quinta-feira, 28 de julho de 2016

Merecimento


Projeto Rondon em Coari / Amazonas. Eu, perto da borracha pronta para embarcar para o mundo ( Se quer ver maior, klika na foto)
                                

                                       
Às vésperas  do início das Olimpíadas do Rio, é preciso ter muito cuidado para acessar notícias. Os haters estão feéricos. Um ódio emanando dos dedos e das vontades, expressam suas revoltadas de butiquim. Se alguém ler uma dessas notícias tem a impressão que tudo está medonho, feio e sujo no Rio de Janeiro.Tem gente que odeia aquela cidade.

Enquanto isso, ao entrevistar alguém na rua, mesmo quem veio de fora para ver os jogos, as pessoas parecem satisfeitas.  São os dois tipos de pessoas, as otimistas que sabem viver a vida e os eternos mal humorados, colocando defeito em tudo.

Remonto-me aos meus tempos de Projeto Rondon, dos anos setenta. Nem todos queriam participar porque era executado nos recônditos de um Brasil fora do círculo bafejado pela sorte e os olhos do estado. 

Era um programa da ditadura para dispersar os estudantes nas férias e, ao mesmo tempo, mostrar aos universitários outras partes do Brasil. A participação era de graça, quem arcava com as despesas eram as prefeituras, alimentação e estalagem. Um trabalho voluntário, cada um em sua área de estudante. Eu fui a cinco operações seguidas. Eram nas férias de julho e janeiro. Foram grandes experiências e fui a lugares onde jamais iria. Conheci um Brasil brasileiro, onde a influência estrangeira não havia chegado. Ouvi música desconhecida em Belo Horizonte/ MG  improvisos musicais e artísticos, usos  e costumes diferentes, sotaques e expressões de linguagem, clima, arquitetura, modos de ver o mundo, etc e etc, e levei comigo, para eles, coisas que eles nunca ouviram falar.

Minha primeira participação foi em Itinga / MG, janeiro de 1970. Eu podia ir como estudante de Direito mas escolhi ir como professora porque os organizadores treinavam os participantes para alfabetização de adultos. Eu dava aulas como professora alfabetizadora e estudava Direito. Fiz um curso memorável e apliquei sua técnica em várias oportunidades em que, mais tarde, dei reforço para crianças com dificuldades de leitura ou alfabetização para adultos em canteiros de obras. Como eu poderia conhecer isso sem participar ? De uma utilidade sem tamanho.

Quando eu voltava, fazíamos reuniões para falar das férias. E, enquanto minhas amigas contavam suas viagens à Europa ou EUA, ou férias nas praias do Rio de Janeiro, eu contava minhas aventuras em um Brasil abandonado a receber migalhas do estado brasileiro. Uma delas, Ana Maria , marcava a reunião e dizia que era para ouvir minhas histórias de ficção.

Quando uma pessoa participa de um evento maiúsculo como uma Olimpíada, um atleta atrás de medalhas e índices, se for mesquinho e não souber que o mundo é mais que o trajeto de sua casa para o Centro de Treinamento, que o mundo é diverso, diferente, talvez sem as lantejoulas do seu mundo mas merecedor de  participar  da festa da humanidade, sua medalha não vale nada.

Um comentário:

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? Estarei lá no Rio e acompanharei a Olimpíada de pertinho. Depois contarei tudo no blog. Bjs, Fabio www.tvfabio.zip.net