sexta-feira, 13 de abril de 2012

Sem cérebro

                               
Tocou o telefone fixo, bem cedinho.A voz era grosseira, má dicção. Dizia que eu havia sido sorteada, pelo meu cartão de crédito. Perguntei sobre  o prêmio.  O homem perguntou meu nome. Insisti sobre o prêmio. Ele insistiu sobre o meu endereço.Eu disse que não tinha cartão. Admirou-se pois eu havia sido sorteada por meu cartão.Qual era meu banco? Não tenho banco nem cartão.Como assim? Todo mundo tem cartão e banco.Qual o prêmio, insisti. Uma Bíblia personalizada, gravada a ouro o meu nome, com páginas finalizadas a ouro,caixa de couro legítimo ( ? ).Respondi que não queria Bíblia evangélica pois era católica. Temos Bíblias católicas. Não quero Bíblia nenhuma. Fazemos questão, dê seu endereço. Não quero Bíblia, sorteia outro.E, desliguei.

Por estas e outras que o mundo anda regido pela batuta de entendimento religioso equivocado. Por isso é que um grupo religioso, com imagens de Nossa Senhora, fez parada na frente do STF para buscar que fetos sem cérebro pudessem desenvolver-se no ventre da mulher como se gente fosse. A falta de generosidade com estas mulheres é pior do que defender suposta pessoa a nascer. Sabendo disso, abusos de gente ordinária acontecem. Equívocos para dominação de corações crédulos.

Deus tá vendo ! Eles estão certos: Anencéfalo é questão de interpretação..

Tá por fora? KLIKA

Para saber tudo? KLIKA

3 comentários:

Engraçadinha disse...

Isso tudo é muito triste. Nunca li a respeito sob a ótica espiritualista.

Fábio Mayer disse...

No Brasil se aceita que uma mulher carregue no ventre um feto que nunca vai sobreviver ao parto, aceita-se a pressão moral e psicológica disso, a dor da mãe, da criança, da família, o desespero de não se ter o que fazer supostamente porque é vontade de Deus!

E pessoas vão para a porta do STF berrar e brigar por isto, pouco se importando com as mães destas crianças.

Mas ao mesmo tempo em que há brasileiros que lutam contra este aborto de anencéfalo, há brasileiros que aceitam serem roubados por "pastores", "apóstolos", "bispos", "padres" que usam seu dinheiro para viverem como nababos!

São pesos e medidas diferentes...

Lucimere disse...

Eu acompanhei os votos. A religião, realmente, é poderosa e atrofia o pensamento. Existem coisas que penso, mas prefiro não falar, pode parecer covardia, é, mas tenho ainda uma mãe a respeitar... Mas a fundamentação dos votos parecia DOM Divino, chegou a acalmar meu coração aflito.