sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Turistas, estes bárbaros

Os turistas estão chegando. Enquanto vão para fora do país, são como viralatas. Mas quando viajam pelo Brasil são cachorros loucos. Lá fora, andam com o rabo entre as pernas, submissos e subservientes aos estrangeiros. Aqui dentro, são de cidades maiores e querem impor suas práticas, muitas vezes nocivas. Furam filas nos bancos e supermercados, falam alto e acham que o rítmo do trânsito deve ser marcado por suas buzinas nervosas. As bestas , supostamente mais avançadas, em vez de diminuirem a correria porque estão de férias, querem desancar os naturais em sua vidinha mais lenta.
Não é raro, turista escondido em seu carrão, querer passar por cima de todos, quando é impossível pois em Guarapari pedestre tem prioridade máxima. Faixas brancas existem em praticamente  todos os  cruzamentos e aqui funciona. Não é que, um turista nervoso, buzinava tanto que eu fiz sinal para ele passar por cima. Foi o que bastou para ele colar na traseria do meu carro. Eu, então, vi um espaço de garagem , embiquei nele. Afinal, o cara poderia estar com vontade de fazer coco e isto é coisa urgente. Mas não era pois ele parou colado e esperou até que eu arrancasse.  Ao que ele me seguia, percebi que o objetivo era amedrontar-me. Nos meus bons tempos, pararia o carro para perguntar se ele tinha algum recado. Mas estou onça sem garras, sem forças para brigar como antes. Fiquei mansa, mansa. Mesmo assim preparei-me para morrer pois não é assim que acontece nas grandes cidades ?

Na reta da minha rua, diminui a velocidade e ele continuava colado na traseria do meu carro. A adrenalina da minha raiva era tanta que se ele dissesse AH, nem sei o  que faria. Ao virar à esquerda e entrar na minha rua, entretanto, o carro continuou rua afora,  buzinando desaforado.

Se ele pensou que eu estava com medo dele enganou-se. Eu estava com medo de mim mesma.

2 comentários:

Príncipe Tito disse...

Que Papai Noel lhe traga tudo de bom que você pediu e mais alguma coisa boa que você esqueceu. Feliz Natal!

Maria Inês disse...

CUIDADO Magui. Vc já sabe o que eu penso. Hoje as pessoas vivem para agredir e não sabem viver em comunidade. Cada um no seu quadrado, é o melhor modo de se viver.Bjs