domingo, 20 de março de 2016

PF, ponha-se no seu lugar de POLICIA

-Para bom entendedor, meia palavra basta !
                               

A Policia Federal faz campanha, esperta, para obter autonomia. 
Seus agentes, espertamente, aproveitam-se do momento histórico para obter vantagens.

A PF foi criada no tempo da ditadura para garantir truculência e receber ordens diretas dos mandatários federais. Nunca pediu autonomia. Nem pode ter. Polícia Federal é como qualquer outra. Não pode ter poder  para meter o pé na sua porta, com touca ninja, armada até os dentes porque recebeu denuncia de alguém que não vai com a sua cara, ou está equivocado  ou quer vingar-se de algo. Talvez uma denúncia vazia. Nem pode  colocar uma escuta             ( grampo) no seu telefone porque desconfia do tamanho do seu carater. Invasão de privacidade é protegida pela CF. Conversa de cliente com seu advogado, pega no meio de outros interesses, não pode ser divulgado. Só pode agir com ordem judicial ou emergência de inquérito. Para agir com ordem judicial tem que ter inquérito policial. E, mesmo assim comete erros. Para não falar de abusos de autoridade, muitos insanáveis. Agir em parceria com a mídia, não.

Policia Federal é como a estadual, tem ordem hierárquica e não pode agir como se fosse dona da verdade. A PF reúne a judiciária e a militar em uma só ao contrário das estaduais, que são separadas. Mas o autoritarismo de quem anda armado é o mesmo.

Vimos escutas telefônicas sendo divulgadas pela PF e ninguém sabe quem foi o responsável, se tinha ordem judicial. Então, colocam conversa de filho e mãe, instrução de advogado a cliente, conversa  politica entre correligionários. Tudo jogado para um povo irritado com a bagunça e a roubalheira, no calor das manifestações.

A presidenta mudou o ministro responsável pela PF. Este declarou que não vai permitir que os agentes federais façam o que querem como se fossem donos da oposição. Ele, como não é político, não falou cheio de dedos mas soltou tudo em recado direto. Aí os puliça ficaram qual porco-espinho, dando gostinho para nós avaliarmos o que seria se fossem autônomos.

A PF, na verdade, quer substituir o papel do exército nacional que está de prontidão para cumprir suas prerrogativas constitucionais, mas confia que a Justiça esteja atenta. E está. Quer decretar intervenção de polícia como se não fossem mais do que isso POLICIA.

Cuidado brasileiro, não caia na conversa de autoritarismo e polícia armada podendo tomar atitude que não é de sua prerrogativa. Nem lhe dê estes poderes. A vida não é filme de Hollywood, com atores bonitões e o final feliz. Não dê poder à cobra que ela toma asa.

Nenhum comentário: