quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

O sistema amarra e não larga

                      

Por esses dias apareceu uma proposta no Face para que fossem publicados textos sobre a maternidade com indicação de dez outras. Como mulher é estúpida ! Não me canso de admirar a capacidade de ser imbecil da mulher. Depois eu li que essa ideia nasceu nos Estados Unidos. O gado feminino só falta babar. Não percebem a jogada do sistema para enquadrar a mulher que não quer saber de ficar atrelada aos filhos. Não quer e não pode. E, o estado não pode abrir mão do conceito tradicional da maternidade porque não sabe o que fazer sem ele. 

Coitadinhas das meninas. Fui indicada por várias e levei alguns dias, pensando em como sair dessa massada. Eu não queria ser grosseira com quem é muito gentil comigo. Acabei optando em direcionar minha resposta para a primeira que me indicou.E, finalmente, achei como fazer um texto que reproduzo:


Angela Fialho , vou atender, em parte, seu comando sobre publicar fotos com relação à maternidade porque não posso faltar com você. Entretanto quero dizer que não acredito nos conceitos impostos pelo sistema e nem como ele é conduzido com destaque sobre a mulher. São conceitos ultrapassados usados para dominar. Ao dar destaque à mulher, deixando o homem em segundo plano como provedor. o sistema valoriza o que não tem o mesmo valor, a paternidade. Hoje ambos são parceiros, e o conceito vigente é do tempo de Napoleão Bonaparte. O espaço é pequeno e não dá para exposição de teses mas a foto mostra que, na minha casa a mãe não era eu. Inclusive presto homenagem não só à maternidade mas, também, aos homens que são proibidos de ser pais, exatamente porque muita mulher considera a maternidade sua propriedade.
Saudades eternas da melhor pessoa que eu conheci na minha vida e que deu-me a honra de ser mãe dos seus filhos.

E, coloquei a foto que encima este texto.
Só para registro porque no Face se perde e a cretinice da iniciativa precisa ser registrada. Até quando?


Nenhum comentário: