quinta-feira, 16 de junho de 2011

Nossas noites, nossos dias...

                                    
 - Doe nos olhos!
                                                                                      
Os cérebros das pessoas não funcionam da mesma forma. O ruim é quando uns e outros querem fazer interpretação baseados no funcionamento das suas cabeças.
Um exemplo é o uso das lâmpadas incandescentes.Os interessados no fim da sua produção, querem fazer com que se entenda que os seus usuários são pessoas pobres e ignorantes. Não passa pela cabeça deste povo que a verdade possa ser outra.

Existem pessoas que gostam da noite e não querem fazer que ela pareça dia. Noite é noite, escura, com sombras, com nebulosidades, com seus mistérios.Tentar trazer para ela a claridade do dia é coisa de alguns mas não de todos.

Eu, por exemplo, gosto da noite como ela é. Não quero claridades, luzes fosforescentes a iluminar tudo,feericamente.
Existem pessoas que deixam a casa toda acesa, iluminada enquanto outras apagam as luzes dos cômodos tão logo saiam deles.É um costume que pode ser interpretado como querer ser econômico e gastar menos energia ou por não gostar de tudo iluminado.

Ontem eu vi uma iluminação estranha na fachada do prédio da esquina e fui olhar o que seria e constatei que havia morador novo no apartamento confrontante e que a iluminação  era fortíssima, branca, em todos os cômodos.Enquanto eu fiquei pasma por tanta luz acesa , o morador pode ter se espantado com minha casa às escuras, quase aproveitando apenas a lâmpada da iluminação pública, em poste frente à minha casa, entrando pela abertura do pergulado da sala. Gosto das sombras da escada, enroscada, feita de madeira de lei, do pergulado nas flores,das aberturas do telhado no chão, do arco do corredor na parede retilínea. Quando a luz da sala está acesa faz sombra na parede, nos entremeios, nas janelas. A luz fosforescente ilumina tudo, fere os olhos, cansa as vistas, não deixa nada escondido, doe nas retinas.  Pior, as lâmpadas chamadas econômicas não podem ser acesas e apagadas continuamente  pois cada vez que isso ocorre diminui o seu tempo útil, queimam com facilidade. Então, são acesas e só devem ser apagadas tempos depois, na precisão.

Outro dia, fui comprar uma lâmpada convencional e lá estavam  duas mulheres. Conversamos sobre este assunto e elas também não querem  fazer da noite, dia. Saímos com nossas lâmpadas convictas de nossas formas de viver e ver a noite, de ver as sombras e os desenhos das nossas casas. Falamos desta gente que  não respeita as diferenças, principalmente  quando se acham  tão modernos que se perdem nas luzes de suas inteligências a querer impor novas práticas a seu sabor.Se nós seremos obrigadas a abandonar nossas estilos de vida eu não sei mas deviam procurar ver o mundo com menos autoritarismo e deixar as lâmpadas comuns nos seus devidos lugares.

Quer ver os enganos? KLIKA

5 comentários:

DO disse...

Que cada um viva feliz e bem do seu jeito,Magui.Bjo

Lulu on the sky disse...

Depende do ambiente, assim a iluminação.
Big Beijos

Engraçadinha disse...

Tenho o mesmo hábito e acho q as lâmpadas fluorescentes tiram o charme de certos ambientes.
E aqui tentamos educar as criaças a apagarem as lâmpadas convencionais, como forma de economia. Fomos educados assim.
E a questão do autoritarismo, não é de hoje.
Ó, comentei seu comentário lá no blog.

Bj.

Carlos Medeiros disse...

Concordo com você. O mesmo aconteceu com o vídeo cassete, com a chegada do dvd, tirando do mercado de uma vez só todos os gravadores de vídeo. Agora, tiraram do mercado o gravador de dvd. Ou seja, não deixaram opção pra quem quer um gravador.

Miguel disse...

É minha cara, essas lâmpadas brancas de fato são mais econômicas, porém eliminam todo o charme da noite.

Meu beijo...inté.