quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Picadinho de Pará



                           
Eu sou a favor da divisão do estado do Pará. Mero palpite, pois conheço a região por livros , revistas e por ouvir dizer. Sei os prós e os contras mas permaneço com esta idéia.

Argumentar que uma região é muito pobre para ser autônoma é mais um motivo para separação. É verdade que o Maranhão é aquela miséria toda e os que podem fazer algo pelo estado nada fazem , mas o povo abandonado como está no interior do Pará não pode ficar.. 



Sou partidária da tese que deve deixar aos interessados diretos a decidir. Não compactuo as correntes que são contrárias porque serão mais parlamentares a sustentar ou máquina administrativa a ser criada. Quanto mais participação democrática melhor e o preço nunca é tão alto.Quem não aceita que vá participar em vez de ficar em casa dando palpites, contrariando quem quer ; assim é fácil.

Mais detalhes, por curiosidade apenas? KLIKA


                         *********************

Nota: O plebiscito decidiu pela não separação porque o maior número de eleitores estava na região que seria o Pará. O STF decidiu que todo o estado do Pará deveria participar do plebiscito e não somente os eleitores do que seriam os novos estados. Portanto, foi um plebiscito fajuto que atendeu os donos do Pará.

7 comentários:

Lucimere disse...

Tb sou a favor... Tenho amigos Paraense e ando "convivendo" com toda a problemática de lá, por eles, de ouvir falar.... Eles, apesar, da dor, optam pela divisão, para o progresso das regiões mais pobres, não, segundo eles, miseráveis, que viram a coisa de perto. Eles não são mais de lá, moram aqui do meu lado, são meus vizinhos em BSB. E vc sempre coerente demais nas colocações. Bjos.

DO disse...

O ideal seria o poder público,em todos os níveis,fazer projetos e ter vontade politica pra resolver o problema das regiões mais distantes. Mas isto é tão utópico,né?
Ainda assim,sou contra. Pelo que leio e ouço ,é só mais gasto,mais cargos e mais espaço pras quadrilhas. O Brasil precisa de eficiencia e não de mais crimes de colarinho branco. Bjo

Lucas - www.cascudeando.zip.net disse...

O Pará não será dividido. Foi o que ficou decidido no plebiscito...
Lucas - www.cascudeando.zip.net

Nanda disse...

Magui; eu era contra a divisão. Acho que o melhor seria a união - mas eu sou uma eterna Pollyana. Já enviei seu calendário, espero que chegue esta semana; se puder, me avisa se chegou direitinho. Inté.

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? O problema é o aumento da interferência estatal na sociedade.. Mais deputados, mais senadores, mais administração pública, mais funcionários públicos.. Isso provoca maior necessidade de impostos... Bjs, Fabio www.fabiotv.zip.net

Nana disse...

Nao estou muito por dentro do assunto para dar minha opiniao, mas acredito que criar mais cargos públicos em uma nova UF para justificar uma possível melhoria de vida não é a melhor saída política. Bjs e fik c Deus.

Fábio Mayer disse...

É mas, dentro do contexto, o STF acertou.

Porque a divisão do PA transformaria um estado superavitário em 3 deficitários, ou seja, TODA A população do atual PA seria prejudicada.

Fora isso, respeito sua opinião, mas sou contra a criação de novos estados, de novos municípios, de novos tribunais e de novos órgãos públicos de qualquer natureza.

Um novo estado geraria uma pressão enorme sobre a União, para financiar o pagamento de 1 governador, 3 senadores, 21 deputados estaduais, 8 federais, dezenas de secretários, desembargadores e altos funcionários públicos. Fora isso, o gasto com novos palácios e novas sedes da burocracia... tudo isso seria feito antes de haver qualquer benefício para o povo dos novos estados, se é que um dia haveria benefício, como é o caso do Maranhão.

Essas questões de integração estadual precisam ser mais bem discutidas. Se Carajás e Tapajós não recebem do governo do estado a atenção que merecem, os municípios que os formam devem se unir e fazer lobby para que as coisas aconteçam. Mas daí a querer criar novos estados, é coisa de oportunistas, gente que quer se aproveitar da coisa pública e usa o povo crédulo para chegar a seus objetivos.