segunda-feira, 11 de julho de 2011

Insensato coração

Estou assistindo, por cima , a novela Insensato Coração da Globo. Portanto, não sei  se meu entendimento está correto. Como a novela tem várias histórias, eu acompanho umas e não as outras cujos atores não gosto ou a trama não me apetece.

O autor da novela mostra seu lado machista e popularesco  em várias passagens. Até aí não tem nada de novo porque a esculhambação da mulher é notória na maioria das manifestações culturais. Na trama , onde tem uma personagem vivido por Deborah Evelyn, a Eunice, dona de casa cuja meta é ingressar na elite carioca é a pior. Esta personagem vive para a família e quer realizar-se nas filhas. O marido é competente, trabalhador e vive, também , para a família e para o trabalho. Na cabeça do autor é o bastante para serem considerados dois  pongós pois seriam comuns demais.

Daí o autor parte para demonstrar que a Eunice é mal amada, na mais rasteira das expressões machistas. Dona de casa mediocre ( na cabeça do autor ) ele fez com que ela topasse na rua, com um macho desconhecido que a leva para um quartinho sujo. Ao tirar a camisa e mostrar o dorso sarado a dona de casa, mal amada, fica maluca e, como lhe falta ( ria ) em casa o sexo a 1000 por hora , ela parte pra cima do macho desconhecido e encontrado à esmo. Ao voltar para casa as filhas comentam que ela está diferente.A mal amada teria se fartado.

Esta tese que uma mulher, dona de casa, voltada para a educação dos filhos e para o marido é uma nervosa mal amada, é velha. Na cabeça destes machistas, eles relacionam a felicidade da mulher a sexo, no nivel masculino. Machista desconhece que mulher é outro departamento. Não consegue diferenciar um do outro. Então, chamar uma mulher de mal amada é uma saída porco chauvinista de péssimo gosto.

Eu não nasci para ser artista, porque não aceitaria fazer determinados papéis que esculhambam com a mulher. Não teria condições de contribuir com a discriminação e a falta de respeito como a atriz o faz. Eu sei que novela é ficção e apenas uma forma de literatura mas não consigo ver apenas como entretenimento. Acabo fazendo análises sem deixar passar o tempo e nada mais.
 
A menos que eu tenha me equivocado.

Cena típica: KLIKA

Um comentário:

Engraçadinha disse...

Ok q esse personagem está over e q o autor retratou o povo do Sul como classe média de mente tacanha. Mas acredite, esse tipo existe e não é só em novela. Conheci há anos uma figura do centrão do Brasil, q comprava só para exibir q tinha grana, uma deslumbrada q arrotava o noivo aos 4 cantos, mas q dava mole p Engraçadão nas minhas costas. Detalhe, eu soube dp q ela voltou pro mato onde vivia. Portanto, vejo algum sentido na Eunice.
Bj.