toda uma sociedade de terceiro mundo e que atinge toda ela. Um povo sem educação não gera somente homens grosseiros mas mulheres grosseiras.

A moda é tratar todos como vítimas. E a mulher não pode ficar de fora desse discurso de perdedor muito próprio do sistema machista da nossa sociedade. De sexo frágil passou a ser vítima. Os dois termos querem dizer a mesma coisa é a mesma coisa.
Tratar a mulher como a única responsável pelas agressões masculinas é desconhecer que ela mesma confronta e refuga quando leva a pior.  Pois não é a mulher tida como educadora e o homem um omisso na criação dos filhos? Ela não é tida como dominante no reduto do lar e na criação dos filhos ? Ou é eterna vítima e coitadinha da violência do mundo? Oh dó !

É óbvio que o homem não pode agredir uma mulher mas é simplesmente porque sua força  física é maior e jamais irá levar desvantagem num confronto físico. Ainda mais que existem mulheres nascidas mansas e incapazes de reação violenta . Mas isso ocorre também com o homem, mansos à totalidade.
O que eu não concordo é uma mulher usar sua capacidade verbal de reação e provocação até fazer um camarada, sem controle de sua força física, agir contra ela.

Quando vejo um rapaz muito forte na academia, fazendo exercícios com pesos demais e noto que posso puxar conversa, faço observação para ele jamais aceitar qualquer provocação para brigas porque a sua força física é uma arma poderosa. 
Inclusive com meus filhos, sempre disse que é preferível fugir do que enfrentar gente disposta a brigar por nada. É preferível ser chamado de covarde do que burro.
Mas não tenho nenhuma ilusão que algumas mulheres pagam para ver e, ao levar desvantagem, agem como se fossem vítimas.

Continuo propondo que os meios de comunicação usem o positivo para fazer campanha contra a violência, seja qual for, e não chamar atenção para a violência em si mesma.

E, definitivamente não acredito nas notícias de que o homem brasileiro seja um dos mais agressivos contra a mulher. Não por ele mas porque a mulher brasileira é independente o bastante para impor-se ao contrário do que pensam os especialistas em estatísticas de agressão.

Ao dizer que o homem é sempre o agressivo contra a mulher perpassa um machismo que reconhece ser a mulher incapaz de impor-se e seguir em frente na convivência pacífica e amorosa com o seu parceiro.

Propaganda machista pura? KLIKA 

sábado, 19 de agosto de 2017

Prefiro o grilo

                               - Se mora em Selva de Pedra não sabe    


Não! Você tem que ser solidário. Mas o que é ser solidário com fatos que acontecem onde não conhecemos, com gente que não conheço? Nem sei onde fica ? Nem tenho controle, opinião de nada a não ser o que a mídia diz?

Um dos motivos para uma pessoa ter câncer é a mania de constranger a alma com o sofrimento do mundo. Todas as pessoas que eu conheço e que tem ou tiveram câncer, vivem presas ao sofrimento de gentes e animais. Mas um sofrimento verdadeiro, de apertar o peito.

Uma vez conheci uma mulher, na rua, apresentada por uma amiga. Tão logo, começou a desfiar mazelas, a contar suas doenças, tivera dois tipos de câncer. Sua testa estava marcada por uma ruga em vê, de tristeza, olhar profundo com olheiras. O mundo desabava constantemente para a mulher. Em dois minutos comecei a sentir-me mal diante de tanto sofrimento contado. Não me contive e quando ela fez uma pausa  disse para ela o que eu pensava. Inclusive disse que ela se preparasse porque ia ter outro câncer que era doença dos nostálgicos, dos angustiados, dos palmatórias do mundo. Ela arregalou o olho e interessou-se. Sugestionável ao extremo, escutou com atenção  o que eu dizia, que parasse de pensar no sofrimento alheio, parasse de ler notícia sem importância na vida dela, que curtisse a praia, pegasse Sol, praticasse caminhada, exercício físico. Ouvir Datena e Marcelo Rezende nem com revolver na cabeça. Que não ficasse indo a igreja ouvir pastor dizer que Deus manda e desmanda na vida da gente, que buscasse a alegria, a liberdade e curtisse a aposentadoria, que não tivesse culpa por ser feliz e não ter problemas ... Fiz um discurso chato em um blábláblá de auto ajuda e fui embora, sem antes ouvir uma choradeira em agradecimento. Oh, céus!

Quero distância dos pessimistas dos fofoqueiros do mundo, do levanta poeira da desgraça e da comiseração universal.

Quem pariu Mateus, que o embale.

Atentados contra quem?

Serraria  Horizontina, Belo Horizonte/MG, Século XX. Todos imigrantes espanhóis e italianos. Todos expulsos da Europa pela miséria.
                            
Vamos convir, a Europa apenas paga o preço da soberba. A Europa como continente, como civilização. O povo é mero detalhe pois vive na atualidade mas como consequência da construção dos milhares de anos somados.. 
Quem estudou em boas escolas, quem teve bons professores de história, apenas isso já basta para saber como e porque os povos foram formados, como a Europa expulsou milhões de pessoas, obrigando-os a povoar outros continentes.
Nenhum humano reproduz mais do que o europeu. Povoaram o mundo, mesmo com doenças e guerras constantes a  dizimar outros tantos. A história não contém mentiras nem versões distorcidas para quem tem um mínimo de memória e capacidade de juntar lé com cré. Memória porque é preciso guardar o que já leu com o que lê e cruzar as informações.

A empáfia em afirmar que a cultura européia, em todas suas vertentes é superior ao restante do mundo e a forma como impuseram ao mundo na força, destruindo, matando, dividindo, um dia haveria volta. Não respeitam as culturas que preferem viver de forma simples, sem ostentação, sem Hollywood, sem rock'n'roll, sem Moulin Rouge, sem os messis e cristianos ronaldos, sem as lantejoulas da civilização.

Tem a petulância de afirmar que viver cem anos, morrer velho e capenga em grandes metrópoles e luz feérica é melhor do que viver tranquilo na vidinha quieta do interior, sem  sofisticação.

A Europa inventou a discriminação em suas regras, organizações e imposições de todo calibre. Se não fizer o que dizem suas filosofias, desenhadas por gente que teve a capacidade de generalizar a humanidade na proporção das redondezas do seu umbigo, o desprezo, a separação, o bota-fora cai impiedoso no flanco dos excluídos, tratados  como sementes podres.

Não tenho pena nenhuma dessa população arrogante, que tem conforto porque colocou para fora quem podia dividir o mesmo pão. Se sobrou mais para essa gente é porque levaram vantagem na luta contra o miserável. A doutrinação cristã, imposta no ocidente, vingou e esta é uma grande sorte. Se Jesus não houvera ter força não seria somente os muçulmanos a cortar cabeças.

Para saber? KLIKA

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

No foco do passado

Museu dos Confederados, em Memphis / Tennessee/ EUA onde ficaram estacionadas as forças separatistas.
                                          Estou ao lado de uma moça vestida como na época.


Uma diferença interessante na formação do povo é como reagem os descendentes dos imigrantes e os dos escravos. Uma diferença básica mas fundamental e que serve para alimentar o comportamento de uns e de outros. Enquanto os descendentes dos imigrantes olham para a frente, os dos escravos estão presos ao passado. Ambos os passados são sombrios mas o sistema insiste em manter na lembrança dos descendentes dos escravos de como aqui chegaram. Enquanto lambem suas feridas, ficam para trás e diminuem a concorrência.

Por esses dias um grupo de malucos resolveu derrubar uma estátua do general mais importante da Guerra de Secessão dos EUA. Parecia a derrubada de estátuas de Stalin ou Sadam Russein. O confronto valeu, também, para desestabilizar o governo federal com mortos e feridos. Mas o interessante é o pessoal do norte, que venceu a guerra separatista, ainda querer valer sua vontade, aproveitando para tirar das tocas grupos extremistas no combate nas ruas, com mortos e feridos na real e na provocação.

Quando eu fui a Graceland, enquanto o pessoal focava tão somente em Elvis, resolvi observar os costumes sulistas. Só eu, por ex, fui ao museu dos Confederados. 
Coisa pouca e nada acadêmica mas que me deu a ideia que a Guerra da Secessão não acabou. Agora tenho a certeza.


... E o vento levou
                            
Interessante? KLIKA
                                 

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Feijão no fogo ...

- Papai com Fernando no colo, Maria Inês e eu. Mamãe é a da esquerda.
                                        Em frente a nossa casa em Belo Horizonte -MG.
                       
Uma coisa estranha no envelhecer é ter medo. Saber que o tempo passou e  não ter tempo para repor ou recomeçar, dá um medo tremendo.
Eu nunca tive medo de nada porque a vida estava inteira na minha frente. Infelizmente não sou do tipo que espera ajuda ou conta com alguém para ajudar ou proteger. Quando meu pai morreu, e hoje é a data a ser lembrada na saudade eterna, minha mãe perguntou-me quem iria protegê-la  dali para frente. 

Então, para mim, o pior no envelhecer é a sensação de que algo pode acontecer de repente e não ter tempo para resolver como sempre fiz. Todos passam por isso, na tranquilidade aparece de rompante uma notícia que pega a pessoa e quase a derruba. Alguns caem e não levantam  mas outros tem uma fortaleza que os faz recuperar e ir para frente. Eu não sei se é criação ou DNA mas desconfio que é o exemplo dos que nos são próximos. 

Quando acontecia uma morte repentina ou um  drama qualquer na nossa família, papai dizia:

- Feijão no fogo que os vivos tem que comer.


Papai não interferia na nossa vida a não ser que pedíssemos opinião ou ajuda. Ele dizia que pai é como Deus, só interfere quando é chamado. E tinha razão, mesmo que não seja verdade. Depois que papai morreu eu tenho a eterna sensação que algo falta na minha vida e tenho um aperto constante no peito, esperando algo ruim porque não o tenho para trocar idéias e preciso resolver sozinha.

Nem sei qual o ano que papai morreu porque datas não me interessam mas hoje 16 de agosto é o dia e mês. A vida não tem nenhuma importância porque não somos nada na ordem mundial mas podemos ser lembrados enquanto houver rastro.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Mil vezes não

Homenagem a Elvis Week
                             

Começou a famigerada temporada dos políticos pregarem a imposição do parlamentarismo no Brasil.
Essa gente, desligada do que o povo quer, insiste em um discurso que já foi rejeitado por plebiscito: O povo disse NÃO ao parlamentarismo.  Mas não chega...

Amantes da zoropa e seus costumes, querem copiar o que tem lá. Essa gente não percebeu que a Europa é um continente velho, que mantem-se vivo porque viveram às custas de explorações e desmandos e ainda estão como plainando com os resultados. Durante séculos sempre tiveram como exterminar os pobres, os da classe baixa, ora com guerras de extermínio, ora com bota-fora em imigrações financiadas.
Esse continente é tão velho e depurado na sua população que alguns países sequer tem Constituição. Seus governantes sabem o senso comum e obedecem a ele.

Quem propõe o parlamentarismo no Brasil são os que consideram-se mais cultos, mais sabidos, mais inteligentes, uma forma perversa de tentar impor o que o povo quer. Para eles, o povo não sabe escolher e, portanto, precisa ser monitorado. É pior do que nos tempos da queda da monarquia quando um grupo de SP e RJ deram o golpe, implantando a república. Gente  com os mesmos propósitos de continuar no poder e seus privilégios, controlando o resto da nação, essa gentalha.

Tenho asco dessa gente. Sinto engulhos dos seus discursos falsos, cheios de armadilhas, suas tramas nos bastidores, suas vozes empoladas. Não percebem que o Brasil mal suporta um presidente da república e querem ter duas casas financiadas pelo povo. Não percebem que o mal é a falta de liderança, de proposta de governo, de rumos de nação. Não percebem que o fracasso pode estar na corrupção, nos impostos altos para pagar o mega custo do estado, na criação de uma classe social cheia de diplomas e títulos, recebendo remuneração a anos luz do trabalhador comum mas que não prestam serviço na proporção do seu ganho e das suas responsabilidades. Fazem o Brasil andar a passos de cágado, enquanto o cidadão comum trabalha de Sol a Sol. Literalmente.

Já vi que serei obrigada a fazer muitos textos contra a implantação, a imposição do parlamentarismo no Brasil. E a imposição dessa corja vagabunda não vai aceitar um plebiscito. Que a morte os pegue no caminho até lá, geração que se perdeu e não cumpriu o que foi dela esperado. 

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Sem dó

Em homenagem a Elvis Week
                                     
A cabeça consegue pensar bem ante os crimes do ex governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral? E, se vincular a situação de penúria daquele estado que elegeu esse homem para dois mandatos?
Preocupados com o Carnaval, com o futebol mediano e seus times de massa, esqueceram de prestar atenção no que se passava à sua volta ?

Não acredito que uma população não saiba que seu governador roubava em todas as vertentes do que podia com o seu mandato. Um assalto aos cofres públicos sem precedentes no planeta...
E eleger deputado estadual mais preocupado com ideologias estrangeiras enquanto não reelegia pessoas claramente superiores? Mais reeleição do ladrão público desse calibre?

Há alguns anos, meu filho foi a um show de cantor famoso com um grupo de amigos ao RJ. Todos com pouco mais de dezoito anos. Ficaram apavorados quando, ao identificarem-se, foram parados na entrada. Foram revistados, com PMs passando a mão nos seus órgãos genitais. Meu filho quase surtou e só depois percebeu que era provocação, pretexto armado. Pegaram um deles, um ruivo gordinho de um metro e noventa, levaram para dentro da guarita e deram uns encontrões nele para mostrar onde guardava a droga. Que droga? O rapaz não usava drogas. Fizeram ele tirar a roupa, ficar nu na frente de todos. Revistaram os bolsos, jogaram as notas de dinheiro no chão para depois mandar pegar de volta, abaixando nu. Ao final, depois de vestido, o dispensaram. Nunca mais nenhum voltou a espetáculos de música no Rio. Provocaram reação com desrespeito para levar vantagem. 

Minha sócia no escritório foi ao Rio passar a Lua de Mel. Ela não queria ir com medo da violência mas o noivo disse que iria e ponto. Foram. Na chegada, ao  descer do táxi na frente do hotel, foram assaltados e ele levou uma coronhada na cabeça. 

Um amigo do meu filho que estivera no evento do show, voltou ao Rio a trabalho como delegado da Policia civil do ES. Foi em carro próprio mas armado até os dentes. No meio do caminho foi abordado por um outro carro onde o bandido apontou uma metralhadora. Não sei contar o que aconteceu mas trocaram tiros e ele conseguiu safar-se. 

Quando meu filho vai ao Rio a trabalho porque precisa fazer exame médico de seis em seis meses, ele disse que anda rápido, sem olhar para os lados, com muito cuidado para não esbarrar em ninguém e desloca-se de  moto-taxi. Já ofereceram para ele celular que custa oitocentos , a setenta reais. 

Então, ninguém viu as escolas caindo aos pedaços? O atendimento médico às traças? Não viram os protestos dos médicos e das enfermeiras? Mas encheram os campos de futebol e as passarelas do samba...

A imprensa carioca tão esperta para defender os petralhas e insuflar a baderna não noticiou nada ? O Ministério Público não fez nada sequer quando mataram juízes, delegados honestos e PMs aos mangotes? 
Por que os artistas não fazem um mega show para arrecadar dinheiro para os funcionários públicos estaduais há quatro meses sem receber? Mas juntarem-se para insuflar baderna eles fazem. 
Quando o novo prefeito recusou dar dinheiro para o Carnaval quase invadiram o palácio do governo como se não fosse da iniciativa privada, que lucra com o evento, arcar com o sua realização.

O Rio é a porta do Brasil para o mundo. Através dele somos avaliados com a ótica carioca, doa a quem doer. Defender, esconder as mazelas, não leva a nada. O povo paga pela inércia, velha de anos, precisa acordar para o futuro e não se ofender porque há críticas e desejo de mudança.

Que consigam sair desse embrulho a que se meteram. Eu não tenho nada com isso. E, nem dó... Mesmo porque o carioca diz que o ES só existe para dificultar a chegada ao carnaval de Bahia.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

A ver ? Sim...



Passe alguns minutos, fim de semana, nada pra fazer, vendo algo interessante e bonito!

Bom proveito...

Por trás da transação de Neymar

                                     
Na maior transação esportiva do futebol onde Neymar fez transferência do Barcelona para o PSG de Paris, uma figura transitou por trás sem que a mídia hegemônica desse destaque.

Maxwel é capixaba de Vila Velha/ES, onde estudou no Colégio Marista e seu pai é engenheiro químico, tem uma forja em Cachoeiro de Itapemirim. Escolheu o futebol como profissão e para ganhar dinheiro. Por isso começou em Belo Horizonte de onde foi para o Ajax da Holanda, Milan, Barcelona e PSG. Tudo ganhando os tubos. Não tratou o futebol como recreação nem jogo lúdico. Não se apegou como se torcedor fosse mas cumpriu o papel para o qual foi pago e ganhou todos os títulos.

Ele é filho de uma prima irmã do meu marido e tem o temperamento tranquilo e discreto da família. Assim agiu na Europa. Os comentaristas de futebol de São Paulo ou o ignoram ou o menosprezam. Quando foi convocado para a derrotada Seleção de 2014 eu assisti gente dizendo horrores dele. Tudo infundado. Mas ele não está nem aí para essa gente. E, desconfio que nem para a Seleção. Sua mãe comentou comigo, após a desclassificação, que ele nem se importou, que disse que a Seleção não tinha técnico e nenhum entrosamento. E, tocou a vida pra frente.

Pois bem, em maio ele deixou de jogar futebol e passou a ser executivo do PSG onde ocupa um cargo que capta jogador para o time. Foi ele quem levou Daniel Alves, um italiano que não sei o nome e agora Neymar. 

Fico pasma de como os jornalistas paulistas, tão sabichões, não perceberam como a coisa funcionou, a presença de Maxwel, a forma como tudo se deu. Ficaram preocupados, como pobretões do caramba, com as altas quantias da transação, em julgar o atleta que cuida da sua própria vida e esqueceram de acompanhar como o negócio é feito no futebol da Europa. Preocupados - na cabeça deles - com a perda do time do seu atleta,  esqueceram que Maxwel jogou no Barcelona, foi atuante, campeão e quando saiu o time baqueou. Como pessoa criada em meio intelectual, estudou no Colégio Marista, seu irmão é Cirurgião Dentista, seu cérebro não funciona ( feliz ou infelizmente) como os outros que mal sabem escrever. E, ao deixar os campos passou para o lado dos cartolas. Fala várias línguas, tem a diplomacia no sangue, é honesto, discreto e educadíssimo. Tem as qualidades da família e do capixaba típico.

Duvido que um dia ele volte a morar no Brasil. Com três ou quatro filhas, sair de Paris para morar em Vila Velha? É ruim...

Nada a declarar ?

                                        
O que um blogueiro amador, que escreve sem compromisso ou dono, poderia escrever ante a situação da política nacional? 
Não vai mudar nada na minha vida como está  a situação do país, como nunca mudou.
Ouço falar em pleno emprego, desemprego, gastança no comércio ou falência por pouco consumo mas a minha vida é sempre a mesma. Não confio  em nada que dizem os outros.

Eu disfarço minha vida por conta dos invejosos. Aqui mesmo, no auge dos blogues, os mesmos que me atacavam eu os bloqueei no Face depois que para lá bandearam. As armas em riste, no ataque gratuito, querem a nossa paz. Na vida concreta se dá o mesmo, até com parente.  Se a pessoa não tem como proteger-se dos invejosos prontos para atacar, o melhor é fingir-se de morto, mergulhar fundo. Talvez fingir-se de morto para comer o coveiro.

Um exemplo simples foi um encontro na rua, voltando da praia com minha neta, dei de cara com um advogado que eu não via há mais de vinte anos. Atuamos juntos no Instituto dos Advogados Espiritosantenses, fizemos parte da mesma diretoria que construiu a sede cujo projeto gratuito foi feito por Eldes, meu marido engenheiro arquiteto e urbanista, a meu pedido e que ainda acompanhou as obras. Nossos nomes estão juntos na placa de inauguração. No encontro, em vez de cumprimentar-me, fez uma pergunta estapafúrdia sobre o que eu teria dito a ele em tempos atrás. E isso com raiva e grosseria. Não dei resposta, não tem resposta. Da próxima vez, se eu viver mais vinte anos, passarei sem sequer olhar, para gáudio da minha sanidade mental.

Aprendi com a vida a esperar ataques quando não se tem padrinho ou age em desacordo com o esperado pelo sistema. Atacam como abutres e como se eu fosse carniça. Sei que não é somente comigo, afinal advogo há décadas.

Brasil? Futuro ? Esperar algo afirmativo por conta de política e seus embates escusos? Eu não sei como é em outros lugares mas aqui é guerra diária e defesa constante. Se baixar a guarda, morre de uma forma ou outra, no concreto  ou no abstrato.

Esperar algo do estado ou do resultado da política é melhor sentado.

domingo, 23 de julho de 2017

O canto da sereia

                                            


Somos uma nação em formação e nossas lideranças são, muitas vezes, forjadas por diretrizes bem intencionadas mas perdidas na interferência equivocada. O Velhaco é uma delas. Nascido nas águas de um tempo turbulento, encaixava com justeza nas teorias comunistas que prega o poder do proletariado. E o que é um proletário? Uma pessoa vinda do nada, de origem na camada mais pobre da população, sem instrução, operário de atividade simples ou  mecanizada, recebendo ordens de superiores e facilmente influenciado por intelectuais instruídos nas teorias sociológicas, prontos para aplicar o que leram e decoraram.

Em uma época em que um operário / sindicalista chegou ao poder na Polônia, um sindicalista que emergiu com o fim da opressão comunista, o Brasil, macaquito de sempre, resolveu copiar a zoropa e cunhou o seu líder operário e sindicalista, conduzido magistralmente pelos intelectuais ávidos em aplicar suas teorias sociais.

O povo, cansado de ser governado por gente vinda das altas camadas sociais que não correspondiam, aderiu à oportunidade de fazer história. Mas não contavam com a astúcia dos manipuladores de sempre, que com pouca resistência para comprar almas e vidas, encontraram então facilidade para jorrar dinheiro nos bolsos de quem nunca teve nada na vida. Não resistiram ao Canto da Sereia.

Com a certeza da impunidade, os petralhas tornaram-se uma gang de ladrões que aliam-se  a outras gangs, formando a maior quadrilha, saqueando os cofres públicos do planeta. Se o dinheiro compra tudo, essa gente conseguiu organizar-se de tal maneira que havia contabilidade definida e sofisticada para pagamento e controle, com adesão internacional. Compraram aqui e lá. 

Quem foi ludibriado, quem escolheu acreditar e apoiar essa gente, pessoas honestas mas teóricas, dificilmente acredita, do alto do seu ego de sabichão, que caiu em uma arapuca. Ou que ficou fora da bolada bilionária desviada dos cofres públicos. Continuam com seu discurso decorado, com formatação feita por toda vida e com sérias dificuldades de deletar tudo e mudar de rumo. Admitir erros não é nada fácil. 
A maquina da inteligência humana é um mistério e a formatação desses brasileiros é a calamidade para a nação. A dificuldade de mudar de rumo levou e leva nações para o buraco. Como admitir que o que aprendeu não é ordem unida de quartel?
Por isso estamos como estamos. A a teoria na prática é outra.  Não amarraram-e no mastro para resistir o canto da sereia.

sexta-feira, 21 de julho de 2017

O experimento

                                           

O Velhaco sempre mostrou-se um velhaco. Fico pasma como gente tida como inteligente e culta não tenha percebido isso. A menos que o tenham usado para experimento de suas teses estudadas em livros de pensadores zoropeu. Tem muito intelectual nacional que apenas repete o que leu, sem dedução ou adaptação ao que o Brasil precisa. Cópia rasteira de teorias ultrapassadas, escritas por gente que nem sabia onde ficava o Brasil, quando o Brasil sequer era Brasil. Teorias aplicáveis onde havia gente branca, com sociedade definida nas regras e lugares de seus cidadãos. O Brasil não se enquadra nessa categoria. Nosso inimigo não está aqui dentro mas fora, no mesmo lugar em que sempre esteve.

Aqui é preciso  líderes cunhados na mistura de raças, de um Brasil multifacetado, um continente indomável. Um povo que não lê teorias zoropéias,   mas tem influência, inclusive no DNA, da liberdade dos índios, dos negros e dos fugidos da miséria da Europa. 
Diferente dos EUA, não vieram para cá os letrados nem os religiosos cheios de teorias celestes de povo escolhido para ser o maior país do planeta. Brasileiro não se importa em ser o melhor em nada. Ninguém nunca domou o brasileiro porque este prefere viver a vida do que disputar pódios e títulos.

Eis que aparece um Silva, nome introjetado no DNA do brasileiro de origem longínqua , com todas as características de não ser domado pelas teorias intelectuais, supostamente sabendo do que o povo precisava e alia-se ao que de pior existe na elite bandalha, corrupta. Vende-se e entrega o povo para o seu pior inimigo, o capital regido por quem sabe reger dinheiro, o dinheiro  do suor do rosto do cidadão brasileiro apoderado por quem faz dele o deus da compra e venda de almas. Velhaco a medula, usou a velhacaria para em uma trajetória de semi analfabeto, seduzir os intelctualoides sedentos em aplicar o que decoraram nos livros alienígenas e piamente tidos como certos. Todos falastrões regidos na batuta da estupidez e da vaidade da decoreba inútil.

O futuro mostrará que, dificilmente será encontrado na história da humanidade uma história escrita assim. Não existe, não haverá. As conjecturas, as forças antagônicas, um povo manso politicamente porque formado na liberdade do não deus, da liberdade da  sua própria força, do escrever sua própria vida sem cabresto estrangeiro.

Que deixem o curso da  história do Brasil caminhar sem nenhuma interferência ou teoria conhecida. Que reconheçam que não sabem nada e deixem o povo brasileiro emergir para o que quer ser e não para o que querem que ele seja.

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Pronto, falei !

- Elvis de branco, o pai Vernon a esquerda e Red a direita 
                         

Preciso escrever sobre Red West que morreu anteontem, dia dezoito, aos 81 anos.
Eu sei que a maioria não sabe quem é esse indivíduo mas eu, como fã de primeira hora de Elvis, sei e quero deixar meu texto sobre esse camarada.

Elvis estudou na Humes Hight School, em Memphis, TN,USA e sofria buling por sua maneira de vestir-se  e pentear-se.
Em uma ocasião, quando foi agredido por  um aluno, foi defendido por outro: Era Red West. Tinham 15 anos. 

Quando Elvis ficou famoso  em 1956, ele foi agredido em um posto de gasolina e teve que ir ao juiz porque reagiu. Então, decidiu contratar guarda-costas e lembrou de Red West que estava sem fazer nada. 
Quando voltou do exército, Elvis tornou a contratar Red que continuava sem fazer nada. A partir daí Red fez parte de um grupo que acompanhava Elvis e que foi chamado de A Máfia de Memphis.
Elvis fez com que esse pessoal fosse contratado para participar de seus filmes e shows. Red apareceu em vários dos trinta e cinco filmes e algumas músicas dele foram gravadas. Viveu uma vida em Hollywood com mordomias, entre famosos, bem vestido, ganhando bem, aproveitando-se de tudo que Elvis teve. Em enésima foto os dois aparecem juntos. Elvis foi padrinho de casamento de Red, deu a ele de presente  casa, carros, jóias e etc. Enfim, eram como irmãos.

Os EUA são um país esquisito pois Red não foi convidado para a festa de casamento de Elvis em Las Vegas. Se fosse no Brasil, um homem desses nem teria convite, chegava e entrava no casamento e ponto final. Mas Red ficou ofendidíssimo e nunca aceitou as desculpas de Elvis que dizia não ter participado da lista de convidados e nem da preparação de nada.
Continuou a trabalhar para Elvis mas maltratava os fãs, tratando-os de forma grosseira a ponto de alguns buscarem ação de indenização. Quando Elvis pedia moderação porque as ações estavam lhe custando caro, Red respondia de forma grosseira. Então o pai de Elvis, Vernon, o demitiu junto com outros dois seus parentes.
Não sei como funcionava ou funciona os direitos trabalhistas nos USA  mas Vernon - o pai de Elvis - não teria pago o que Red exigiu.
Foi então que Red e os outros dois escreveram um livro, detonando Elvis Presley: Elvis, What heppening?
Quando contaram para Elvis, o livro já ia ser lançado. Elvis telefonou para Red e este, entre outras coisas, disse que tinha saído sem nada e precisava de dinheiro. Por isso havia aumentado os fatos porque se escrevesse coisa comum não venderia. Elvis apenas perguntou se era a sua última palavra.
Deram entrevistas para televisão, jornais, detonando Elvis de drogado e decadente para baixo. Este ficou devastado, rompeu definitivamente com Red, teve agravada  sua depressão, ficou  a poder de remédios, trancado no quarto, pouco saindo e para fazer shows, morreu três meses depois com quarenta e dois anos. Vou poupar os detalhes porque tem muita coisa, a vida de Elvis já rendeu quase seiscentos livros.

O referido livro, detonando Elvis, ainda está a venda e só quando foi divulgado o resultado da autópsia, trinta anos após a morte de Elvis, é que se tomou conhecimento da condição física e causa da morte de Elvis. Nenhuma droga ilícita, só remédios. Mesmo assim, Red jamais pediu desculpas e ainda usou o nome e imagem de Elvis para continuar a viver até ontem, com sua morte. Um descaramento sem tamanho.
Não se sabe porque Elvis escondeu sua real condição de saúde e nunca contou para ninguém. Preferiu recolher-se no quarto, em silêncio e tudo foi tornado público por garimpagem de jornalistas, médicos  e pesquisadores.

A vida não é fácil para ninguém pois Elvis morreu jovem com quarenta e dois anos e seus detratores viveram até oitenta ou mais. E, agora aparecem fãs desejando que Red esteja junto de Elvis e os outros da Máfia ou os músicos que acompanharam o cantor na sua trajetória musical e que já morreram.

Eu comecei este texto pronta para detonar Red West porque o considero um traidor, um aproveitador mal agradecido, um péssimo indivíduo, descarado, sem vergonha. ( Mineiro tem horror de traidor por influência da Inconfidência Mineira).
Elvis morreu rompido com ele. Não posso dizer que eram inimigos porque não sei se Elvis tinha esse temperamento, parece que não tinha essa índole. Mas rompidos totalmente eu sei. Sei que Elvis preferia ficar trancado no quarto, abandonar uma suposta amizade sem fazer nenhum comentário, a enfrentar problema ou celeuma. Passava essa tarefa para o  pai e o empresário mas fugia sistematicamente.

Enfim, quero terminar dizendo:

- Que o inferno receba Red West com toda pompa que ele merece. E,  que ele fique no departamento próprio dos traidores dos amigos e que não são poucos.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Os predadores

- Umidade terrível na orla do Oceano Atlântico. A maresia come até vidro.
                                   

O Oceano Atlântico solta suas gotículas nos ares e elas chegaram até aqui. O morrículo  onde moro é resultado de milhares, talvez milhões de anos de sedimentação de poeira de terra e areia, vindas de longe. Isso não é absurdo quando sabemos que a areia do Deserto do Saara chega até a Itália. 

A prefeitura recusa-se a calçar minha rua, que não tem cem metros e começa em uma falésia invadida por um pessoal do Paraná. Inclusive, levantaram um muro, fechando o acesso ao fim da rua que é um barranco, a falésia propriamente dita.
Quando construímos essa casa onde habito, eu tinha a visão do mar à minha esquerda e hoje só vejo o muro de três metros pintado de vermelho. Suas construções foram embargadas pela prefeitura, somente este mês, talvez por pressão dos turistas e moradores que só vem passar os feriados quando devia ser, também, pelo Serviço de Patrimônio da União.

Eu nunca fiz nenhuma denúncia. Quando a fizeram a primeira vez o morador veio aqui em casa e disse que eu não valia nada por ser mineira, porque mineiro quer tudo dentro dos conformes, achando-se melhor que o resto dos brasileiros ( ?! ). Veio aos berros. Esperei que se calasse para dizer que não mando recado, que se fosse eu lhe diria e que não fiz denúncia dele porque já perdi meu fôlego, sou uma onça que perdeu as garras porque se fosse nos bons tempos haveria de buscar a aplicação da lei. Que há muito perdi a esperança de o brasileiro ter amor a sua terra, defendê-la de predadores como ele. Que eu era mineira que ajudou a construir o ES e não veio usurpar como ele. Fiz um discurso, procurando palavras difíceis, como tática de guerrilha verbal,  para ele ficar calado porque não estaria entendendo metade. 

A placa de embargo da construção foi, afinal, colocada. Disseram que, com essa chuva, desmoronou um pedaço da construção que ele fez, coisa de ignorante sem noção alguma de engenharia, achando que fazer muro de arrimo e construção em cima, como ele vê nos filmes, é subir parede sem nenhuma técnica ou conhecimento. Mal sabe que na época dos egípcios já havia técnica de empilhar pedra para não desmoronar.

Caramba! Como é difícil enfrentar esses espertinhos!

De butuca

                                   
- Tudo nessa vida passa.
      

Os blogues hoje só valem para quem tem padrinho e quer ganhar dinheiro. Se for de futilidades como moda, maquiagem, unhas pintadas para quem não faz nada na vida, sapatos exóticos, ganha destaques nos grandes portais. Não sei se é matéria paga ou se exigem que seus executores sejam jornalistas. Talvez sejam financiados pelos produtos que divulgam porque ninguém faz propaganda para empresário ficar rico sem cobrar. É a profissão blogueiro.
Eu ando um pouco sem animação porque  a sensação de perda de objetivos  e pouco resultado do que se pensa ou faz tem efeito. Em um país onde a inciativa privada é punida com cargas tributárias, desprezo de toda sorte, sobreviver é mais do que deixar o nariz de fora d'água. E, escrever é uma iniciativa privada onde investidores só entram para descontar imposto e, no Brasil, correr atrás de vendas.

Nas páginas de opinião, a maioria é escrita por homens. Muitas delas radicais, obsoletas e com opinião rastreada em onda de outras várias páginas. As mulheres continuam pensando com o disfarce feminino mas não representam o pensamento da mulher.

" Algumas expressam a voz da mulher, outras simulam. Não possuem uma linguagem feminina e falam pelas mulheres como se fossem a parte feminina do homem" *

Nessa minha página, não sei o que eu fiz ao mudar o templat que saiu da divulgação e não sei como fazer para voltar a ter meus leitores. Como consequência, perdi o fôlego. Vou recuperá-lo com certeza.

* : Citação do meu livro Mulheres em suas evidências.