sábado, 31 de dezembro de 2016

                  

Não haverá guerra mundial

                      

Pensar que eu veria esse frenesi dos estadunidenses com medo de algum líder mundial. Mas estão. Os contra Putin estão com tanta raiva dele que os debates deixaram de ser filosóficos para transformarem-se em metafísicos. Suas  provocações não têm resposta. Já se foi o tempo dos sapatos batidos na bancada da ONU.

Quem diria que um presidente dos EUA bancaria a paz e não a guerra. Pois o povo, cansado de guerras, de ver seus filhos voltarem mutilados, no corpo e na alma, querem um basta. A proposta de ser xerife do mundo  com o dinheiro do seu trabalho não tem mais apoio. Perceberam que, enquanto pagam trilhões de dólares para a indústria das armas e da guerra o mundo procura outras saídas. Que a zoropa se vire sozinha. Desde o fim da Segunda Grande Guerra, vivem às custas do dinheiro dos miseráveis do mundo e da mania dos EUA em ser Roma. Fazem guerras, provocam guerras como forma de obter vantagens. Os malandros do Velho Mundo.

O ano que entra será melhor para o mundo. A campanha dos interessados nas contendas entre os EUA e a Rússia não se conformam, mas podem procurar outra forma de ganhar dinheiro e poder. A Terceira Guerra Mundial não vai acontecer e os terroristas já procuram outro motivo para não trabalhar e viver com armas na mão, qual traficantes de drogas.

Obama não tem mais o sorriso dependurado na cara. A voz com a mesma tonalidade desapareceu. O discurso, molejando a cabeça de lá e de cá, como se fosse o dono do mundo, acabou. O cara é tão ruim que incorporou a fala dos subdesenvolvidos e brada que  a sua derrota nas eleições é golpe. 

Que venha 2017 e traga novas práticas e nos livre dos dedos apontados como se todos fôssemos incapazes de decidir ou escolher.
                           


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Vão desaparecer do mapa

                              

Somos descendentes de índios. A família de meu pai tem mistura de português com índio. Minha bisavó paterna, Dinha, ficou sozinha com um filho e casou, amasiou, sabe-se lá, com um índígena, Chico Leonel. No sertão de Minas Gerais, um os fundadores de Pium-í. Ele trabalhava na fazenda dela. O charme da família, com homens irresistíveis para as mulheres, veio dele. Se ela não resistiu, quem há de ...

Talvez por isso, tenho muita curiosidade em acompanhar o que os índios fazem, como comportam-se. Uma vez fomos a uma exposição de artefatos indígenas na Biblioteca Pública de Belo Horizonte/MG, na Praça da Liberdade e papai, que era dentista, pediu licença a um dos índios para observar seus dentes serrados em ponta. 

Continuo torcendo para as tribos isoladas não se deixarem seduzir pela civilização e que mantenham-se como são. Se não conhecem a vida cá fora, melhor é a vida deles, longe das nossas mazelas.
Não vejo vantagens em tornarem-se únicos e amiguinhos, com posturas políticas estranhas aos seus costumes. Isso fará, apenas desparecerem com o tempo como tantas outras etnias pelo mundo e pela humanidade.

Quando eu fui a Memphis, em Graceland, nos EUA, na Elvis Week, conheci um índio que andava para lá e para cá e tirava fotos com o pessoal como um animal raro. Era um dos seguranças do evento. Eu não tirei foto alguma porque me recusei a tratar uma pessoa como se fosse aberração.
Aqui no Brasil , os descendentes misturam-se e somos todos nós mas é triste perceber que a maioria deles, que integraram a nossa civilização, estão à margem.

Sobre a tentativa de integração dos índios nacionais? KLIKA


                                         

Nada mudou para quem?

Meu primo Vicente Soares Neto mandou-me esta foto de parte da Família de Papai 

Eu não sou daqueles que pensam que o ser humano está perdido. Não mesmo. Como gosto de história, sei que a humanidade nunca foi tão pacífica e generosa. Pesquisadores demonstram com gráficos que nunca a miséria esteve tão longe e a fome controlada. Até o controle da natalidade tem acontecido sem precisar haver leis coercitivas. Ainda tem gente demais porque as doenças estão sob controle mas, parece que em cem anos, vai cair pela metade com a reprodução diminuindo.

Hoje, bem cedo, eu estava molhando minhas plantas e um cara estacionou seu carro na frente da minha casa. Depois, parou e perguntou se havia perigo de alguém roubar o carro dele. Não, ninguém roubaria o carro dele, podia deixar tranquilo. Era do Rio de Janeiro e me disse que alugara um apartamento perto do Banco do Brasil ( Uns três quarteirões da minha casa) e não haviam duas garagens. Um  amigo era seu hóspede e ficou com a única garagem. Eu, que ando não acreditando em ninguém, perguntei se o hóspede era importante e daria alguma coisa em troca para ficar hospedado e com a única vaga. Ele disse que não e que era seu amigo e, por ser seu convidado tinha que ser bem tratado. 

Quando ele se foi, desejando Feliz Ano Novo e Boas Festas, matutei comigo mesmo : Na mesma conversa pude observar duas faces do ser humano,  a pessoa boa e desprendida e o espertinho aproveitador.

É, o que não mudou é o ser humano como indivíduo ...

Nota: Na foto acima, Vovô Vicente, Vovó Umbelina, Mamãe, tias e primos. Jogaram Tio Lúcio porque era solteiro.

                               

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Viagens sem medo

Teatro Carlos Gomes/Vitória/ES. Aqui tem música Conheça KLIKA
                    
As pessoas pensam  no turismo do Brasil com medo da violência. Se uma pessoa viaja sem ostentar algum coisa como brincos, relógios, etc, pode viajar para qualquer lugar do mundo. Não se viaja com roupas muito características de onde você veio mas as mesmas usadas em qualquer lugar do mundo.
Levar malas e malas com roupas que não serão usadas é desconhecer que, quanto mais passar desapercebido, menos será alvo de pessoas mal intencionadas e que existem em todos os lugares.

Já notei que, algumas pessoas ficam tão eufóricas com suas viagens que falam alto, soltam gargalhadas, exibem sua cultura diferente, chamam a atenção demais, incomodam. Não é boa política. Seja o mais invisível possível.Tirar muitas fotos é bobagem. Melhor comprar os filmes da cidade e tirar meia dúzia de fotos que mostrarão onde você esteve e tanto desejou. As outras ficarão esquecidas. Preocupe-se em curtir, observar as pessoas, os costumes  porque, com o tempo, sua memória vai lhe trair e esquecerá tudo. Mas as pessoas e o seu vai e vem, ficarão na sua mente muito mais que monumentos e flores.

Não tenha medo de viver e aproveite a juventude. Pessimismo é para quem envelheceu e não sabe.

Suas férias existem

O Portal é AQUI
                                                   

Uma das coisas que eu lamento na morte do meu marido, tão jovem, é ele não poder ter visto seus projetos prosperarem.
Ele foi arquiteto do SESC  e todos os seus projetos são belíssimos.

O mais bonito é o de Colatina. O da Praia Formosa  em Aracruz, também é deslumbrante, e foi completado por outro arquiteto. É um parque turístico fantástico e o diretor do SESC não mediu esforços para construí-lo, por muitos anos.

Eu quero divulgar para quem não conhece e para mostrar que temos lugares que não deixam nada a dever a lugar nenhum. 

O comerciário sequer sabe que pode passar suas férias em locais tão paradisíacos. Os preços são compatíveis e o alheio ao SESC também tem um preço bom. Mas o mais fantástico é para quem tem crianças. Lugar criado para elas. 

Não fique lamuriando da vida. Venha conhecer lugares compatíveis com você. Nem que for por uma semana. Esqueça o estrangeiro tão divulgado pela mídia e que esquece o Brasil. Aqui tem coisa melhor.

SESC de Guarapari: KLIKA

O paraíso é aqui

                               
Guarapari/ES . Vista do mar da Praia da Areia Preta


O ano acaba e muitos viajam no verão que se inicia. Os lugares para viajar pelo Brasil são muitos. E, todos nos mostram que o Brasil não é um só mas variado e diferente. O interessante é colecionar viagens para cada estado da federação. Parece que estamos em outros países, tão diferentes são  um do outro.O que um turista encontra de semelhante mostra como foi difícil manter o português como única língua, não havendo prevalência de outra.

Quando reclamam que o brasileiro não fala outra língua, até para receber turistas de fora, mostra apenas que não conhece o brasileiro. Por aqui ninguém quer ouvir estrangeiro falando outra língua e quer que ele aprenda o português, nem que for um pouco para comunicar-se. 

Quem desmerece o brasileiro é o intelectual com formação em teses estrangeiras, diplomas cunhados nas escolas de fora e nas comparações equivocadas entre nossos costumes e os deles.

O verão está aí, cheio de luzes, de natureza soberba e pródiga. A infra estrutura é ótima e não deve nada as de outros países. 

Se quer conhecer um lugar que ficará para sempre em sua memória venha para Guarapari. Aqui é tão bonito e agradável que eu tenho um conhecido que diz que as pessoas ficam tão apaixonadas que, mesmo morando no norte do Brasil, compram apartamentos para vir todos os anos. Só descobrem que não vai ser possível quando voltam para casa.

Eu ouço os turistas, passando na frente da minha casa e dizendo:
- Isso é o paraíso.

                                    

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

À Banda do exército russo

                         
Morrer todos vamos. Morrer um aqui e outro ali já é triste. Mas entramos na temporada das mortes em grupos.

Depois do time de futebol da Chapecoense, temos notícias que 67 de uma banda russa, do exército, morreram em um desastre de avião. Se pelo mundo houve sensibilidade com os brasileiros, é preciso fazer o mesmo.

Quero prestar minha homenagem a esse pessoal: Músicos, dançarinos, artistas, jornalistas.

O povo russo está acostumado a perder seus filhos, aos milhões, desde sempre mas o sofrimento dos seus não pode ser banalizado.

Minhas homenagens...

                                     


Às moscas do que não foi


Ele abandonou a profissão mas nós não. Uia! Virou fazendeiro...
                     
Antigamente, chamava-se de pão-duro aquele que não gastava dinheiro atoa. Aquele que pechinchava, conferia o troco, apagava a luz dos cômodos que não estavam sendo usados, que não comprava se não precisasse. Era pejorativo.
Em um país de gente pobre, que não sabe lidar com dinheiro, que não tem educação formal, quiçá financeira, fazer o dinheiro render e não gastar é motivo de desgaste. Não sabem que dinheiro não atura desaforos e que pela instabilidade econômica do Brasil, se não fizer poupança para os tempos das vacas magras, periga ir morar nas ruas. 
Portanto, essa política econômica que incentiva a gastança o comprar a prestação algo que não precisa, o comprometer seus parcos ganhos com coisas inúteis, lantejoulas da civilização, alisar as plumas de pobre, chega a ser absurdo.
Na verdade o sujeito vai estudar nos EUA, naquelas universidades caríssimas, com bolsas de estudos pagas pelo povo miserável da nação e voltam com texto decorado, pronto para aplicar no Brasil sem pestanejar, o que é bom pros States é bom pro Brasil. Que se lasquem!

O Velhaco e  sua gang, todos gastadores do dinheiro roubado da corrupção e da megalomania, aplicaram essa máxima do comprar, comprar, comprar, mesmo que não precise. Coisa de pobre que nunca comeu melado e  quando come se lambuza. Nada de incentivar a poupança, pelo contrário. A economia do país anda conforme o povo gasta para sustentar pseuda industrialização. Não interessa se o pagamento dos royalties é maior do que o que fica no país e seus salários merrecas. Não conta se importar insumos, quebrar a balança comercial.

Viajar para fora do país para ver cartões postais e ser discriminado pelas gentes, não fazia diferença. Puro exibicionismo de pobre. Conhecem Paris mas nunca foram a Ouro Preto.
Trocar de carro, pagando a trocentas prestações, televisão 40', comprometendo quase o total dos vencimentos era a ordem. Roupas feitas com panos  da reciclagem do plástico japonês, confecção chinesa e vida útil de duas lavadas, era chic. O gado inculto e equivocado forjou 60% de devedores da população. 

O resultado está aí, economia do dinheiro que dá em árvore e falência múltipla dos órgãos do povo e da nação.

Tudo isso é para dizer que Guarapari está as moscas, com todas as letras. Se nos tempos do Velhaco entupiam a cidade com carros de terceira mão, trinta pessoas onde cabem cinco, consumo de água até acabar na bica, fazendo o turismo da miséria, isso acabou. A coisa era tão feia que o prefeito disse que  a cidade dispensava esse tipo de gente que se locupleta, faz terra arrazada  mas não deixa um tostão.

Então, vai ser um alívio não precisar aturar gente gorda de tanto comer pão e macarrão, fazendo xixi na sibipiruna em frente da minha casa, correndo, eu, o risco de ser espancada se reclamar. E, as praias entulhadas, sem lugar para colocar o dedão do pé.
Não adianta achar que discrimino algo ou alguém. Apenas estou descrevendo a realidade de hoje. Não faço parte dos politicamente corretos que devem as calças mas sustentam salões de beleza para o nada. 

Vade retro! Que implante-se  a pãoduragem e não a deduragem. ..

Suas moscas são varejeiras . Não? Então KLIKA

                                

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

As contas da vida

- Foco, que dá certo. Na foto, da esquerda para a direita, Maurício, eu e Marcus
                                                     Quer ver maior ? KLIKA na foto.
                            
Nada de fazer avaliações do que passou. O certo é armazenar as coisas boas em algum canto do cérebro e que a ciência ainda não sabe onde. Depois, trabalha no automático. O que passou passou, não existe mais. As contas com a vida já foram pagas. A menos que a pessoa seja um ridículo que se auto flagele. Que prefira fazer de sua trajetória insignificante pelo planeta, um caminho perdido nas lantejoulas, sem brilho, da vida.

Nem pense em ficar para a história. Se não fez revolução em alguma coisa, esqueça. Pode ser nome de rua mas por pouco tempo. Passadas três gerações, no máximo, algum filho de alguém que não respeita o passado, muda tudo. O futuro a Deus pertence.

O dia a dia pode resultar em algo que valha a pena. Pelo menos a simplicidade não comeu sua saúde.

                                  

sábado, 24 de dezembro de 2016

Fala Rafael Henzel

                                     

Eu sabia que a entrevista de Rafael Henzel seria com detalhes, pela profissão dele. Vive de descrever o que vê, da palavra que lhe é um dom.
E, foi ótima e completa.

Para quem não sabe ele é o radialista que sobreviveu no voo da Chapecoense.

                       


O Natal isolado

                                         
O Natal é festa total para a inocência das crianças e para quem está começando nova vida. Uma não conhece a tristeza e outra carrega a esperança de um novo porvir.

A pior ideia que se possa ter é perder um ente querido nas vésperas de Natal. A notícia sendo dada de supetão marca uma pessoa para o resto da vida. Algumas desenvolvem síndrome do pânico, outras o Natal deixa de ser festa.  Bolinhas em árvores ou juntar familiares não conseguem mais trazer alegria. " Naquela mesa está faltando ele e a saudade dele esta crescendo em mim" diz a frase da música de Sérgio Bitencourt.

Dizem que os animais não tem memória, vivem o presente, tudo é instinto de sobrevivência. A tentativa humana de fazer dos animais gente é apenas reflexo de si mesmo. O que nos diferencia dos animais é a composição do cérebro. Os macacos poderiam falar mas não o fazem, Os papagaios falam mas não sabem nada.

Que fiquemos com nossas lamúrias e saibamos driblar o sofrimento que perpassa, para muita gente, as festas de Natal.

Sou solidária com todos !

Tem tempo? Então ouça o melhor cantor de todos os tempos e de todo o planeta. Sempre gravou de primeira cantada.
Eu sou ruim de emocionar-me mas essa interpretação é dose pra leão.


                                                                             

O desapego do controle

                     
Se os tempos mudaram, a necessidade de certas práticas também. E, todas ligadas  a nova vida e sua forma de viver.
Se vivemos mais tempo, urge adaptarmos às necessidades da sobrevivência que não conta com o outro. Bobagem querer exigir dos outros mais atenção, mais tempo, mais controle. Não é mais assim. O celular, que parecia mais um instrumento de dominação e controle, tornou-se base para mostrar que perde quem assim pensa.

A vida continua mesmo sem ter outra pessoa cuidando de você. Um dos desafios da educação é fazer um filho mais independente, perder a ânsia do controle, querer conduzir o que os outros devem fazer dentro dos seus preceitos. O viver o dia a dia nunca foi tão inesperado e longínquo na sua contradição.

Com a vida moderna onde, claramente sequer as pessoas conversam, como exigir atenção de amigos, familiares, companheiros de trabalho ? A burocracia, as exigências do dia a dia, dos cartões, das mensagens, das responsabilidades pela sobrevivência mal dão para cuidar de si mesmo.

Nos países desenvolvidos, os que viveram mais tempo preparam lugares com infra estrutura para viver sua velhice. Sem contar com os filhos, geralmente um ou dois que lutam pelo seu dia a dia.

Não se iludam, o futuro está para quem prepara-se para ser independente e precisar cada vez menos da atenção de outrem. Os que ficam sozinhos pode ser pela contingência da vida e não ofensa ou desapego de pessoas queridas. 

                    




sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

O cara a cara do dinheiro que comprou e compra

- Qualquer semelhança não é coincidência
                         
Meus pensamentos sobre as confissões da Odebretch na Lava Jato ou ramificações ainda estão confusos para ser externados aqui.

O que tenho lido contém muita mentira, erros e contradições. Em um jornal local foi dito que o juiz Moro teria elogiado os Odebretch pelas delações. Eu duvido. Mas leio que os réus pagarão multa em bilhões e continuarão operando. Esse foi o acordo da delação e leniência. 

O meu raciocínio não concorda, definitivamente, que Marcelo Odebretch continue sendo o esperto de sempre. Assim como seduziu e comprou honras, pagando com a miséria do povo brasileiro para ficar trilhardário e super poderoso, ele continua fazendo. Sérgio Moro deixou-se seduzir pela quantia de bilhões de reais de multa e devolução de outros tantos e aceitou que este verme  pudesse operar sua empresa, inclusive participando de licitações. Caiu na mesma arapuca e o criminoso contumaz e de alta periculosidade vai cumprir uma parte merreca da pena.

Além disso, não está certo continuar com um mega conglomerado que prejudicou outros empresários, engenheiros e economistas, impedidos de montar suas próprias empresas e realizar sonhos empresariais. Enquanto a Odebretch ganhava concorrência pública, usando a corrupção, outros brasileiros eram vencidos nesse jogo sujo e colocados à margem do desenvolvimento.

A Odebreth devia ser fatiada com cuidado nos diversos segmentos e ser leiloada parte a parte. Novas empresas, atendendo novos investidores e empresários do setor. Os engenheiros civis foram muito prejudicados por essa malta vagabunda. Muita perda de sonhos, futuros e aplicação da inteligência variada no desenvolvimento do Brasil.Tudo ficou concentrado nas mãos dessa gente. A multa paga por essa corja não paga o que eles fizeram com o Brasil e com um segmento do povo brasileiro. Para não falar na vergonha, no prejuízo pessoal e econômico e na discórdia que implantaram.

                          

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Que problema?

- Usar  uma roupa dessas no Brasil?
           
Quando eu fiz vestibular o tema da redação foi "O maior problema dos nossos dias". Talvez  fosse arapuca para barrar quem escrevesse contra a ditadura militar. Mas noventa e cinco por cento escreveu que o maior problema era a Guerra do Vietnã.O tema que eu desenvolvi foi sobre a educação, no sentido lato do conceito.
Quando eu soube da prevalência do tema escolhido pela maioria não consegui captar o motivo de tanta gente escrever sobre uma questão estrangeira e que não tem nenhuma influência do Brasil.Passa longe...

Nada mudou de lá para cá. Eu continuo pensando que é a educação o maior problema do Brasil e o pessoal tem certeza que são as guerras das arábias, dos ataques terroristas na zoropa. Tem gente lamentando que não exista no Brasil alguma forma de terrorismo islâmico, alguma pessoa de burca ou turbante soltando bombas.

Não tenho compromisso com minhas palavras mas eu acho que essa gente que mantem aquelas roupas típicas pelas ruas da zoropa quer apenas marcar território. Porque,chegam ao Brasil com as roupas pretas e panos na cabeça e estas desaparecem em pouco ou médio tempo. Talvez seja pelo nosso clima que torna insuportável o uso de muita roupa ou porque não há necessidade de firmar convicções religiosas. Talvez percebam que no Brasil não há tipo físico predominante e passar desapercebido entre a multidão é melhor do que chamar atenção e arriscar ser assaltado. ( Uia!)

Tem muito estrangeiro em Guarapari, de todos os tipos. Chegaram aqui com cara fechada, com poucas palavras mas devem ter percebido que se não sorrir e conversar ficarão isolados. Alguns eu me lembro quando chegaram e como mudaram. Os panos na cabeça das mulheres sumiram, os semblantes ficaram alegres e o sotaque longínquo.Eu só gostaria de saber se estão semi nus nas praias com o bronzeado mais bonito do mundo.

O problema do brasileiro é querer ser palmatória do mundo.
Que se lasquem. Já temos problemas demais.

Aqui não tem necessidade : KLIKA
  
                

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

O preço de ser bonzinho

Foto de Louise Rodrigues : Reduto de Chefe Boran. Casa branca, à direita, é a minha. ( quer ver maior? Klika na foto)
                                       
Ninguém está livre da ignorância pequena ou grande. Ninguém é sabe-tudo e, consequentemente não podemos controlar nossa vida, dos outros e dos acontecimentos.

A Alemanha é país desenvolvido e corre por fora desde sempre. Nem os romanos conseguiram colocar cabresto neles. Ainda hoje, quando cutucam as terras por aqueles lados são surpreendidos com antigos vestígios de avanços da sua  civilização. Entretanto, existe um complexo de culpa pela Segunda Grande Guerra e sua origem. Eles mesmos não entendem como e porque caíram na arapuca nazista. As feridas ainda não cicatrizaram.
Então, para mostrarem ao mundo que não são tão maus nem discriminam quem não é forte, loiro e organizado nos mínimos detalhes, aceitaram hordas de refugiados das arábias. Estes,vieram de mala, cuia e impondo costumes e crenças embora não admitam o dos outros povos, sequer nos seus turistas.

É triste uma população perseguida precisar sair e viver em outro lugar. Mas, entre eles também vem oportunistas, trazendo o que parecia ter sido deixado para trás. A Alemanha pensou que esse pessoal seria grato, que viveria nova vida e novo futuro. Ledo engano. Muitos procuram adapta-se e seguir. Mas os que se infiltram não perdoam. Continuam conectados às suas crenças e ao seu comando. E, marcam presença.

Melhor coisa é deixar essa gente se matar, não interferir e a vida segue. Interferir vai fazer migrar o problema e morrer nacionais entre os que deviam morrer nas suas terras de origem.

Ninguém está por fora: KLIKA
Uma coisa leva a outra ? KLIKA


                        

Fora do eixo

- Avante! O Sol continua nascendo todos os dias ...
                                        
A Chapecoense é time do interior do estado de Santa Catarina, de Chapecó, com duzentos mil habitantes. A cidade seria pouco divulgada se não fosse pelo time. 
Os últimos acontecimentos mostram, também, o que é time de futebol no Brasil e sua  diferença fundamental com a zoropa e a América do Norte. Nesses lugares os times são empresas, possuem capital, proprietários, são vendidos e comprados.
A Chapecoense é uma associação e sua diretoria age de forma coesa e focada no resultado. Para haver resultado, qualquer agremiação precisa ser bem administrada e ter planejamento.

Na queda do avião e tão logo morreram os componentes do time e diretoria, os espertinhos de sempre, dos times dos estados hegemônicos, começaram a oferecer  jogador encostado. Alguns, estranhos a Chapecoense, de longe, sem compromisso e senso do ridículo, sugeriram aproveitar ex jogador baladeiro. A diretoria pediu respeito e declarou que cachaceiro e farrista não passava nem na porta do clube porque antes de pensar em contratar jogador havia pesquisa sobre seu estilo de vida.

Jornalistas meia boca ficaram sem perguntas quando perceberam que os homens do Sul sacudiram a poeira, elegeram nova diretoria, convocaram novo técnico, dispensaram os jogadores que seriam dispensados de toda forma, transferiram os que estavam vendidos e receberam os sobreviventes com tudo planejado. Reuniram-se para contratar vinte e cinco novos jogadores porque em janeiro começam novos campeonatos e a Chapecoense vai disputar cinco ou seis durante o ano de 2017. 

Parece que o Brasil não caminha sem os pulhas de Brasília, componentes dos três poderes da nação, que não conseguem sair da arrogância dos bestuntos, a letargia dos gordos com a pança cheia e a burra repleta de dinheiro recebido da corrupção ou da apropriação indébita dos vencimentos acima do teto constitucional.

Parece que, se o estado do Rio de Janeiro foi tomado por aventureiros e criminosos, pilhado por políticos corruptos, traficantes e consumidores de drogas do mundo todo escondidos na maravilha da natureza local, o resto do Brasil dança o mesmo funk.

Cidadãos, caiam na real, quem quer ver o Brasil pegar fogo é quem ganha para escrever sob ordem de terceiros e, com certeza, não é porta-voz do povo brasileiro.
Quem quebra patrimônio privado e público, com a  cara escondida por touca ninja, é o medíocre, vencido e incapaz de ter uma profissão e faz bico quebrando o que não é dele sob ordens de covardes emparedados nas ordens inconfessáveis.

Olhar para quem faz e procura resultado na firmeza de caráter é fundamental para tirar, dos tristes acontecimentos que envolveram a Chapecoense, a certeza que o Brasil brasileiro continua trabalhando e produzindo para um futuro melhor. 

A vida continua? Então  KLIKA

                      

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Fatiamento da Odebretch

- Fatiamento  da copa da minha casa
                     
Os Odebrecht são a pior espécie de bandido que esse país produziu. São piores que os traficantes consagrados, produzidos por um Brasil semi analfabeto e esquecido. Não podem dar desculpas ou justificativas para a cadeia de corrupção, pela compra de honras e almas feitas pela dupla de pai e filho, com nome sofisticado.

A dupla ficou à frente de uma grande empresa de engenharia, dando ares de empresários com tino comercial e capacidade de gerenciamento internacional. Mas, nas entranhas das grandes construções mundo afora, morava o monstro com cérebro insaciável de riqueza e poder. Não são meros bandidos da esfera comum mas dois monstros com mil bocas, sugando como sorvedouro, o desenvolvimento de uma nação e sua população abandonada à própria sorte.

É um escândalo  internacional. A dupla comprou honras e vidas mundo afora, seduzindo as misérias humanas. 

Essa empresa Odebretch deveria fechar as portas. A consequência seria o fatiamento, vendida cada parte para  os empresários ludibriados por décadas, vencidos em concorrências  fraudulentas , impedidos de concretizar seus talentos e vocações. Ganharia o Brasil e o cutelo, cortando o pescoço dessa dupla e em praça pública.  

                           

Não podem passar

                                    
As pessoas não mudam. Não que seja pessoal ou alguém em foco, mas pessoa e nada mais. A ansiedade em mostrar sucesso, ser melhor, olhar o outro como guia de sua trajetória, joga muita gente para o buraco ou para a glória.

Não há necessidade de mentir, suprimir verdades e forjar realidades que não existem a não ser na cabeça da pessoa.
Será que precisa sobreviver a um desastre de avião para perceber que o outro que vá para as calendas gregas? 

Essa roubalheira dos políticos que apoderaram-se do dinheiro da miséria para gastar em nada, mostra que essas pessoas mais do que corruptos, ladrões são cleptomaníacos megalômanos,  doentes graves. São bilhões de reais, alimentando uma cadeia de gente que ganha dinheiro com o supérfluo, com lantejoulas da civilização. Elos de uma corrente cujo  único mérito é dar emprego para meia dúzia de cabeças baixas que morreriam de fome por não ter o que fazer com sua força de trabalho.

O dinheiro roubado pela corrupção pagaria a dívida externa brasileira! E, ainda há quem critique quando essa gente recebe vitupérios nas vias públicas.

                     

As feridas do norte

-Um dia é da caça e o outro do caçador.
                               

Nem tudo são flores em outros países. Se aqui o político contrariado diz que lhe aplicaram um golpe, o Brasil lançou moda e outros países começam a clamar contra supostos golpes que impediram a vitória nas eleições.

A gana do poder, as benesses e a berlinda para onde é lançado um governante o fazem certo de ser merecedor. Uma consequência é não aceitar a derrota pós  governo.
Se no Brasil essa gente tem certeza que o osso é seu, nos EUA também é moda quando o partido Democrata não elege seu presidente. Eu não domino e nem me interessa como funciona a lei eleitoral naquele país. O que me chama a atenção é ter somente dois partidos hegemônicos , com discursos antagônicos e uma parcela nula, da população, votando. Quando os Democratas perdem é infalível pedir recontagem de votos e alegar fraude.
Não são meros esquerdinhas mas beiram o populismo quando jogam para a galera e atacam o vencedor, atirando a esmo.

Com a Vitória de Trump, Hillary Clinton mergulhou mas o Obama, esperneia sobre a derrota. Não porque teria feito um governo ruim, é arrogante demais para admitir, mas porque a Rússia teria manipulado as eleições. Diz que perdeu porque Trump é amiguinho de Putin e vai entregar os EUA para a Rússia. 
Como bom populista que é prefere tumultuar o país através de uma política de quinta. Será que aprendeu com O Cara, manipular ideias a seu favor, custe o que custar?

Talvez o Brasil não seja tão insignificante e a forma de lancetar as feridas do país subdesenvolvido dos trópicos, sirva para a Águia do Norte. À vista de uma possível parceria entre inimigos forjados sobre teorias ultrapassadas talvez seja melhor avançar politicamente. Essas duas potências tem um novo inimigo comum.
O Obama preferiu ser o xerife do mundo com parceira óbvia e fraca. Mas o mundo mudou e a vitória na Segunda Grande Guerra ficou para trás. Hoje os inimigos não são as teorias sociais mas religiosas.

sábado, 17 de dezembro de 2016

Entrevista de Alan Ruschel



Fora do foco dos abutres

Alan Ruschel
                              
Desde a Copa, quando a Seleção estava eivada de ex brasileiros, não vi mais jogo. Chego até sentir-me mal ao ver alguma jogada. Ainda mais eu, que sempre gostei de futebol, sabia tudo de cor, acompanhava os campeonatos. Cheguei a ir no Mineirão várias vezes e torcer de ficar rouca. Acompanhava resenhas, debates sobre futebol. Mas o complexo de vira latas falou mais alto e o futebol brasileiro começou a perder suas características, a imitar os robôs dos campos impecáveis da zoropa.
Aqui, os times não são empresas mas agremiações e o futebol é o que é, entretenimento e brincadeira lúdica. Punir jogador que dribla, que faz zueira em campo, que comemora um gol sem noção alguma, ficou demais para minha cabeça. Trogloditas, impedindo que as pessoas comuns fossem a campo, torcessem sem sofrer ameaças de não chegar em casa vivo, campo de futebol tornar-se lugar de manifestação política grosseira e partidária de gente que defende a sua própria mediocridade e falta de educação... 

Quando eu li sobre o Palmeiras tornar-se Campeão do Brasileiro, ganhando apenas de um a zero do Chapecoense, fiz pouco caso porque estou desatualizada.

Então, vem a notícia sobre a queda do avião da Chapecoense e o drama instalou-se. Impossível ficar indiferente. Ainda mais quando sabemos que o motivo da queda foi resultado da pobreza, da miséria e da vontade de ter uma empresa aérea de sucesso. Um empresário querendo vencer na vida em um lugar onde ninguém consegue sucesso se não for dando nó em pingo d'água. E foi o que ele fez. E o avião estatela-se no chão matando tanta gente.

Quinze dias depois os sobreviventes brasileiros começam a dar entrevistas. A façanha, tão grande como a sobrevivência desse pessoal, é o magnífico trabalho de todos envolvidos na vontade de salvar um por um. Seis entre setenta e sete mas nenhum foi perdido. Todos estão lúcidos e vivos para contar para nós o que sentem, como foi. Saciar a curiosidade e a vontade de entender como tudo aconteceu. Esses profissionais mereciam prêmios de suas entidades de classe porque as enobreceram cem por cento. Em um tempo onde profissionais envergonham seus pares pública e historicamente, há de se aplaudir quem exerce sua função com saber e denodo.

Nem tudo está perdido nesse país onde a mídia preocupa-se em mostrar a sujeira, o lodo, a vergonha. Tem gente produzindo, estudando e não é somente nos grandes centros mas nos interiores do  Brasil, nos lugares longe dos focos dos abutres da nação.

Que alívio...
Quer saber ? KLIKA

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Burrice escancarada !

- Suada, cansada, horrorosa e chateada pela burrice que ostenta.Ninguém merece! 
                                                 
Eu faço academia há mais de quinze anos. Três vezes por semana. Segunda, quarta e sexta. Duas horas de variação de exercícios. Minha intenção é envelhecer sem dar trabalho para ninguém. Luto para não acabar minha vida usando fraldas. Especialmente, gastar com médicos e cuidadoras pois nunca fiquei doente na vida. Se eu, também, dependesse deles estaria mal. Nem limpar os ouvidos  eles sabem. Antigamente, fazer uma lavagem nos ouvidos era só ir à farmácia que qualquer bestunto fazia. Hoje, tem que ser médico e não resolve o problema.

Por isso me sacrifico na academia. É preciso muita disciplina. Muita força de vontade. Muita paciência. Muita mesmo.
Preciso  administrar meu corpo para caber nas roupas das lojas porque não   existe  quem faça  sob medida. Nas lojas só tem roupa para gente sem bunda. Como se brasileira fosse chapada. Nas academias, os exercícios são para crescer a bunda mas, quando a mulher vai comprar roupa são todas de medida milimétrica. Quanto a saúde, tenho minhas dúvidas. Não sei se a prática de exercícios físicos torna alguém mais saudável  ou mais longevo. Os exemplos contrários são inúmeros  mas os da minha casa já me bastam: Papai era atleta e morreu com 88 anos, mamãe só praticava levantamento de copo e morreu com 93. Minha irmã Consuelo, não fumava, não bebia, fazia esporadicamente exercícios físicos e caiu morta, literalmente num suspiro, com cinquenta anos. Minha outra irmã Juliana bebe wisky todo fim do dia, fuma quase uma maço de cigarros por dia, come torresmo de lamber os beiços e se falar com ela para parar ou dar  uma volta no quarteirão, andando, periga virar sua inimiga. Está vivinha da silva. 
O que eu sei é que, na academia, suando como se estivesse em uma sauna, fazendo exercícios repetitivos, olhando as pessoas caladas, sem olhar para os lados, se eu puxar conversa nem respondem, olhar parado e mal humoradas, tenho a certeza que nenhum de nós tem cérebro privilegiado. Somos uns bandos de energúmenos com espectativa de ter melhor qualidade de vida. Espectativa e nada mais. Ora,  que melhor qualidade quando perde-se tanto tempo naquele lugar horroroso?

A burrice é um estado pessoal sem previsão de ser revertida.                                

Não há previsão

- Jardim de inverno do meu quarto
                             
Brasil pensante em política é parcela mínima. Pensam muito pouco em uma nação como um todo e para todos. Se assim não fosse, essa gente não estaria nas ruas, pedindo para o presidente da república sair e que hajam novas eleições gerais. Mesmo sem previsão legal, os grupelhos  dos dois extremos políticos quebram, depredam, brigam e publicam textos na internet com a ladainha de sempre.

Ora, a corrupção praticada  estava em pleno vapor  e, porque ninguém sabia, tudo andava. Se por bem ou por mal, a vida continuava. Agora, descoberta a tramóia, o dilapidar do erário público, o embolsar das quantias da corrupção,  com prisões, processos em andamento, quantias voltando aos cofres não podem esperar mais dois anos. A pressa em fazer cair quem  fez o cidadão de bobo é tão urgente que o resto da população e o desenvolvimento do país merecem ir junto.

A verdade foi escancarada. Destrancaram a Caixa de Pandora. Agora só não sabe quem não quer saber. A cúpula de sabichões e sabidos da nação está contaminada pela distorção de caráter. Pela inversão da realidade. De ponta a ponta. Todos os três poderes tem a certeza que são superiores aos outros brasileiros. Ou porque passaram em concurso público ou porque elegeram-se com dinheiro vil. Estão convictos que sua superioridade genial tem que ser muito bem remunerada pelo dinheiro da plebe estúpida que corre atrás da vida dura e subdesenvolvida. De uma maneira ou outra. Na cabeça dessa gente, se  o Brasil é subdesenvolvido não é por conta deles mas do resto da população  que não tem a capacidade de ser magistrado, funcionário público ou elegerem-se dando nó em pingo d'água.

O segmento do povo, marionete de lideranças capengas e escondidas, como gado tangido a rosto encoberto e rojão nas mãos faz parte, historicamente, da voz dos frustrados e vencidos em qualquer sistema. Na dificuldade de fazer parte dos construtores da nação, ou que seja, preferem ser os abutres. Eventualmente, exercem o  direito de ser touro miúra que escabeceia na arena, corre de lá prá cá, bate a cabeça no alambrado mas morre na ponta da espada do toureiro. 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Mudança de tática

                     
Os amiguinhos da discórdia internacional, os vendilhões das vidas dos jovens sacrificados nas arengas entre Rússia e EUA estão a arrancar os cabelos.
Desde  o fim da Segunda Grande Guerra, forças ocultas fomentam bicadas nas rinhas de galos, abstratas mas sangrentas da Guerra Fria. Quem ganha é a indústria de balas saindo da boca dos canhões, pequenos ou grandes, matam e mutilam da mesma forma.

Mas, talvez, tenha aparecido algo novo no front da história. Parece que o presidente eleito dos EUA prefere ser amigo de Putin e fazer, com ele, parceria, contra inimigo de turbante e barba hirsuta. Ataques mútuos não lhes convém mais. Até Cuba voltou para seu lugar insignificante do mapa. Outro que não gosta, esperneia...

Então, os que perderam as eleições nos EUA  comportam-se como os comunistas e os populistas que carregam essa gente nas costas. Não satisfeitos, minam o próximo governo com injúrias pessoais, boatos certeiros. Quem diria que os EUA perderiam a capacidade de governar sem as fofocas semelhantes as  do terceiro mundo? 

Enquanto os perdedores das eleições dos estadunidenses preocupam-se com Putin os chineses avançam pelas beiradas. Olham para os dos turbantes, com seus olhinhos puxados e dando boas risadas pelo dinheiro gasto com as   arábias em  uma briga que não lhes é comum. 

Os respingos da desonra

                      
Quando uma pessoa é honesta, proba, industrial ou intelectual de destaque, que torna-se rico e famoso, sua família locupleta-se. No nome do patriarca ou de seus descendentes abrigam-se como em um guarda-chuva. É assim em qualquer lugar do mundo e por gerações. É o nome de família. Por isso pessoas sacrificam-se e esforçam-se, adoecem e morrem. 
No caso desses grandões da Lava Jato, enquanto locupletaram-se do dinheiro público, suas famílias, filhos, esposas viveram uma vida de ostentação. Andaram de carrões, com motoristas, tiveram secretárias, babás, jóias, plásticas, roupas de grife, festas, comemorações de nababos, viagens pra cima e pra baixo em primeira classe, helicóptero para levar a clubes, fazendas, iates, etc. Nenhum deles andou na rua, de ônibus e amigos misturados com do povo. Os filhos não reclamaram, os convidados também não.

Mas a casa caiu, a fonte secou, os pais perderam a maciota, alguns estão na masmorra como nunca dantes ocorreu nesse país. Não contaram com esse desfecho. Então, os colegas de sala, de chacrinha dessa gente, alguns revoltados do povo  estão  reagindo com ataques, até físicos, contra os rebentos antes orgulhosos, hoje indignados com a reação geral.

Que fique claro que eu não apoio nem deixo de fazê-lo, a mim pouco se me dá mas os pais que apoderaram-se do dinheiro do povo e distribuíram moleza para seus filhos, deviam ter medido as consequências. Mesmo alguns, trazendo diretamente os seus filhos para a farra da riqueza tirada da miséria do povo, não isenta os filhos apenas no uso dela. O povo brasileiro sempre foi magnânimo com esse tipo de gente. Mas, chegou no limite da revolta, no mesmo patamar dos absurdos cometidos, às raias do inacreditável.

A reação do povo começou e não vai ser pequena. Os que safarem-se da cadeia e quando safarem-se, dificilmente poderão viver no país. Se o irmão da Richtofen, que foi vítima também do crime da irmã, mudou-se para a Austrália para viver sem os olhares de banda, imaginem como será um filho do Odebrecht.

Pior é um povo que não reage, nem para o bem e nem para o mal. Melhor um povo que constrói sua honra sem guerras ou pactos de sangue.
Para quem quer construir o Brasil em cima de um bom senso filosófico e interesseiro, que preparem-se pois isso não existe. Se respinga quando se é honrado, respinga também na desonra. Ainda mais nessa dimensão sem parâmetro na história da humanidade. Se suja o ser brasileiro, fatalmente atingirá quem locupletou-se diretamente.


domingo, 11 de dezembro de 2016

Para ver de joelhos


Quando eu tinha oito anos queria ser dançarina de flamenco.
Olé!

O bate-cabeça dos poderes da nação

                    
O confronto entre os poderes da nação não ocorrem somente no Brasil. A ingerência de um poder sobre outro, enfraquecendo o sistema de harmonia e independência de cada um demonstra que o modelo precisa ser revisto. Ou, então, os egos estão mais do que nunca maiores do que os interesses das leis, especialmente da constituição do país.

Vi um debate em um canal de Portugal onde o tema era, justamente, este. Muito debateram sobre a predominância do Executivo sobre o Legislativo e do Judiciário sobre o Legislativo. Isso mostra que, o Legislativo, mais lento e  com mais pessoas, com debates inerentes às suas especificidades, podem não atender a pressa, o ritmo dos dias de hoje. Então, atropelam as vozes dos representantes do povo e eleitos para atendê-las. Se não correspondem aos anseios das decisões personalíssimas do Judiciário, mesmo assim não pode ser ignorado. O Executivo sofre mais pressão para decidir com rapidez e não pode esperar os tramites de uma lei comum mas o abuso de medidas mais rápidas desmoraliza o Legislativo.

O debate vai longe e nenhuma certeza é definitiva ante a realidade do nosso tempo, premente das exigências de uma nação cuja população não para de multiplicar-se. Aqui no Brasil ou em outra nação, confusa com tantas novidades.

Enxurrada da história

                            


Marcelo Odebrech paga língua e, para safar-se do castigo, delata a torto e a direito querendo derrubar a república e criar o caos. É um bandido de primeira , não só porque fez um setor da sua mega empresa tornar-se idealizadora, administradora e parceira da maior corrupção do mundo. Nem os países africanos roubaram tanto do povo.
A Polícia Federal investigou e chegou ao setor da empresa e seus documentos, contendo toda  inteligência do sistema montado e executado. O dono do dinheiro do pagamento  abriu o bico. Podia ter ficado calado se tivesse um mínimo  pejo mas, para safar-se de sentença gorda, falou. O deboche ao povo, materializado na corrupção megalômana, também é estampada nos apelidos colocados nos políticos corruptos receptores dos pagamentos feitos em espécie, carregados em mochilas. São apelidos cunhados nas aparências e defeitos, porque macaco quando senta no rabo, adora falar do rabo alheio.

A lista é grande, muitos políticos estão na ativa, gente sem vergonha nenhuma na cara. Continuam exercendo o seu papel e aqueles que chegam ao cúmulo de enfrentar o povo nas ruas como se não fosse com eles, sofrem com a reação dos mais revoltados. Inclusive os filhos dessa gente quando não fazem parte, também, do esquema sofrem pressão nas escolas e lugar de trabalho. Independente da idade. Há quem se revolte com a filharada sofrer pelos atos dos pais. Há quem ataque quem vê como parte da revolta do povo cansado de sustentar corrupto, de sofrer pelos desvios da verba pública. 

Essa gente que fez tanto mal para a nação que o povo não poupa, em sua revolta, sequer os seus filhos. Estes aproveitaram enquanto a malandragem prosperou. Ninguém tem controle lá ou aqui. E, a enxurrada da história leva todo mundo.

sábado, 10 de dezembro de 2016

O Sol no comando

Nova York é outro planeta
                             
O presidente eleito dos EUA avisa que não acredita na teoria catastrofista do fim do mundo gerado pela poluição e acabando com a vida na Terra. 
Os defensores da teoria que considera o homem o responsável pelas mudanças climáticas e sendo a predominante, usam de todas as armas para atacar o fulano. 

A teoria da mudança climática ser natural e comandada pelo Sol é colocada em segundo plano. Eu nem sei porque mas o Trump diz que é por interesse em destruir os EUA. Eu já acho que está nos interesses de impedir o crescimento de  outros focos de desenvolvimento fora do eixo dos países desenvolvidos. Talvez ele tenha razão e seja teoria comunista para fazer a China crescer enquanto a discussão se perde com o tempo, deixando para trás os incautos. Inclusive os EUA.

Habitante de um país atrasado e com desenvolvimento industrial pífio, os brasileiros mais afoitos incorporam o discurso dos países desenvolvidos e dos altamente industrializados para fazer campanha em defesa do meio ambiente. Uma das formas é tornar-se menos industrializado, controlar as fontes de energia poluente e acabar com a produção do petróleo. Fazem até campanha para encher o pais de torres eólicas, caras na construção e na manutenção e com conhecimento científico importado, portanto a ser pago com dinheiro enviado para fora do país.

O Humanismo fez o planeta sair da Idade Média e colocou o homem no centro do universo. Tudo com a regência religiosa dos interlocutores diretos de Deus todo poderoso. Os séculos passaram, o conhecimento difundiu-se, idéias foram postas e discutidas, duvidosas e creditadas, premiadas e mortais mas a pretensão do ser humano em se dar maior do que tudo que existe na face da Terra é a mesma de sempre. A ponto de determinados pseudos pensantes ter certeza que Deus destrói ou mata ali ou aqui ou outrem ou ninguém só para deixar vivo algum paspalho de sua preferência.

Plantar uma árvore ninguém quer mas dizer o que o outro deve cuidar da floresta não falta.


sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Reforma para quem?

                         
O Brasil é um país que ia bem, nas mãos dos nativos e dos enjeitados da zoropa.  Até que Napoleão Bonaparte resolveu invadir Portugal para tentar, mais uma vez, fazer uma união do continente. Não conseguiu como não conseguem, até hoje. Mas deu um tiro nas pretensões nacionais de se formar um país longe de uma casta vagabunda que só quer levar vantagem.

Junto  com  D.João VI veio a malícia e a certeza que poderiam criar uma casta semelhante às realezas zoropéias. Mesmo que D.Pedro I tenha se misturado com o povo, ficado com uma mulher comum e andando com a  " camisa aberta ao peito, pés descalços e braços nus".

O tempo passou mas a casta dos desiguais que sugam a nação até à exaustão permanece com a mesma proporção desde 1808. Para eles as benesses, os grandes salários, as prerrogativas das aposentadorias gordas especiais e especialíssimas acumuladas e beirando a trezentos mil reais ao mes. Para eles a continuação das melhores casas, tiradas dos brasileiros desde quando chegaram com D.João. Para o estrangeiro quase a metade da arrecadação dos impostos do suor do brasileiro como pagamento das dívidas e dos juros que escoa para o bolso dessa mesma casta. Se o Brasil pagou a Portugal sua dívida com a Inglaterra para se ver livre da Coroa, nada mudou pois a zoropa continua vivendo as custas dos países que descobriu em um sanguessuga infinito. 

A proposta da Reforma da Previdência é apenas o ajeitar da lama por onde chapinha o povo. Os que vivem à margem, continuam da mesma forma; rindo a bom rir do povaréu estúpido e escravo de sempre que reproduz qual rato, gasta mais do que pode e permanece ignorante  no todo e em parte. 

Quem nasceu pra lagartixa nunca será  jacaré...

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Os vários brasis.

                      

Para quem é estrangeiro ou brasileiro saudoso mas com memória perdida do tamanho do Brasil. Para que tenha o pensamento e a inteligência voltada para a avaliação do tamanho do Brasil e não somente como se o país fosse só Rio de Janeiro e São Paulo.

Desde o descobrimento do Brasil o foco ficou no meio geográfico do mapa, concentrando as riquezas e o poder. O poder político predominou no Rio de Janeiro  por ter sido a capital do país por muitos séculos e São Paulo porque foi a primeira cidade fundada e onde concentrou-se o poder econômico.

Aqui está o mapa do Brasil dividido em estados da federação e o correspondente no tamanho de países mundo afora. Só para se ter noção do tamanho desse país. 
Mas o mais interessante é a surpresa que cidadãos, políticos e pessoas com formação em outras regiões, pregam nos originais dos dois estados hegemônicos. No dias históricos atuais, quem está dando as cartas são políticos de fora do eixo citado e os  que ali habitam não estão entendendo nada.

Por isso o Brasil é grande e indomável. Cada estado é um país mas quem dá prejuízo é, exatamente, quem pensa que é o mais importante.

Acima o mapa do Brasil e aqui embaixo a comparação com países pelo mundo para ter uma ideia melhor. Se quer ver maior, Klika na imagem.                                
  

A bola está em jogo

                           
Pelo menos existe petista equilibrado no senado federal. Enquanto os membros do STF brigam entre si como se não tivessem responsabilidade com a estabilidade nacional ou a harmonia entre os poderes da nação, surge um político que sabe pensar com independência. Este é o senador Jorge Viana. Ex governador do Acre e irmão do único governador eleito pelo PT. Não é um aventureiro e , parece, a república do Acre tem família hegemônica como o é no Ceará e Alagoas. Não importa nessa hora. Em lugares pequenos, as lideranças se repetem. O que importa é que Jorge Viana não foi com sede ao pote e nem com o sentimento mesquinho da revanche.

O Ministro Marco Aurélio, do STF, vergando-se ao grupo que vai as ruas bradar seus descontentamentos, deu liminar afastando o senador Renan Calheiros da presidência do Senado. Canetou, como se fosse um juizeco de primeira instância. Não importou em momento algum se sua decisão faria  o país virar de cabeça para baixo. Ao afastar Renan Calheiros, tomaria posse o primeiro vice presidente do Senado que é do PT, partido do Lula e inimigo do PMDB do presidente Temer. Todas as propostas para viabilizar o governo Temer e o Brasil poderiam perder-se. Isso na cabeça dos imbecis da nação que pagam para ver o país pegar fogo, principalmente atrás dos teclados de um computador. E, seu conhecimento de Direito é do touro na arena.

Renan seria afastado por um processo que dura oito anos e refere-se a um suposto pagamento que uma empreiteira teria pago de pensão alimentícia em nome de Renan.

Existe no Brasil, grupos ligados a gente radical de direita. Estes, criaram páginas  na internet apenas para soltar boatos, interpretar a seu modo o que se passa na política, tomar o poder na marra, conduzindo pessoas insatisfeitas com sua situação social, a classe média brasileira.
Já houve esse tipo de gente no Brasil e quero lembrar Carlos Lacerda que dedicava vinte e quatro horas da sua vida para ver o Brasil pegar fogo. Conseguiu enquanto teve poder. Morto no ostracismo, ninguém se lembra dele. Não colaborou em nada com a construção de um país melhor. Agora, o mesmo discurso e compostura permanecem tumultuando a nação. A história se repete.

Aí surge uma pessoa equilibrada e de onde menos se esperava, do Partido dos Trabalhadores. Se ele tivesse aceitado que Renan Calheiros devia ser afastado e ocupado a cadeira de presidente do Senado, poderia gerar uma crise institucional sem precedentes. Mas manteve-se sereno, focado na realidade, entendeu o jogo dos inimigos e não caiu na arapuca. A inteligência é um dom precioso e Jorge Viana, para o bem do Brasil, possui a visão própria dos acreanos como a história já demonstrou.

A bola está em jogo...